Pesquisar
Pesquisar

Observadores internacionais são assediados por acompanhar referendo na Ucrânia

Até o momento, três profissionais estão sendo perseguidos; governo ucraniano pede sanções às pessoas que acompanham o processo de votação
Vanessa Martina-Silva
Diálogos do Sul
Moscou

Tradução:

Um jornalista alemão corre o risco de ser preso, outro, que prefere ter a nacionalidade preservada, pode perder o emprego no importante veículo em que trabalha e uma repórter holandesa foi praticamente banida de seu país e entrou na lista de pessoas “caçadas” pelo governo ucraniano.

Essa é a situação de alguns dos observadores internacionais que estão visitando centros eleitorais durante o referendo sobre a incorporação – ou não – de territórios na Ucrânia à Rússia.

Em 2014, as regiões de Donetsk e Lugansk decidiram se tornar independentes de Kiev e se autoproclamaram repúblicas populares, o que não foi reconhecido pelo poder central ucraniano e, desde então, uma guerra civil assola o país.

Ignorando críticas internacionais, mais de 40% já votaram em Donetsk e Lugansk

Após o incremento do conflito com a operação levada a cabo pela Rússia para desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia, Donetsk, Lugansk e também as regiões de Kherson e Zaporíjia decidiram realizar um referendo para consultar a população sobre o desejo de se incorporar – ou não – à Federação Russa. A consulta, que ocorre desde a última sexta-feira (23), termina na próxima terça (27).

Perseguição

Stefan Schaller é gerente da companhia Energie Waldeck-Frankenberg GmbH, uma pequena empresa alemã, e hoje trabalha mais com jornalismo. Esteve na Rússia para fazer parte da delegação de observadores eleitorais e acabou sendo convocado pela Alemanha para se reportar à polícia.

De acordo com informações, ele recebeu um e-mail informando a demissão. Além disso, se voltar à Alemanha poderá enfrentar três anos de prisão. Mas qual o crime que ele teria cometido, perguntamos à jornalista Sonja Van der Ende, que mora na Rússia há seis meses, também ela perseguida na Europa: “ele esteve em Donbass [região que engloba Donetsk e Lugansk] e todos que visitam esta região não são criminosos de guerra, mas inimigos do Estado” na Europa.

Sonja esteve em Donbass não apenas uma, mas nove vezes acompanhando as ações militares russas, totalizando um período de aproximadamente dois meses. Seu crime foi, em suas palavras, “fazer algo não permitido pelo governo europeu e holandês, porque a Rússia é considerada inimiga”. 

Ela avalia que a liberdade de expressão e de imprensa está prejudicada na Europa. Quando ela contou que muitas pessoas em Donbass foram mortas por milícias neo-nazistas, realmente foi assim. Ela esteve em uma fábrica de aço e viu como milícias ucranianas portavam broches com o símbolo nazista SS, além do livro Mein Kampf, escrito por ninguém menos que Hitler. Porém, “na Europa eles dizem que não é verdade. Tem muita gente boa ajudando o povo ucraniano, mas estão matando a população de Donbass”.

Sanções, Ucrânia, guerra às drogas e mais: veja discursos de líderes latino-americanos na ONU

Outro jornalista, que prefere ter sua nacionalidade preservada, foi demitido do jornal em que trabalha, o maior em sua região, porque concedeu entrevista opinando sobre o referendo. A embaixada russa em seu país repercutiu a declaração e a ucraniana pediu sua demissão.

Até o momento, três profissionais estão sendo perseguidos; governo ucraniano pede sanções às pessoas que acompanham o processo de votação

Jornalista Sonja Van der Ende no memorial das Vítimas do neonazismo ucraniano


Assédio

Em alinhamento com a comunidade internacional que não reconhece o direito da população russa na Ucrânia decidir seu futuro, meios de comunicação hegemônicos começaram um verdadeiro assédio contra os observadores internacionais.

O jornal italiano Coriere de la Siera publicou uma matéria em tom bastante enfático contra os observadores, chamando o processo de “farsa” e destacando a presença de 13 italianos. 

O comissário de direitos humanos da Ucrânia, Dmitry Lubinets, pediu ao serviço de segurança de 20 países que imponha sanções a 39 observadores internacionais do referendo. 

Ele pediu que observadores estrangeiros que cruzaram “ilegalmente” a fronteira sejam considerados personas-non gratas na Ucrânia e “outros países democráticos”.

Esse tipo de ação é bem conhecida no país e tem por objetivo promover desestabilização psicológica.

Vanessa Martina Silva, jornalista, editora da Diálogos do Sul e Observadora Internacional dos referendos de Lugansk, desde Sharti, Rostov do Dom, Rússia.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Vanessa Martina-Silva Trabalha há mais de dez anos com produção diária de conteúdo, sendo sete para portais na internet e um em comunicação corporativa, além de frilas para revistas. Vem construindo carreira em veículos independentes, por acreditar na função social do jornalismo e no seu papel transformador, em contraposição à notícia-mercadoria. Fez coberturas internacionais, incluindo: Primárias na Argentina (2011), pós-golpe no Paraguai (2012), Eleições na Venezuela (com Hugo Chávez (2012) e Nicolás Maduro (2013)); implementação da Lei de Meios na Argentina (2012); eleições argentinas no primeiro e segundo turnos (2015).

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes