Pesquisar
Pesquisar

ONU vê risco de genocídio indígena e Brasil pode ser alvo de sanções e bloqueios econômicos internacionais

Pela primeira vez o país foi citado no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas por crimes sistêmicos cometidos contra indígenas e povos tradicionais
Redação Desacato
Desacato
Florianóolis (SC)

Tradução:

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas alertou o Brasil por conta de crimes contra populações indígenas. É a primeira vez que o país é apontado pela ONU por “risco de genocídio” indígena.

“Peço aos governos que protejam as comunidades em risco e garantam a responsabilização pelos crimes cometidos”, disse a conselheira especial da ONU para prevenção de genocídio, Alice Wairimu Nderitu.

Alice apresentou seu relatório durante reunião do conselho na ONU, e deixou o governo Bolsonaro oficialmente comunicado do descaso com os povos tradicionais no Brasil e o genocídio indígena. 
Pela primeira vez o país foi citado no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas por crimes sistêmicos cometidos contra indígenas e povos tradicionais

Reprodução: Flickr
Governos não tem protegido as comunidades em risco e garantido a responsabilização pelos crimes cometidos

A citação inédita também implica em reforço à denúncia contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional (TPI). A denúncia de novembro de 2019 aponta que o presidente incita violência contra povos indígenas e tradicionais, além de ter enfraquecido fiscalizações e se omitido diante de crimes ambientais na Amazônia.

Tribunal internacional

Além dos possíveis crimes relacionados à violação de direitos dos povos tradicionais, também tramita no TPI outra acusação de crime contra a humanidade cometido por Bolsonaro. Desta vez, por ter negligenciado a pandemia de covid-19 e estimulado a população ao contágio do vírus mortal. Sobre isso, pesam contra ele estudos que apontam para sua responsabilidade direta em mortes, além de investigações da CPI da Covid.

Agora, o país precisa reverter a mancha na imagem internacional, sob risco de penalizações cabíveis em âmbito internacional, como bloqueios econômicos. “É um alerta técnico e duro. Se o Brasil não reverter o quadro de atrocidades, reforça as alegações já analisadas no TPI. Enseja o envio de novas alegações; e fica exposto a outros mecanismos de responsabilização internacional”, aponta o assessor do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Paulo Lugon Arantes.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Desacato

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel