Pesquisar
Pesquisar

Negligência do governo Bolsonaro transformou Manaus na Auschwitz do bolsonarismo

O ministro da saúde, general Eduardo Pazuello, foi até à capital do Amazonas e surpreendeu quando fez apologia ao tratamento com cloroquina
Ricardo Mezavila
Jornal GGN
Brasília (DF)

Tradução:

O campo de concentração de Auschwitz foi uma rede de campos de concentração localizados no sul da Polônia operados pelo Terceiro Reich e colaboracionistas nas áreas polonesas anexadas pela Alemanha Nazista, maior símbolo do Holocausto perpetrado pelo nazismo durante a Segunda Guerra Mundial.

Em Manaus, o aumento de casos colapsou o sistema de saúde e pessoas estão morrendo nos leitos asfixiadas. Passados quase um ano do início da pandemia e o Brasil ainda não testou a população, não possui vacina apta para imunização, não encomendou seringas e agulhas necessárias e permitiu que faltasse o essencial, o oxigênio.

O ministro da saúde, general Eduardo Pazuello, foi até à capital do Amazonas e surpreendeu quando fez apologia ao tratamento com Cloroquina, depois disse que o governo federal não tinha transporte para enviar cilindros de oxigênio e afirmou que naquele momento o governo não poderia fazer nada. Mesmo com pessoas morrendo como em uma câmara de gás clássica. 

O negacionismo levado à extrema consequência, sustentado com argumentos e frases de perspectivas nazistas, causou a tragédia que vivemos, por isso não há surpresa na instalação de câmaras frigoríficas para corpos insepultos, porque os cemitérios também entraram em colapso em Manaus.

O ministro da saúde, general Eduardo Pazuello, foi até à capital do Amazonas e surpreendeu quando fez apologia ao tratamento com cloroquina

Foto Raphael Alves – Amazônia Real
Postos de saúde, como a UBS Nilton Lins, estão lotados com pessoas doentes.

As políticas de Jair Bolsonaro para conter o avanço da Covid-19 são nulas, inexistentes, como a falta de insumo que pode vir a inviabilizar a vacinação caso a Anvisa certifique as vacinas que aguardam por autorização. 

Por que o presidente faz de tudo para atrasar o início da vacinação? 

Pode ser para exterminar parte da nação considerada inconveniente para os cofres públicos, como aposentados e beneficiários de programas sociais; Não dar palanque aos governadores, possíveis candidatos em 2022; Pode ser uma estratégia para evitar manifestações contra seu governo, mas também temos que pensar na má índole confessa desse sujeito. 

O caso é tão grave e calamitoso que o governo de Nicolás Maduro, da Venezuela, atendeu ao pedido do governo do Amazonas e liberou uma carga de oxigênio hospitalar produzida no país pela empresa White Martins. 

O Chanceler venezuelano, Jorge Areazza, publicou esta nota: “Por instruções de Maduro, conversei com o governador do Amazonas, Wilson Lima, para colocar imediatamente à disposição o oxigênio necessário para atender a contingência sanitária em Manaus. Solidariedade latino-americana antes de tudo”! 

Por fim, a Venezuela, inimiga imaginária na cabeça do bolsonarismo, vai aliviar a pressão do inimigo real do Brasil, o presidente Jair Bolsonaro. 


Ricardo Mezavilacientista político.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ricardo Mezavila

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio