Pesquisar
Pesquisar

Oliver Stone: "Eu sinto falta de Chávez e seu espírito"

Cinemateca Diálogos do Sul

Tradução:

Oliver-Stone-y-Hugo-Chavez-635-580x326O documentário “Meu amigo Hugo”, o cineasta Oliver Stone EUA, terá sua estréia mundial através do canal Telesur multistate de um ano da morte do líder bolivariano, na quarta-feira 5 março.

Stone disse em uma entrevista com o referido canal, que viajou para a Venezuela para conhecer e conversar com as pessoas que estavam perto de Chávez sobre sua vida e durante sua carreira política.

Ele disse que o falecido líder tinha “um belo espírito de serviço ao seu povo e era algo que eu podia sentir a partir do dia em que o conheci.”

“Eu sinto falta, Hugo Chávez, espírito estranho e presença. Quando (Chávez), ele entrou em uma sala, ele sabia que o patrão estava lá “, acrescentou.

Stone disse que por um tempo foi “muito preocupado de que havia um culto à personalidade” de Chávez depois de sua morte, de modo que ele estava “muito surpreso” o fato de que “mesmo se toda a pessoa que você perca, ter ido em frente, independentemente “.

“Estou cheio de otimismo, porque (o presidente Nicolas) Maduro, Elias Jaua e ministros (…) são todos pessoas muito fortes”, acrescentou.

Ele ressaltou que “Meu amigo Hugo” olhando espetáculo “amor, camaradagem e quanto ele (Chávez) como seu povo estranho, mostrando minha afeição.”

Na entrevista, Stone também relatou sua experiência durante as filmagens do documentário “The Untold Story of the United States” e “Commander”.

O documentário “Meu amigo Hugo” será lançado quarta-feira pela Telesur às 9:00 pm, Venezuela.

(Com informações da Telesur)


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Cinemateca Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei