Pesquisar
Pesquisar

“Pacote anticrime” de Moro é genocídio contra povo negro, denuncia Preta Ferreira

Cantora tem denunciado racismo presente na seletividade penal; após 109 dias presa, ela foi libertada sem que nenhuma prova fosse apresentada contra ela
Vanessa Martina-Silva
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

“O judiciário brasileiro é seletivo. Essa seletividade eu chamo de racismo”. A declaração é de Janice Ferreira Silva, a Preta Ferreira, atriz, cantora, produtora cultural e militante do Movimento Sem Teto do Centro (MSTC), que atua na cidade de São Paulo.

Preta ganhou destaque nas redes sociais nos últimos dias por um episódio racista protagonizado pela empresa Gol Linhas Aéreas. Na ocasião, a companhia não deixou que ela embarcasse porque o nome dela não correspondia ao que constava no cartão da pessoa que emitiu a passagem. 

A militante por moradia, no entanto, é conhecida nacionalmente por um episódio ainda pior de racismo. Em em junho de 2019, Preta Ferreira, Angélica dos Santos Lima, Sidney Ferreira Silva e Ednalva Silva Franco foram detidos. 

Cantora tem denunciado racismo presente na seletividade penal; após 109 dias presa, ela foi libertada sem que nenhuma prova fosse apresentada contra ela

Reprodução: Twitter
Preta Ferreira é cantora, atriz, produtora cultural e militante do movimento de moradia em São Paulo

A acusação era de envolvimento com a ocupação do edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo Paissandu. O prédio desabou em 2018 deixando sete mortos. Todos negam qualquer vinculação com o Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM), que organizava a ocupação do prédio à época.

Preta Ferreira ficou detida, sem qualquer apresentação de provas contra ela, por 109 dias. Além da prisão política, ela denuncia também o caráter racista da ação contra ela e o povo negro brasileiro.  

“Um país que não dá condições para seu povo acaba transformando-os em moradores de presídios, jogados em ‘navios negreiros’.”

Outra crítica contundente de Ferreira é quanto ao “Pacote Anticrime”, que tem a autoria atribuída ao ex-juiz e hoje ministro de Jair Bolsonaro Sergio Moro: “É um genocídio declarado”, diz. 

A medida amplia o tempo de cumprimento de penas, restringe o direito à defesa e, na visão de muitos, vai ampliar as prisões em massa no país. 

Confira a íntegra:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Vanessa Martina-Silva Trabalha há mais de dez anos com produção diária de conteúdo, sendo sete para portais na internet e um em comunicação corporativa, além de frilas para revistas. Vem construindo carreira em veículos independentes, por acreditar na função social do jornalismo e no seu papel transformador, em contraposição à notícia-mercadoria. Fez coberturas internacionais, incluindo: Primárias na Argentina (2011), pós-golpe no Paraguai (2012), Eleições na Venezuela (com Hugo Chávez (2012) e Nicolás Maduro (2013)); implementação da Lei de Meios na Argentina (2012); eleições argentinas no primeiro e segundo turnos (2015).

LEIA tAMBÉM

Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina