Pesquisar
Pesquisar

ONU diz que combater desigualdade de gênero é prioridade dentro e fora da organização

Devemos reafirmar o compromisso coletivo e empreender ações diante da pouca presença de mulheres nas mais altas esferas de poder
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Cidade do México

Tradução:

A presidenta da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa, afirmou hoje que fazer avançar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres deve ser prioridade tanto dentro como fora do organismo multilateral.

O empoderamento das mulheres permitirá construir um mundo mais justo e melhor para todos, pois se trata de que a metade da população mundial não fique para trás, disse em um evento informal de alto nível sobre o tema.

Não podemos aceitar que falte mais de um século para fechar a brecha de gênero e 200 anos para alcançar a paridade econômica, sublinhou a quarta mulher e a primeira latino-americana a encabeçar a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Devemos reafirmar o compromisso coletivo e empreender ações diante da pouca presença de mulheres nas mais altas esferas de poder

Nações Unidas
María Fernanda Espinosa, presidenta da Assembléia Geral da ONU

Assinalou que devemos reafirmar o compromisso coletivo com a igualdade de gênero e empreender ações diante da pouca presença de mulheres nas mais altas esferas de poder.

Recordou o chamado à ação lançado aqui na ONU em março deste ano que estabeleceu várias prioridades: são medidas para lutar contra a violência política à mulher, garantir a sua participação econômica e a criação de um entorno propício para que possa desempenhar-se em todas as esferas da sociedade.

Desde que assumi este cargo, recalcou a diplomata equatoriana, tenho trabalhado para promover a liderança da mulher em todas as atividades da Assembleia Geral.

Por sua parte, o diplomata nigeriano Tijani Muhammad-Bande, que assumirá a presidência deste organismo na próxima semana, comprometeu-se a ser “um campeão de gênero”.

Assegurou que a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres é um assunto fundamental que não pode ser perdido de vista.

No 74º período de sessões da Assembleia Geral vamos a continuar com esses esforços, sobretudo quando em 2020 serão celebrados os 10 anos da ONU Mulheres e os 25 anos da Plataforma de Ação de Beijing. 

A diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, destacou que o próximo ano será muito simbólico por essas duas datas tão importantes. 

Temos muito por fazer e devemos aproveitar todas as sinergias que existem com o fim de aumentar a representação da mulher nos diferentes âmbitos da ONU, por exemplo, na sua equipe de direção. 

Para Mlambo-Ngcuka, abordar a desigualdade de gênero se trata, em primeira instância, de reparar problemas que foram gerados pelos homens.

*Correspondente de Prensa Latina nas Nações Unidas

**Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Ver também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda