Pesquisar
Pesquisar

Oposição vence eleição em Barinas, na Venezuela: pleito transparente, diz vencedor

É a primeira vez desde a revolução bolivariana que estado, terra natal de Hugo Chávez, não é governado pelo chavismo; Jorge Arreaza reconheceu vitória da MUD
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Caracas

Tradução:

A eleição do opositor Sergio Garrido como governador do estado de Barinas encerrou hoje a distribuição do mapa político da Venezuela, dominado por forças vinculadas ao governo bolivariano liderado por Nicolás Maduro

Segundo o primeiro boletim divulgado pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), o candidato da Mesa da Unidade Democrática (MUD) dominou as eleições de domingo (10) na região Oeste com 55,36% dos votos.

Com uma transmissão de 97,40% dos registros apurados, o porta-estandarte do MUD recebeu o apoio de 172.497 eleitores, para superar o candidato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), Jorge Arreaza, credor de 128.583 cédulas, equivalente a 41,27 pontos percentuais.

Em declarações à imprensa, o governador eleito reconheceu o trabalho institucional realizado pelas autoridades eleitorais e pelas Forças Armadas Nacionais Bolivarianas para garantir o bom desenvolvimento do processo.

assista na tv diálogos do sul

Garrido afirmou que se tratou de um evento transparente e em nenhum momento foi convocado um confronto, mas sim uma participação pacífica e democrática, noticiou a Rádio União em seu site.

É a primeira vez desde a revolução bolivariana que estado, terra natal de Hugo Chávez, não é governado pelo chavismo; Jorge Arreaza reconheceu vitória da MUD

PRENSA LATINA
Sergio Garrido foi eleito novo governador de Barinas

Reconhecimento da derrota

Pouco antes de serem anunciados os primeiros resultados oficiais, o candidato do PSUV e dos demais partidos do Grande Pólo Patriótico reconheceu a vitória da oposição no dia das eleições de domingo.

Em mensagem publicada em sua conta na rede social no Twitter, Arreaza indicou que o objetivo proposto de conquistar o governo não foi alcançado, apesar de registrar um aumento de votos em relação aos obtidos por forças vinculadas ao Executivo bolivariano em 21 de novembro.

Venezuela: Depois das eleições, direita que quis colocar fogo no país ficou sem argumentos

“Agradeço calorosamente à nossa militância heroica. Continuaremos a proteger o povo barinês”, sublinhou o porta-estandarte socialista.

“Neste momento continuamos a analisar a nossa adesão. Amanhã daremos o equilíbrio necessário. Obrigado por tanta dedicação”, sublinhou Arreaza na plataforma de comunicação.

Nas eleições regionais e municipais de 21 de novembro, o PSUV e seus aliados do Grande Polo Patriótico conquistaram o controle de 19 governadorias e mais de 60% das prefeituras, incluindo Caracas, para se ratificarem como a principal força política do país.

Da mesma forma, Barinas passou a fazer parte dos estados governados pela oposição, junto com Zulia, Nueva Esparta e Cojedes.

O ato eleitoral deste domingo ocorreu após a decisão do Supremo Tribunal de Justiça de anular o resultado para o cargo de governador emanado das urnas de novembro, quando foram registradas irregularidades no processo.

Redação Prensa Latina

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei