Pesquisar
Pesquisar

O Syriza sem máscara

Miguel Urbano Rodrigues

Tradução:

A Grécia Revisitada-1 – O Syriza sem máscara
Miguel Urbano Rodrigues*

Tsipras e Kamenos Tsipras e Kamenos

Os dirigentes das principais potências da União Europeia e os media controlados pelo capital projetam no mundo uma imagem da Grécia grosseiramente deformada.

Na caracterização da crise começam por esconder que os empréstimos concedidos à Grécia se destinaram a financiar o grande capital financeiro no âmbito da estratégia da União Europeia.
Contrariamente ao que amplos sectores sociais admitiram, o governo Syriza-Anel foi recebido com agrado pelas organizações e representantes do mundo empresarial.
A coligação do Syriza com o Anel – partido nacionalista e xenófobo – formou-se em poucas horas porque existia um acordo prévio. É alias significativo que a Federação Helénica de Empresas-SEV e o diretor geral de Businesseurope tenham felicitado Alexis Tsipras logo após a sua nomeação para primeiro-ministro.
As linhas gerais da política capituladora do novo governo foram traçadas com antecedência, mas Tsipras e o seu ministro Varoufakis esforçaram-se inicialmente nos seus discursos por transmitir ao mundo a imagem de um governo de esquerda, empenhado em realizar reformas progressistas de ruptura com a política da Nova Democracia e do PASOK, que respondessem às aspirações do povo. Confundir as massas foi objetivo prioritário.
Acompanhando uma chuva de promessas, o governo criou uma linguagem enganadora. O memorando passou a chamar- se «acordo-ponte» a troika «grupo de Bruxelas”, as privatizações «colaborações».

Hipocrisia e submissão ostensiva

O êxito eleitoral do Syriza a 25 de Janeiro foi uma consequência do profundo descontentamento popular. O povo votou contra a política da Nova Democracia – PASOK que arruinara o país, empobrecerá dramaticamente os trabalhadores em nome da competitividade e rentabilidade do capital.
Num contexto em que o desemprego atingira os 26,8%, o Syriza fez promessas que na prática não ultrapassavam políticas assistencialistas similares às aplicadas por outros governos burgueses, inclusive os do PASOK e da Nova Democracia para gestão da pobreza extrema e da miséria absoluta. Não tinha, sublinhe-se, a intenção de as cumprir, como ficou demonstrado.
Prometeu, por exemplo, restabelecer o salário mínimo em 751 euros, mas manteve-o em 580 euros. Afirmou que reduziria drasticamente o IVA, mas engavetou rapidamente a promessa, e agora está negociando o seu aumento. A condenação frontal da «austeridade» cedeu lugar a uma «austeridade suavizada».
Transcorridas poucas semanas, ficou ainda mais transparente que o governo Syriza – Anel se propunha a desenvolver uma política capitalista, totalmente alinhada com a estratégia e as políticas da União Europeia.
Afirma despudoradamente que a Grécia pagará integralmente a sua gigantesca dívida externa de 374 mil milhões de euros, pela qual não cabe ao povo grego nenhuma responsabilidade. A lentidão das negociações com Bruxelas não deve gerar ilusões. Acabaram por chegar a um acordo, como ambas as partes desejavam. Segundo declarou Varoufakis, será assinado antes do final de Junho.
Registre-se, porém, que na ultima reunião do Comité Central do Syriza um setor minoritário desse partido criticou o acordo, manifestando-se contra a sua aprovação.
Para favorecer os grupos monopolistas e o patronato em geral, o governo precisa de realizar tímidas reformas nas áreas da política monetária e fiscal. As contradições existentes na União Europeia e no relacionamento desta com os EUA teriam de se refletir no diálogo do governo com as potências imperialistas.
Cabe lembrar que Washington disputa à Alemanha a hegemonia na Europa e tudo faz para sabotar as relações econômicas do governo de Ângela Merkel com a Rússia.
O afastamento do ministro da Economia, Varoufakis, do papel de «negociador» foi tema de interpretações fantasistas. Na realidade, essa decisão não teve motivação ideológica, resultando da sua personalidade e estilo. É esclarecedor ele ter sido professor de uma universidade americana e ser um keynesiano, defensor assumido do capitalismo e do aprofundamento das relações com os EUA. Declarou enfaticamente que está de acordo com 70% das medidas do memorando imposto pela troika.
O «Acordo de 20 de Fevereiro», negociado com o Eurogrupo, prolongou a validade do memorando. O governo Tsipras-Anel manteve todos os compromissos assumidos pelo governo de Samarás
e os anteriores, e abre a porta a um pacote de novas medidas anti populares: aumento de impostos, privatizações de infraestruturas estratégicas, cortes em áreas sociais (saúde, educação , segurança social) e nos salários da função publica, benefícios fiscais para os grandes grupos econômicos, etc. A privatização do porto do Pireu intensifica-se com o aumento do controle privado para 51% – e perspectiva da venda de mais 16% num futuro próximo- bem como outras estruturas privadas e 14 aeroportos regionais.
Aliás, a Nova Democracia, o Pasok, e o Potami apressaram-se a declarar que votarão a favor do Acordo de 20 de Fevereiro se ele for submetido ao Parlamento, e expressaram disponibilidade para aprovar qualquer acordo que mantenha a Grécia na zona euro.

Maior integração na OTAN

O governo Syriza-Anel tem afirmado que pretende fortalecer as relações com os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte, instrumento militar da sua estratégia planetária de dominação imperialista.
O ministro da Defesa, político de extrema direita, defende um aprofundamento da cooperação com Israel. Ao visitar os EUA sugeriu a exploração conjunta dos recursos energéticos do Mar Egeu.
O governo coligado criou condições para a intensificação de manobras da OTAN no país, alargando a cooperação com as bases militares da organização no território nacional. O ministro da Defesa propôs inclusive a instalação de mais uma base militar da OTAN na ilha de Karpathos.
Não obstante a asfixia financeira, o governo de Tsipras aprovou uma verba de 500 milhões de dólares para modernização de aviões obsoletos Lockheed, destinados a missões de vigilância da OTAN no sudeste do Mediterrâneo.
Numa exibição das suas contradições, discordou primeiro da imposição de um novo pacote de sanções à Rússia, mas depois aprovou-as.
Aceitou também participar na escalada militar no Médio Oriente, invocando como pretexto «a proteção das populações cristãs» contra o chamado Estado Islâmico.
Ampliam-se as relações com o estado terrorista de Israel ,assumindo o perfil de uma aliança estratégica. Logo nos primeiros dias do atual governo, o ministro da Defesa sugeriu a criação de um espaço de defesa comum que inclua Chipre e Israel.
A Grécia acha-se cada vez mais envolvida nos projetos agressivos do imperialismo para a Região e, portanto, cada vez mais exposta aos perigos inseparáveis dessa politica.
É nesse contexto que o capital grego encara as suas relações com as outras potencias capitalistas. A visita a Moscou de Tsipras inseriu-se nesse quadro.

Irredutível oposição do KKE

A direção do KKE declarou desde o início da campanha eleitoral que não aceitaria em hipótese alguma participar em qualquer governo burguês.
O Partido Comunista está consciente das dificuldades da sua posição.
O facto de o Synapismos, núcleo do atual Syriza, ter sido formado por dissidentes do KKE contribuiu para que grandes media internacionais apresentassem o partido de Tsipras como força política radical e até revolucionária. O apoio do Partido da Esquerda Europeia (criado para desmobilizar a classe operária), de partidos comunistas reformistas como o PCF e o PCE ao Governo Syriza-Anel, e da social-democracia europeia em geral também gerou alguma confusão.
O KKE desempenha um papel fundamental na organização da luta contra as medidas antipopulares do atual governo.
A votação do projeto de lei que apresentou no Parlamento para abolição do memorando e das leis antipopulares tem sido adiada. Será certamente derrotado pela maioria.
O governo Syriza-Anel, que tem contado com o apoio transparente da burguesia , cria dificuldades à luta dos trabalhadores, mas não pode impedir a ascensão da luta de massas.
O Syriza com o seu populismo demagógico continua a confundir amplos sectores sociais. Mas a sua máscara apresenta-se cada vez mais esburacada.
No momento em que escrevo multiplicam-se em toda a Grécia as manifestações e as greves. O êxito dos desfiles do 1º de Maio iluminou bem a atitude de milhares de trabalhadores perante uma política classista, favorável ao grande capital. Para os dias 11 e 23 de Junho foram convocadas pelo PAME- a frente de trabalhadores e organizações sindicais na qual o KKE desempenha um papel fundamental- grandes manifestações
O capitalismo não tem soluções para a sua crise estrutural. Está condenado a desaparecer e a única alternativa é o socialismo. O KKE não desconhece que no atual contexto europeu e mundial a agonia do monstruoso sistema de exploração do homem será provavelmente lenta.
Mas como partido revolucionário marxista-leninista a estratégia do KKE não é elaborada em função de um calendário para a tomada do poder. Os comunistas gregos não excluem a possibilidade de uma agudização das contradições e antagonismos, situação essa que poderia desembocar numa guerra imperialista na Região.
De dirigentes seus ouvi repetidamente a afirmação de que está preparado para «todas as eventualidades».
*Colabora com Diálogos do Sul, de Atenas, Grécia, Maio de 2015
 
 
 
 
 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Miguel Urbano Rodrigues

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação