Pesquisar
Pesquisar

Nós, os odiados pelo fascismo, (re) existimos em defesa da cultura e democracia

O que vai se construindo no Brasil é uma articulação maior para derrubar não apenas um veto, mas aquele que veta tudo o que vem de nós artistas
Danilo Nunes
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Não é de agora que Jair Bolsonaro vem atacando a cultura no país, tentando desarticular seus agentes e destruir as políticas públicas e as instituições culturais do Brasil

A extinção do Ministério da Cultura já nos alertava sobre o que viria adiante. Os escolhidos para gerenciar a cultura no Brasil ora faziam saudosas referências aos anos de chumbo no Brasil, ora brincavam de arminha com os filhos boçais e sem escrúpulos de um presidente fascista e genocida. 

As notícias não eram boas para o Brasil: Covid leva a óbito mais um (a) brasileiro (a). Ao todo foram 665 mil mortos (as). Dentre eles (as), o grande poeta e letrista Aldir Blanc e o maravilhoso ator Paulo Gustavo que deram nomes às leis emergenciais para o segmento cultural.

Mais uma vez nos deparamos com a insensibilidade e falta de empatia para com as trabalhadoras e trabalhadores da cultura, uma das categorias mais afetadas na pandemia. Não bastasse toda a luta, resistência e articulação da categoria, a poucas semanas atrás, o presidente Jair Bolsonaro (PL) decidiu vetar integralmente a nova Lei Aldir Blanc, que previa o repasse anual de R$ 3 bilhões para o setor cultural até 2027.

O que vai se construindo no Brasil é uma articulação maior para derrubar não apenas um veto, mas aquele que veta tudo o que vem de nós artistas

Portal Vermelho
(Re) Existimos em Cultura

A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) em 5 de maio, onde o presidente alega que o projeto contraria o interesse público e é inconstitucional.

A Lei, que estabelecia o repasse de recursos a estados e municípios para fomentar o setor cultural, havia sido aprovada pelo Senado Federal em 23 de março, com placar de 74 votos a 0 e uma abstenção.

Gestores estaduais e municipais de cultura vem criando uma agenda nacional pela derrubada do veto das leis Paulo Gustavo e Aldir Blanc 2. 

O que vai se construindo no Brasil é uma articulação maior. Uma articulação para derrubar não apenas um veto, mas derrubar aquele que veta tudo o que vem de nós artistas, trabalhadoras, trabalhadores, negras, negros, comunidade LGBTQIA+, ou seja todos (as) nós: Os (as) odiados (as) pelos fascistas, mas guardiões (ãs) da democracia. Somos mais do que resistência, somos a (RE) EXISTÊNCIA e venceremos.

Danilo Nunes é músico, ator, historiador e pesquisador de Cultura Popular Brasileira e Latinoamericana
Instagram: @danilonunes013 | Facebook: @danilonunesbr


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Danilo Nunes

LEIA tAMBÉM

Frida-Kahlo
Anos de ouro: o êxito vivido pela Cidade do México e por Frida Kahlo pós-crise de 1929
Foto de Adrian Swancar na Unsplash
Frei Betto | Refém das redes digitais, juventude grita por socorro! Como evitar o pior?
Vicente Lombardo Toledano
O marxismo de Vicente Lombardo Toledano, fundador da Confederação de Trabalhadores da América Latina
vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente