Pesquisar
Pesquisar

“O circo avança, mas o pão escasseia”

Redação Diálogos do Sul

Tradução:

Olavo Câmara*

palhaçadaO pão e o circo voltaram! Até parece que estamos vivendo na Roma antes de Cristo.  O STF não deve dar palpites, somente julgar sem aparecer em entrevistas, mas a vaidade dos ministros os domina.

Os integrantes dos três poderes não aprenderam a respeitar o povo, a nação e as instituições.  Os políticos sabem como montar e trabalhar um circo, mas se tornaram palhaços disfarçados. Há exceções e gente honesta, mas é a minoria!  
Estamos assistindo uma história jamais vista neste país. Quantas bandalheiras, discussões, acusações, delações, prisões, julgamentos e a economia afundando.  O circo brasileiro montado deixa o coliseu romano com inveja, enquanto as mazelas circenses avançam, o pão escasseia, ou seja, desemprego aumenta, os preços sobem, as empresas fecham e surge o desespero da sociedade. Acusações de todos os lados e um grupo acusando o outro. Não podem ambos estar errados? O calendário mostra que até 17 de abril é a data fatal para julgamento do impeachment na Câmara Federal para dar continuidade a este processo.  
Aplicando-se ou não este processo, com a renúncia ou não da Presidente, o país está morto e parado. O pessimismo está tomando conta da sociedade e o negativismo avança. Os comentários negativos são inúmeros. De um lado o pessoal que defende o governo fala em golpe e do outro se fala em crime de responsabilidade. A defesa da presidente perante a Câmara foi frágil e os comentários indicam que a própria presidente ficou decepcionada e assustada com a peça apresentada perante a Câmara.
O Presidente da Câmara tem um processo de cassação contra si, o Presidente do Senado está com o nome citado na operação Lava Jato, o Vice-Presidente está fragilizado, uma vez que apresentaram contra ele processo de impeachment. Há um processo tramitando no TSE – Tribunal Superior Eleitoral em face de crimes eleitorais nas últimas eleições presidenciais. Que calamidade! Infelizmente não se vislumbra lideranças sérias, pessoas com “pinta de estadistas” que pudessem trazer esperança, planos, projetos e apontar caminhos para o povo brasileiro.
O Brasil perde credibilidade internacional a cada minuto que passa, mas os espetáculos circenses não se apresentam somente a noite, agora persistem todos os dias, pelo tempo de vinte e quatro horas. Tudo que vem ocorrendo chama-se desamor à Pátria, prevalência do mundo material sobre o espiritual, domínio das vaidades, arrogâncias e a sede plena de poder para se impor uns aos outros. Eu quero e posso, colocarei todo o meu ser para dominar esta sociedade hipócrita, é a atitude e pensamento da maioria dos políticos e governantes.  O risco maior é a possibilidade de um confronto armado entre os que defendem este governo versus aqueles que se colocam contrários. Há muita gente desejando que as forças armadas tomem atitudes. Enquanto isso, o barco da pátria está à deriva e o sufoco não deixa ninguém respirar. Restaure a esperança Oh meu Deus!.
*Colaborador de Diálogos do Sul – Olavo Câmara é Advogado, Professor, Mestre e Doutro em Direito e Política
 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização