Pesquisar
Pesquisar

Oclae fecha parceria com Diálogos do Sul para visibilizar luta pela educação na América Latina

Entidade estudantil foi criada por Fidel Castro durante a Revolução Cubana e hoje ocupa importantes espaços internacionais em fóruns como ONU e Unesco
Redação Oclae
Oclae
Havana

Tradução:

A histórica luta do movimento estudantil na América Latina é uma referência mundial por sua capacidade de mobilização e transformação política. A Organização Continental Latino-Americana e Caribenha de Estudantes (Oclae) acomoda, de forma articulada, as diferentes realidades educacionais dos países da região há quase 57 anos.  

Continua após o banner

Como plataforma regional de articulação política do movimento estudantil, a entidade atua em defesa do direito à educação pública, gratuita, de qualidade, com caráter anti-imperialista e solidário.  

A Oclae nasceu durante o processo da Revolução Cubana, vislumbrada pelo Comandante-em-Chefe Fidel Castro Ruz. Assim, compreendendo o papel revolucionário da juventude e do movimento estudantil, a entidade teve, desde o início, caráter anti-imperialista.  

Embalados pelo triunfo da revolução cubana, meses antes, em setembro de 1959, ocorreram importantes espaços que antecederam o nascimento da organização, como o III Congreso Latino-Americano de Estudantes (Clae). Finalmente, em agosto de 1966, Havana acolheu o IV Clae, consolidando as lutas por direitos estudantis na América Latina com a fundação da OCLAE.  


Representatividade e anti-imperialismo 

Unidade, educação, anti-imperialismo, paz, soberania e independência foram as lutas que desenharam os princípios da entidade. Ainda hoje essas bandeiras se demonstram válidas para garantir direitos reais para os estudantes da América Latina e Caribe

São praticamente 57 anos de lutas que agregam 36 organizações membros de vários países latino-americanos e caribenhos. Mais de 100 milhões de jovens estudantes de todos os movimentos, desde ensino médio, graduação e pós-graduação.  

Sobre a Oclae, podemos dizer que agregados nessas cinco letras estão os sonhos de milhares de estudantes que buscam construir uma nova realidade para seus países. Desde sua criação, a unidade estudantil se manteve fiel na missão anti-imperialista e de solidariedade internacional.

Entidade estudantil foi criada por Fidel Castro durante a Revolução Cubana e hoje ocupa importantes espaços internacionais em fóruns como ONU e Unesco

Montagem
Toda semana, um movimento estudantil irá ocupar este espaço como forma de visibilizar a realidade de suas lutas




Mártir da educação 

Infelizmente, na América Latina e no Caribe, a luta estudantil também é marcada por cenas de violência e dolorosas perdas, como o caso do estudante mártir da Oclae: José Rafael Varona Fefel.  

Poucos meses após a constituição da entidade, o jovem estudante foi vítima da hostilidade imperialista em solo vietnamita, onde cumpria sua missão de solidariedade como integrante da Secretaria Permanente eleita após o IV CLAE.  

Sua perda chocou a comunidade estudantil, não apenas na América Latina e no Caribe, mas também na Ásia. Anos depois, ele seria resgatado pela memória histórica como o mártir da Oclae. 


Internacionalismo comprometido 

Durante mais de cinco décadas, a entidade acompanhou a luta dos povos da região perante as constantes ameaças neoliberais. A Oclae reafirma esse compromisso e se propõe a continuar consolidando a unidade a partir do pensamento fidelista, guevarista e latino-americanista de José Martí e Simón Bolívar. 

Continua após o banner

A entidade cumpre também um papel fundamental de internacionalismo e participação em espaços internacionais. A diplomacia de base do tema estudantil encontra-se em um momento determinante com o avanço de novos desafios, como a relação entre a qualidade da educação e os avanços tecnológicos.  

O assento consultivo que a Oclae tem em instituições como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Instituto Internacional de Educação Superior da Unesco para a América Latina e o Caribe (IESALC) e o Conselho Econômico e Social (Ecosoc) da ONU demostra sua destacada atuação em organizações internacionais. 


Parceria e visibilidade 

Compreendendo a necessidade de comunicar a luta estudantil, inauguramos esta coluna da Oclae na Revista Diálogos do Sul, espaço comprometido com as lutas da América Latina e do Caribe. Toda semana, um movimento estudantil irá ocupar este espaço como forma de visibilizar a realidade de suas lutas.  

A Oclae  segue no esforço para derrotar as influências hegemônicas na região, mantendo o espírito anti-imperialista e garantindo a diversidade e pluralidade de filiações, tendências políticas e critérios das federações que congrega.  

Somente a unidade levará à consecução dos objetivos da Oclae: a defesa da autonomia universitária, da liberdade, da pluralidade da academia, da educação pública, promovendo e desenvolvendo a solidariedade efetiva dos estudantes em sua luta contra o imperialismo.

Redação | Oclae, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Oclae

LEIA tAMBÉM

mapuche-carabineros
2 anos de estado de exceção na terra mapuche: "É muito chocante. Nos tratam como terroristas"
Macron - Nova Caledônia3
Revolta na Nova Caledônia: por que França tentou golpe e insiste em controlar arquipélago?
Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado