Pesquisar
Pesquisar

Obama agitou as águas políticas na Ucrânia

Paulo Cannabrava Filho

Tradução:

Paulo Cannabrava Filho*

Paulo Cannabrava Filho. Perfil DiálogosNão se cutuca uma onça com vara curta, diz a sabedoria dos povos da floresta. Obama está pensando que pode provocar o urso siberiano impunemente. E o está encurralando. Um pouco de conhecimento da história e do que é a Rússia hoje basta para compreender a importância estratégica do porto e base naval que esse país mantém na Criméia. Por outro lado, a importância estratégica para a União Européia dos ductos que levam gás e petróleo ao exaurido território europeu além de outros produtos básicos.

A Rússia já mostrou do que é capaz em mais de uma guerra
A Rússia já mostrou do que é capaz em mais de uma guerra

A Rússia já mostrou do que é capaz em mais de uma guerra. E a Rússia não estará só em uma conflagração provocada pelo Império, como não estará só o Irã, outra nação alvo das fanfarronadas de Obama. No Irã as ameaças de Obama já se transformaram na piada de moda como se verá na notícia abaixo.
A crise na Ucrânia foi provocada por Obama e Merkel, em uma clara intervenção nos assuntos internos do país chegando ao limite de patrocinar o golpe de Estado. A esse golpe de Estado a mídia servil diz que foi uma revolução,  quando a Rússia se defende, é violação à soberania. Merkel está jogando todas suas cartas para eleger um boxeador para atuar como sua marionete no governo. E Obama promete um bilhão de dólares. Se é que esse dinheiro chega lá, quem é que vai gastar e no que? Que soberania foi violada?
Em uma entrevista à revista The New Republic, o analista político estadunidense Dimitri Simes, admite que o Governo estadunidense influiu no desenvolvimento da crise na Ucrânia ao apoiar a oposição ao presidente legítimo. Simes insiste em que Viktor Yanukóvich era o presidente legitimamente eleito e com uma ampla maioria no Parlamento, enquanto os Estados Unidos e a União Europeia apoiaram as manifestações de protesto.
“Se uma força e uns métodos iguais tivessem sido utilizados contra um Estado amigo dos EUA, seriam qualificados como insurgentes e não como manifestantes”, disse o politólogo que vê a política de Obama como “falar em voz alta agitando um porrete pequeno”. “Fazemos declarações patéticas que ninguém leva a sério”, enfatizou.
Em seguida copiamos alguns informes da agência russa RT/Actualidad que ajudam a compreender o processo já que a mídia ocidental publica unicamente o que pensa os EUA.
* Paulo Cannabrava é jornalista editor de Diálogos do Sul

Mercenários

 

Uns 300 mercenários estrangeiros chegaram à capital ucraniana
Uns 300 mercenários estrangeiros chegaram à capital ucraniana

Uns 300 mercenários estrangeiros chegaram à capital ucraniana, em sua maioria dos Estados Unidos, segundo fonte diplomática militar em Kiev citada pela agência Interfax.
Os mercenários contam com grande experiência em combate, posto que a maioria realizou missões no Iraque, Afeganistão e outros países contratados por empresa privadas que estão terceirando a guerra. É a mesma tática empregada na Síria. Terão fogo para manter tantas frentes abertas?
No dia 22 de fevereiro o Parlamento da Ucrânia destituiu o presidente Yanukóvich, mudou a Constituição e convocou eleições antecipadas para 25 de maio. O sul e o leste da Ucrânia não reconheceram a legitimidade do Governo autoproclamado de Kiev.
Depois que as novas autoridades em Kiev introduziram uma lei para abolir o uso de toda língua diferente da ucraniana, o governo da Crimeia pediu ajuda à Rússia para proteger a população majoritariamente de fala russa da península.
Paralelamente à formação de tropas de autodefesa na península, várias unidades militares ucranianas começaram a jurar lealdade às autoridades da Criméia.

Fanfarronadas de Obama são piada no Irã

Barack Obama é um presidente dos EUA com baixo coeficiente intelectual e sua ameaça de lançar uma ofensiva militar é uma piada constante na república islâmica, afirmou o general Masud Yazayeri, vice-comandante do Estado Maior das Forças Armadas do Irã.
“O inteligente presidente dos EUA, com um baixo coeficiente intelectual, e o secretario de Estado do país, John Kerry, falam da eficácia das “opções que os EUA têm sobre a mesa”, referindo-se ao Irã. Essa frase tem sido parodiada e se converteu em uma piada entre a nação iraniana, especialmente entre os jovens”, disse o general Masud Yazayeri.
A manifestação do general foi em resposta a recente entrevista de Obama para a Bloomberg em que reiterou que seu país não descarta as opções militares contra a república islâmica.
Obama enfatizou que confiava em que Irã “levasse a sério suas declarações” quando visse o deslocamento de 35 mil militares estadunidense na região para participar de exercícios de treinamento constante.
Para o general iraniano estas afirmações podem ser consideradas como a “piada do ano”, e advertiu que se as forças militares estadunidenses atuarem de maneira inapropriada, “a região se convertiré em um inferno para eles”. segundo a agência iraniana Fars.
Fonte: Agência RT/Actualidad


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
ONU
Palestina como membro pleno da ONU: entenda os reflexos da resolução aprovada
Crise-drogas-EUA
EUA culpam cartéis do México por crise de drogas entre estadunidenses
Cartão Vermelho para Donald Trump...