Pesquisar
Pesquisar

Obrador reitera apoio a Castillo e povo do Peru: "OEA faz vista grossa e ONU não intervém"

"Dão razão ao autoritarismo e a resposta é a fabricação de mais delitos inventados contra Castillo", denunciou o presidente do México nesta sexta-feira (24)
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Cidade do México

Tradução:

Na sexta-feira (24), em sua conferência de imprensa matutina, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, reiterou que continuará apoiando o ex mandatário do Peru, Pedro Castillo, e o povo do país.

Ao lhe perguntarem sobre que assuntos tratou na quinta-feira no Palácio Nacional com Lidia Paredes, esposa de Castillo, disse que se trata de uma mulher humilde, excepcional, cheia de sentimentos, que está procurando que não falte nada a ela nem a sua família e que não não abandonará seu companheiro.

Regime fascista de Boluarte coloca em risco não só peruanos, mas toda América Latina

Obrador repetiu que considera uma grande injustiça Castillo ter sido destituído de seu cargo, além de violar a Constituição por parte dos conservadores; tudo é uma mentira.

Desde que foi eleito começaram a fustigá-lo, porque tiveram que aceitar o resultado de que um representante do povo ganhou a presidência, dos mais pobres dos indígenas, e nesse país há muito racismo, classismo e interesses criados.

Lembrou que o Peru é um país com muitos recursos naturais e, por isso, é tão apetecível e há tantas ambições de empresas transnacionais apoiadas por governos estrangeiros. Tem gás, petróleo, ouro, prata, lítio, e ainda exploram os povos, saqueiam suas riquezas, e por isso há muita pobreza, afirmou.

"Dão razão ao autoritarismo e a resposta é a fabricação de mais delitos inventados contra Castillo", denunciou o presidente do México nesta sexta-feira (24)

Prensa Latina
Obrador: "O México vai continuar apoiando o presidente legítimo injusta e ilegalmente substituído"




O papel da OEA

Infelizmente a Organização de Estados Americanos e seu organismo de direitos humanos estão a serviço dos poderosos, quando deveriam estar convocando todos os estados para pedir que o presidente Castillo injustamente preso seja libertado e que lhe seja restituído o cargo, porque foi eleito democraticamente.

Mas fazem vista grossa, dão razão ao autoritarismo e a resposta é a fabricação de mais delitos inventados contra Castillo, com o controle quase absoluto dos meios de comunicação no Peru onde as pessoas ficam sabendo do que acontece pelas redes sociais; e nem a ONU intervém, disse López Obrador.

Insistiu que o México vai continuar apoiando o presidente legítimo injusta e ilegalmente substituído, e vamos continuar dizendo que não pode continuar preso e que é preciso restituir-lhe a presidência.

Disse que a presidenta espúria Dina Boluarte tem 15% de aceitação; 85% dos peruanos a rejeita, mas o Congresso tem ainda menos aceitação, com 90% de rejeição. E ainda assim eles mandam com as baionetas e a repressão, com a força, e já há mais de 60 assassinados.

Após destituição de Castillo, Governo de Boluarte mata mais de 1 peruano por dia

Nas pesquisas, a maioria dos peruanos pede que sejam convocadas de imediato eleições, que seja o povo que decida, e é a maioria de 80%, mas os golpistas querem ficar até 2026.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
GSsXOjIXgAA0ChY
Gustavo Petro assina reforma da previdência para melhorar condições dos idosos na Colômbia
000_346Y7KJ
Eleição na Venezuela: chavismo aposta na mobilização social; oposição se anima com pesquisas eleitorais
20140517por-ramiro-furquim-6030
O que explica a baixa participação nas eleições primárias no Uruguai?