Pesquisar
Pesquisar

Onde estão os petroleiros? Onde estão as centrais operárias?

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

1743519_872622129422694_5927483082075496097_nOs petroleiros haviam anunciado que não permitiriam a alienação do Pré-Sal.

A CUT e outras centrais tinham anunciado que iriam à greve geral em defesa da democracia e da Petrobras. O que aconteceu?
Depuseram uma presidenta da República violando direitos constitucionais e nada acontece?
Venderam. Venderam não. Deram por 2.5 bilhões de dólares, preço de banana, à estatal norueguesa Statoil uma das jazidas mais produtivas da Bacia de Santos, e os petroleiros não se manifestam…
Concretamente venderam 66% do bloco BM-S-8, conhecido como Carcará, descobertas em 2012, consideradas as jóias da coroa da Petrobras. Isso em conjuntura em que os preços do petróleo estão artificialmente desvalorizado, o mercado mundial em crise e a imagem da Petrobras desgastada pela campanha mediática. Isso quando a Petrobras informa ter alcançado em tempo recorde a produção de um milhão de barris/dia na Bacia de Campos, com muito menos petróleo que o descoberto na bacia de Santos.
Isso é crime de lesa pátria. É preciso se insurgir contra os vendilhões da pátria em defesa da soberania e das riquezas nacionais. É hora de ocupar as ruas por uma boa e verdadeira causa.
 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei