Pesquisar
Pesquisar

“Nosso problema é a obediência civil”: 100 anos do historiador e ativista Howard Zinn

"Nosso problema é que as pessoas são obedientes frente à pobreza e à fome e à estupidez e à guerra e à crueldade... esse é o nosso problema"
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Na semana passada se festejou o centenário do nascimento de Howard Zinn (nasceu em 24 de agosto, faleceu em 2010) com uma série de fóruns e obras sobre sua extensa contribuição como historiador, crítico social e até dramaturgo, incluindo seu livro mais famoso, A outra história dos Estados Unidos, a introdução à história de seu país de maior sucesso (recentemente ultrapassando as 4 milhões de cópias em circulação).

Zinn participou dos grandes movimentos de direitos civis, justiça econômica e social, antiguerra e contra as políticas imperiais de seu país. Ao mesmo, tempo foi professor na universidade para mulheres afro-estadunidenses, Spelman College – onde entre suas discípulas estava a escritora Alice Walker – e, depois de ser despedido por suas posições políticas, na Universidade de Boston.

Precisamos ter uma conversa séria sobre o real papel da China no mundo

Entre as melhores histórias para descrevê-lo figura esta: em 1970, quando Zinn tinha que se apresentar ante um juiz em um tribunal em Boston por um ato de protesto contra a guerra do Vietnã, optou por ir a Baltimore para participar como convidado em um debate cujo título era “O problema da desobediência civil”. Zinn argumentou aí que “nosso problema não é a desobediência civil… nosso problema é a obediência civil…

… Nosso problema é o número de pessoas através do mundo que têm obedecido os ditados dos líderes de seus governos e têm ido à guerra, e milhões morreram por essa obediência… Nosso problema é que as pessoas são obedientes por todo o mundo frente à pobreza e à fome e à estupidez e à guerra e à crueldade… Esse é nosso problema”.

Ao regressar à sua universidade para sua classe matutina, o esperavam dois detetives da polícia para detê-lo por não se apresentar no encontro ante um juiz. 

"Nosso problema é que as pessoas são obedientes frente à pobreza e à fome e à estupidez e à guerra e à crueldade... esse é o nosso problema"

teachingforchange – Flickr

Zinn, um mestre perigoso que sempre afirmava que não se pode ser neutro neste mundo, nos convidou não só a estudar história, mas sim fazê-la

Em uma entrevista ao La Jornada – onde Zinn foi colaborador – repetiu sua posição de que a história demonstra que a mudança não provém das eleições e das cúpulas políticas, mas sim dos movimentos de baixo.

Foi uma voz dissonante mesmo entre os progressistas durante a eleição histórica de Barack Obama, assinalando que “ele não cumprirá com esse potencial para a mudança a menos que seja rodeado por um movimento social suficiente enojado, poderoso e insistente que o obrigue a cumprir com suas frases abstratas sobre mudança”. 

“Projeto europeu” é mito para impor neoliberalismo, usando violência se necessário

“Nosso tempo e energia deveria ser dedicado a educar, agitar, organizar nossos concidadãos nos locais de trabalho, nos bairros, nas escolas” para construir esses movimentos, os quais têm obrigado às grandes mudanças neste país, como nos tempos de Lincoln, ou de Franklin Roosevelt, ou nos anos 1960.

Sempre recordava que a história, entre outras coisas, está conformada por surpresas que só podem ser vistas muito depois. Gozava contar, por exemplo, que nos anos 1950 ele e seus colegas intelectuais progressistas lamentavam que talvez não houvesse esperança por uma mudança no país porque “as pessoas não se movem”, e justo nesses mesmos momentos estavam sucedendo atos pequenos e isolados de rebelião e desobediência no sul dos Estados Unidos que depois detonariam o grande movimento dos direitos civis. 

Entre sua ampla obra, livros de ensaios, discursos e pesquisas, estão também joias como “A arte da revolução”, um dos ensaios mais simples e claros sobre o anarquismo revolucionário (introdução ao livro “Anarchy and Order” do crítico social inglês Herbert Read), e um par de obras de teatro, “Marx in Soho” e “Emma” (sobre Emma Goldman).

Zinn, um mestre perigoso que sempre afirmava que não se pode ser neutro neste mundo, nos convidou não só a estudar história, mas sim fazê-la.

—————————

Voices of a People’s History – algumas seleções do documentário sobre a obra de leituras históricas por artistas. https://www.howardzinn.org/collection/the-people-speak/https://www.peopleshistory.us/watch

You can’t be neutral on a moving train | Documental biográfico sobre Zinn, narrado por seu amigo Matt Damon:

David Brooks, correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes