Pesquisar
Pesquisar

“Neopentecostais se multiplicam de forma impressionante. Eles são o poder”, diz Erundina

Forças progressistas “ainda não construíram um consenso, para que todos se mobilizem na defesa de um único programa”
Mariane Barbosa
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

A Frente Parlamentar Evangélica, ou simplesmente a “bancada evangélica” ocupa mais cadeiras no Congresso Nacional do que muitos partidos. Em 1994, eram 21 deputados federais evangélicos, hoje já são 105 deputados e 15 senadores, o que equivale a 20% do Congresso.

Leia também:

Vitória vai transformar SP em fronteira de resistência a bolsonarismo, diz Erundina

Tucanos são expressão fiel das políticas de Bolsonaro, critica Luiza Erundina

Questionada, em entrevista exclusiva à TV Diálogos do Sul, sobre o rápido crescimento neopentecostal no país, a deputada federal e candidata à vice-prefeitura de São Paulo pelo PSOL, Luiza Erundina explicou que esses parlamentares não costumam seguir a orientação do partido aos quais eles se elegem. “É plural, são evangélicos de todos os partidos que vão formando uma frente para defender os interesses daquela congregação religiosa”, pontua.

Forças progressistas “ainda não construíram um consenso, para que todos se mobilizem na defesa de um único programa”

Reprodução: Twitter
Varias igrejas tiraram fotos fazendo arminha com as mãos em apoio a Jair Bolsonaro durante as eleições de 2018

“Eles são o poder, eles estão na religião, estão nas suas igrejas, que se multiplicam de uma forma impressionante, com uma população desinformada, submetida a uma situação de muita carência, de muita pobreza e com pouca compreensão dos fatos da história”, aponta a pré-candidata, que tem como cabeça de chapa Guilherme Boulos, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) . 

“Tem evangélicos que são sérios, com consciência política e que têm uma postura decente, de independência da religião em relação ao Estado”, ao contrário de outros que enganam seu público com promessas de prosperidade, como o bispo Edir Macedo, citado pela parlamentar para ressaltar também o império midiático criado .

“Eles têm emissoras para passar o dia fazendo a cabeça da maioria da população que não teve educação e a possibilidade de formar uma consciência cidadã”, diz a deputada federal, que ressalta o fato de fiéis seguirem o cumprimento daquilo que o pastor determina, inclusive no momento de dar o seu voto. “Lamentavelmente, é um poder e está se acumulando, crescendo, elegendo bancadas.”

Do outro lado da moeda

O discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no último dia 7, Dia da Independência do Brasil, tocou no tema da soberania e trouxe ao debate progressista a esperança de uma frente de salvação nacional.

“A ideia de uma manifestação, de uma liderança comum é muito importante, agora, é o partido dele que tá fazendo isso ou é ele realmente?”, questionou Erundina, que destacou ainda o fato de que o país “não tem tradição de Frente”.

Erundina pontuou que a não concretização de uma frente de oposição ou unidade da oposição é um “problema” que está “na raiz da cultura política brasileira”. “Mesmo no campo progressista é uma dificuldade para se conseguir articular forças numa direção só, para obter alguns resultados no interesse da coletividade do país”, explica.

“Quanto à unificação das esquerda, o problema é o seguinte: não se juntam pessoas, se juntam ideias se juntam projetos, se juntam sonhos, perspectivas”, diz, ao lamentar que as esquerdas do país “ainda não construíram um consenso, para que todas as forças progressistas se mobilizassem na defesa de um único programa”.

“Uma única proposta com um único candidato dessas forças, certamente alcançaria muito mais visibilidade, mas isso não existe”, pontua a candidata ressaltando que “falta um eixo comum, unificado, para que, a partir dele você, se possa juntar gente, acumular forças e expressar essas forças exigindo de quem tem poder, para que esse poder ceda no sentido de mudar as regras do jogo”, explica.

A deputada deixa claro que é esse o caminho que precisa ser traçado, mas que, embora as tentativas “não tenham sido muito exitosas”, a ideia é “oportuna”. “É preciso investir nesses anúncios, nesses termos e acumular forças para isso. Porque não dá mais para manter jeito de estar”, conclui.


Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Mariane Barbosa

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio