Pesquisar
Pesquisar

Ordem da cúpula do poder é manter imprensa silenciada para impedir protestos contra abusos no meio político

Hoje, a consigna é garantir que o povo seja silenciado, impedindo qualquer forma de exercício cidadão
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

A máquina política nos pegou fora de forma, desatualizados e desprevenidos.

Convencidos de que as liberdades cidadãs estavam gravadas em pedra e eram inamovíveis, demos por sentado o gozo desse status ideal. Quase sem sentir, pouco a pouco foi vindo o desenvolvimento – sem pausas – de uma ideologia divorciada dos fundamentos da democracia, com os falsos ornamentos do bem-estar econômico e a reformulação dos entes políticos e econômicos para a concentração quase absoluta do poder, com tudo o que isso significa em perda de direitos. 


Há que reconhecer que a estratégia é brilhante, tanto é assim, que aqueles partidos políticos de esquerda, tão poderosos em meados do século passado, foram paulatinamente se transformando em clubes sociais onde se joga o jogo da direita; embora não ao extremo de perder toda a identidade, mas o suficiente para não alterar o marco hegemônico do sistema neoliberal. Este sistema, que amarra com seus recursos os países dependentes, graças a organismos financeiros especialistas na arte da negociação arteira e condicionam inclusive suas políticas públicas, dirige os governos durante décadas a partir do anonimato corporativo.

O problema é a mudança solapada da polaridade. O povo já não manda em nossos países. De fato, os governantes de extrema-direita declararam guerra à cidadania e, com luxo de força e fazendo caso omisso de seus mandatos constitucionais, proíbem a população de manifestar seu descontentamento pelos atos de seus governantes. Para isso contam com a potência de seus exército e seus corpos policiais treinados a fundo e com equipamento bélico, enviados para apagar de uma vez e para sempre o fogo do protesto cidadão, deixando muito claro quais são as regras. Nessa contenda desigual, a juventude resulta duplamente sacrificado em prol de uma nova ordem de coisas, em que agir em consciência é um delito penado pela lei. 

Hoje, a consigna é garantir que o povo seja silenciado, impedindo qualquer forma de exercício cidadão

Reprodução
Hoje a consigna, a partir da cúpula do poder, é esmagar o povo.

Neste cenário de retrocessos, outras das liberdades sob a bota é a da imprensa. A maior parte dos meios de comunicação de massa, aqueles de caráter empresarial cujos interesses se encontram estreitamente vinculados aos poderes político e econômico, se calam diante dos abusos e se dobram diante das pressões do status quo ao qual pertencem. Esse silêncio obriga muitos jornalistas éticos a abandonar as grandes redações para conformar seus próprios espaços de comunicação alternativa, assumindo o risco de trabalhar sob pressão das ameaças, da perseguição e das tentativas de tirá-los de circulação por meios violentos. No nosso continente, a cifra de repórteres assassinados por seu trabalho é de terror. 

 Hoje, a consigna da cúpula de poder é manter o povo silenciado, impedindo qualquer forma de exercício cidadão e blindar os centros de poder com a cumplicidade de seus aliados na imprensa, nas instituições religiosas e nas organizações empresariais. Ao mesmo tempo, se alinham os canais oficiais para limitar o acesso às fontes de informação. Desse modo, fecham espaços com o propósito de conservar um âmbito hermético onde qualquer ato de corrupção goze de impunidade garantida e seja fácil cooptar os entes institucionais. O panorama nos demonstra que nossos países nunca serão livres enquanto suas instituições políticas – os partidos, verdadeira cozinha de democracia – sejam o laboratório onde se cometem os piores atos de corrupção, discriminação e abuso, com o único fim de impedir a participação do povo nos assuntos de sua competência.

Hoje a consigna, a partir da cúpula do poder, é esmagar o povo.

*Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel