Pesquisar
Pesquisar

OMS deixa de reconhecer transexualidade como doença; condição passa a constar como "direito"

Presidenta da ABGLT, Symmy Larrat ressalta que a única patologia que ainda existe "é o preconceito da sociedade"; mudança é fruto das mobilizações de ativistas trans em todo o mundo
Marcelo Hailer
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Entrou em vigor, no último sábado (1º), a nova edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID 11), documento referendado pela Organização Mundial da Saúde e que é utilizado como referência e diagnósticos para doenças.

A nova edição do documento coloca em prática uma decisão acolhida em 2019: a transexualidade deixa de figurar na categoria de transtornos mentais e passa a constar no setor de direito à saúde, assim como a gravidez e a velhice.

As discussões que levaram à retirada da transexualidade da categoria de patologias se deram entre os anos 2018 e 2019 e foram frutos da mobilização do movimento trans ao redor do mundo.

Presidenta da ABGLT, Symmy Larrat ressalta que a única patologia que ainda existe "é o preconceito da sociedade"; mudança é fruto das mobilizações de ativistas trans em todo o mundo

Febrasgo
As discussões que levaram à retirada da transexualidade da categoria de patologias se deram entre os anos 2018 e 2019

Preconceito: a doença social

Em entrevista à Fórum, a presidenta da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) Symmy Larrat afirma que o CID 11 reforça aquilo que elas, movimento de travestis e transexuais, declaram há tempos: “o preconceito é que adoece as pessoas transexuais”.

Brasil lidera mortes por homofobia nas Américas e é líder global em assassinato de pessoas trans

“Quando isso [transexualidade] sai dessa categoria [Transtornos Mentais], reforça o que nós dizemos: o preconceito com essas pessoas é que as adoece. [A revisão do CID] nos coloca como indivíduas/os que merecem ser respeitadas por serem quem são”, afirma Symmy Larrat.

Além disso, Symmy Larrat explica a permanência da transexualidade no CID 11 e afirma que agora ela figura na categoria de cuidados de saúde.

“Ela [transexualidade] precisa de alguns medicamentos, algumas cirurgias, ela precisa de alguns cuidados no âmbito médico. Nós queremos fazer as nossas readequações, nós queremos fazer nossas cirurgias, nós queremos fazer os nossos tratamentos que, no Brasil são previstos no processo transexualizador, e nós queremos que isso conste como um cuidado de saúde, um cuidado que é um direito. É nesse ponto que ajuda as pessoas trans. Porque diz que elas não são doentes, mas que elas precisam de cuidados pela sua condição, pela sua identidade, pelo entendimento de sua existência”, explica.

Todavia, Larrat afirma que ainda é necessário muita organização e luta política para que o direito à Saúde e de acesso ao processo transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS) das pessoas transgêneras seja ampliado.

“Nós não precisamos ser doentes para ter acesso aos cuidados de saúde específicos. Isso é um direito. [Mas] isso requer muita luta, que a gente continue se organizando no sentido de garantir a ampliação do processo transexualizador no Brasil como direito e não como pessoas adoecidas”, finaliza Symmy Larrat.

Marcelo Hailer, Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP)


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Marcelo Hailer

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda