Pesquisar
Pesquisar

Nigéria pede apoio como o recebido pela França

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Eroeffnung Monat der Weltmission im Erzbistum Paderborn O arcebispo nigeriano Ignatius Kaigama.

O arcebispo nigeriano Ignatius Kaigama pediu um maior apoio da comunidade internacional para enfrentar o extremismo islâmico em seu país, similar ao dado à França após os recentes ataques terroristas.

Cerca de 15 garotas escaparam do sequestro do grupo Boko Haram, em meados de abril de 2014, na Nigéria, enquanto saíam da escola. Segundo Kaigama expressou, o apoio mundial à França diante dos crimes contra seus cidadãos é muito positivo mas “precisamos que esse espírito se dissemine não apenas quando estes episódios ocorram na Europa senão também na Nigéria, Níger, Camarões e muitos outros países pobres”.

O alto representante da Igreja Católica referiu-se à onda de violência desatada na Nigéria pelo grupo fundamentalista Boko Haram, que provocou a morte de cerca de 13 mil pessoas desde 2009.

Na semana passada os fundamentalistas atacaram o povoado de Baga, causaram centenas de mortes e forçaram a fuga de mais de 20 mil pessoas.

Cerca de 20 pessoas morreram no sábado nesse país após uma explosão causada por um agressor suicida em um mercado da cidade nigeriana de Maiduguri. Segundo as investigações policiais os radicais amarraram a bomba em uma menina de 10 anos de idade.

Kaigama indicou que enquanto esses ataques ocorriam recentemente na Nigéria, centenas de milhares de pessoas em todo mundo tomaram as ruas em solidariedade com a França, em protesto contra os ataques de fundamentalistas que deixaram um saldo de 17 mortos na semana passada.

O religioso nigeriano afirmou que devem ser igualmente repartidos os recursos internacionais para acabar com esses fatos em qualquer lugar do mundo em que ocorram.

Fonte: Prensa Latina


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei