Pesquisar
Pesquisar

ONU: Caminho difícil à paz na Colômbia

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Missão da ONU expressou sua preocupação com o processo de reincorporação de ex guerrilheiros: 55% dos membros da FARC abandonaram as zonas de reincorporação.

Jean Arnault, chefe da missão da ONU para a reincorporação.
Jean Arnault, chefe da missão da ONU para a reincorporação.

Jean Arnault, chefe da missão da ONU para a reincorporação apresentou um balanço com cifras alarmantes sobre o processo em andamento com os integrantes da guerrilha da FARC para a transição para a sociedade civil. Arnault disse que apenas 45% dos ex combatentes nas zonas de reincorporação e que ainda não existe um plano para a reincorporação.
Fenômenos que para Arnault “não se pode esconder” sobretudo tomando-se em conta que em maio deste ano eram oito mil os guerrilheiros que estavam nas zonas de veredas, nas quais atualmente há menos de cinco mil. Acrescentou que apesar de terem razões para sair desses lugares, seja por motivos pessoais e familiares, a realidade é que o motivo crucial tem sido a falta de credibilidade no governo.
O chefe da Missão da ONU deixou claro que um dos principais problemas que afetam as pessoas que estão se reincorporando à vida civil, é que não existe uma atualização na base de dados da Força Pública, razão pela qual ainda estão detidos, não podem acessar o sistema bancário ou assinar contratos com o Estado.
<
p style=”padding-left: 30px;”>Os projetos produtivos
Um dos mais importantes desafios a ser enfrentado pelo governo tem a ver com os processos produtivos nos diferentes espaços territoriais de capacitação. Não obstante, de acordo com Arnault, tais projetos estão sendo realizados com sucesso em 10 das 26 zonas e, especificamente, pela colaboração havida entre integrantes da FARC e o apoio de universidades.
O chefe da Missão de reincorporação dirigiu um apelo ao governo para que aumente seus esforços para que não fracasse o processo, para que não se repita um fenômeno como o que ocorreu com as desmobilizações dos paramilitares, quando as pessoas foram para as economias ilegais, motivo pelo qual manifestou que o acesso à terra deve ser prioridade.

O medo é que impulsiona a saída

55% dos membros da FARC abandonaram as zonas de reincorporação.
55% dos membros da FARC abandonaram as zonas de reincorporação.

Segundo ex guerrilheiros, membros da FARC, que saíram dos espaços territoriais o fizeram por temer por suas vidas.
Arnault acrescentou que as expectativas frustradas por muito tempo originaram desilusão o que levou os reincorporados a abandonar os espaços territoriais. Informou que os Espaços Territoriais de Gallo, em Córdoba, e Policarpa, em Nariño foram abandonados e seus ocupantes foram para outras regiões, e reiterou que o grande problema para o êxito da implementação dos acordo é o acesso à terra.
 
*Original de Resumen Latinoamericano
 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei