Pesquisar
Pesquisar

O fim dos cavalinhos de madeira: quando a "evolução" dos brinquedos vira um problema

O maravilhoso balanço, sobrevivente durante séculos e transformado em símbolo da infância protegida, não conseguiu ultrapassar o século vinte
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

(Escrevi este texto em dezembro de 1994, sem publicá-lo, muitos anos antes da invasão dos aparatos inteligentes que hoje se mantêm nas mãos de meninos e meninas.)

O maravilhoso balanço de madeira em forma de cavalinho, sobrevivente durante séculos e transformado no símbolo da infância protegida, não conseguiu sobrepassar a fronteira do século vinte.  

Os avanços da tecnologia também têm seus bemóis. Apresentam às vezes esse lado escuro, barato e popular próprio dos objetos de consumo de massa, que derivam da necessidade de estender seu campo de influência até os rincões mais escondidos da sociedade do mundo civilizado.

Assista na TV Diálogos do Sul

Os brinquedos, por exemplo, mostram essa característica de forma sumamente ilustrativa. Especialmente quando tentam comunicar os segredos da ciência em uma linguagem adaptada à total ignorância que sobre esses níveis de conhecimento manifesta um público leigo, ávido de surpresas. 

As antigas bonecas que serviam de companhia às meninas e lhes permitiam construir um mundo fantástico ao redor de seres inanimados de trapo, plástico, cerâmica ou madeira e que tinham a grande virtude de conformar uma família obediente e subordinada, foram se transformando em mulheres adultas, sofisticadas e cheias de complicações; belezas convencionais que cumprem perfeitamente o requisito de representar o consumismo em sua mais pura expressão. 

Rodeadas de mansões de vários andares, automóveis de luxo, estolas de pele, joias, canchas de tênis e até noivo, as bonecas-fetiche de hoje pouco a pouco vão transformando a simples brincadeira em uma custosa corrida de obstáculos e em uma competição feroz, que serve – triste vantagem! – como treinamento para a futura vida em sociedade. 

Quando a boneca não se transforma em uma moça de capa de revista, então, se torna uma menininha tonta que repete incansavelmente frases em inglês de uma gravação, ou – como acaba de aparecer no mercado – em uma menina que fala ao telefone uma série de ideias sem graça. 

O maravilhoso balanço, sobrevivente durante séculos e transformado em símbolo da infância protegida, não conseguiu ultrapassar o século vinte

MaxDeVa – Flickr

O que se está perdendo nesse ínterim é a qualidade lúdica desses objetos tão apreciados pelas crianças




Réplicas da mamãe

As bonecas atuais não são mais aquelas figuras silenciosas e aguentadoras de maus-tratos. Agora são elas que ditam as normas e apresentam problemas específicos como o racismo, a sexualidade, os problemas de saúde ou a falta de carinho. Na realidade, se erigem em réplicas convenientes da mamãe, que termina delegando a elas uma parte de sua tarefa formativa. 

O que se está perdendo nesse ínterim é a qualidade lúdica desses objetos tão apreciados pelas crianças. A incorporação de tecnologia na fabricação de brinquedos provocou uma lamentável atrofia da faculdade infantil de desenvolver uma criatividade sem limites, já que cada vez requer maiores estímulos. A diversão pura, a capacidade de abstrair o entorno e penetrar de cheio em um mundo integralmente criado por e para o seu próprio prazer, se contaminou com um absurdo universo de elementos inventados por adultos para alcançar objetivos mercadológicos muito precisos, nos quais não estão incluídas as ilusões infantis. 

O sexismo, que nas últimas décadas foi duramente combatido pelos grupos feministas no que se refere à indústria de brinquedos e que supostamente havia ganhado algumas batalhas no nível mundial, em nossos países se encontra em franca retirada.

Os estereótipos se manifestam e se ratificam nas prateleiras das lojas, onde o único que falta são letreiros que indiquem: “meninos” e “meninas”. E a mensagem para cada um se adequa aos valores vigentes na sociedade terceiro-mundista com sua conotação de anseios frustrados e arrivismo.


Objetos para brincar

Os objetos para brincar – já que é contraditório chamá-los de brinquedos – satisfazem uma ampla gama de paixões humanas e não deixam maior espaço para o exercício de seu labor fundamental, que é tão simples como facilitar o desenvolvimento adequado da personalidade da menina ou do menino através da brincadeira, permitindo-lhe compartilhar experiências e adquirir novas habilidades. 

Esta incapacidade dos adultos de resistir a entrar nesse jogo se aprofunda à medida que os enfrenta às suas próprias limitações. A aquisição de presentes para seus filhos passa por um série de etapas de avaliação, que poderiam ser descritas em termos gerais como: possibilidades econômicas (o quanto podem gastar em cada um); equilíbrio no tamanho e valor dos presentes entre todos os filhos, para que ninguém se sinta relegado; se as finanças permitirem, comprar tudo o que os pais houvessem querido que lhe presenteassem quando era pequenos; se não permitem, então escolher as versões baratas dos brinquedos caros que terão os vizinhos. 

Damares, armas, pornografia: máquina bolsonarista desrespeita infância brasileira

Em nenhuma parte aparece a análise do que é melhor para as crianças, ou o que lhes poderia fazer mais felizes com um mínimo risco de deformar seu esquema de valores. Em resumo, se efetua uma operação calculada entre a satisfação emocional e social dos pais e as exigências da comunidade infantil, já completamente manipulada pela publicidade.

O maravilhoso balanço de madeira em forma de cavalinho, sobrevivente durante séculos e transformado em símbolo da infância protegida, não conseguiu ultrapassar a fronteira do século vinte. Foi vencido e esquartejado em uma batalha desigual, por uma Barbie desabrida e rija, por um Nintendo alienante e solitário, por uns estridentes carrinhos motorizados que imitam o pior da realidade e por toda uma montanha de objetos que substituíram a imaginação por um par de pilhas alcalinas. 

Carolina Vásquez Araya | Colaboradora da Diálogos do Sul na Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)