Pesquisar
Pesquisar

ONU denuncia racismo no Brasil após assassinato de Beto Freitas no Carrefour

A organização convida todos os integrantes do gigante sul-americano a participarem ativamente da construção de uma sociedade igualitária e livre de racismo
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Brasília (DF)

Tradução:

A representação das Nações Unidas no Brasil denunciou as dimensões do racismo que prevalecem hoje no país, após a morte do negro João Alberto Silveira Freitas, que foi espancado até a morte por dois seguranças brancos.
Análises iniciais garantem que, devido ao espancamento de cinco minutos, Silveira Freitas morreu sufocado na noite de quinta-feira em um supermercado do Carrefour em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.

Uma testemunha registrou o ataque em um celular e as imagens aparecem nas redes sociais. Os dois agressores, um de 24 e outro de 30, foram presos no local.

Em nota pública, a ONU expressa solidariedade à família de Silveira Freitas.

A organização garante que “a morte violenta do homem, às vésperas da data em que se comemora o Dia da Consciência Negra (20 de novembro) no Brasil, é um ato que evidencia as várias dimensões do racismo e das desigualdades existentes no Brasil, a estrutura social brasileira”.

E ressalta ainda que “dados oficiais indicam que, a cada 100 homicídios no país, 75 são de negros”.

Insiste em que o debate sobre a eliminação do racismo e da discriminação é, portanto, “urgente e necessário, e que dele participe todo e qualquer agente da sociedade, inclusive o setor privado”.

A organização convida todos os integrantes do gigante sul-americano a participarem ativamente da construção de uma sociedade igualitária e livre de racismo

Reprodução
Análises iniciais garantem que, devido ao espancamento de cinco minutos, Silveira Freitas morreu sufocado.

No comunicado, o organismo internacional apela “às autoridades brasileiras” para que garantam uma investigação completa e rápida do caso, e que haja “punição adequada aos responsáveis”, “reparação integral à família da vítima” e “adoção de medidas para evitar que situações semelhantes voltem a acontecer”.

A ONU Brasil convida todos os integrantes do gigante sul-americano a participarem ativamente da construção de uma sociedade igualitária e livre de racismo. “A vida dos negros é importante e não pode ser deixada para trás”, destaca.

O crime de Silveira Freitas, às vésperas do Dia Nacional da Consciência Negra, gerou protestos em várias cidades.

Segundo Roberta Bertoldo, do segundo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa de Porto Alegre, os dois agentes de segurança do mercado serão acusados de triplo homicídio, por motivos inúteis e por não darem oportunidade à vítima de se defender.

Neste sábado, o soldador de 40 anos foi enterrado em uma breve cerimônia e uma bandeira azul de seu clube de futebol favorito, o São José, foi estendida sobre seu caixão.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil