Pesquisar
Pesquisar

Países africanos estão usando tecnologia para produzir milho e reduzir fome gerada por mudanças climáticas

O desenvolvimento bem-sucedido de variedades de milho adaptadas ao clima para a África subsaariana foi liderado por dois centros do Conselho de Pesquisa Agrícola Internacional
Martin Kropff
IPS
Ibadan

Tradução:

Os pequenos agricultores africanos não têm escolha a não ser se adaptar às mudanças climáticas: 2020 foi o segundo ano mais quente já registrado, enquanto secas prolongadas e enchentes explosivas ameaçam diretamente a subsistência de milhões .

Na década de 2030, a falta de chuvas e o aumento das temperaturas podem tornar 40% da área de cultivo de milho da África inadequada para variedades vulneráveis ao clima, enquanto o milho continua sendo o alimento básico preferido e acessível para milhões de africanos que sobrevivem com menos que alguns dólares de renda por dia.

Leia também
Com pragas e mudanças climáticas, leste da África sofre com nova crise alimentar

Os agricultores de todo o continente entendem que a crise climática está afetando suas colheitas e seu pão de cada dia. Na África subsaariana, um número crescente de pessoas apresenta desnutrição crônica, com mais de 21% da população sofrendo de insegurança alimentar grave.

A batalha global contra as mudanças climáticas, e todos os seus impactos interligados, requer uma abordagem multissetorial para formular respostas abrangentes. Para os agricultores da África Subsaariana, especialmente os pequenos proprietários, isso envolve a produção de variedades de cultivo melhoradas, que não são apenas de alto rendimento, mas também tolerantes à seca e ao calor, resistentes a doenças e pragas de insetos, e que possam contribuir para minimizar o risco de cultivos sob condições de seca.

O Conselho de Pesquisa Agrícola Internacional (CGIAR), uma parceria global envolvendo várias organizações engajadas na transformação de sistemas alimentares, está na vanguarda da inovação tecnológica e sua implantação por muitas décadas. O Centro Internacional de Melhoramento de Milho e Trigo e o Instituto Internacional de Agricultura Tropical (IITA) são os dois centros de pesquisa do CGIAR que realizam estudos inovadores sobre o milho e um trabalho de desenvolvimento em ambientes propensos ao estresse na África.

O desenvolvimento bem-sucedido de variedades de milho adaptadas ao clima para a África subsaariana foi liderado por esses dois centros do CGIAR, que implementaram projetos como o Milho Tolerante à Seca para a África (DTMA) e o Milho Tolerante ao Estresse para a África (STMA), em conjunto com parceiros do setor nacional e privado nos principais países produtores de milho na África Oriental, Meridional e Ocidental. Sob a iniciativa DTMA de 10 anos, cerca de 160 variedades de milho acessíveis e escaláveis foram lançadas.

O desenvolvimento bem-sucedido de variedades de milho adaptadas ao clima para a África subsaariana foi liderado por dois centros do Conselho de Pesquisa Agrícola Internacional

Foto: CIMMYT
Uma pequena agricultora no norte de Uganda em sua fazenda de milho DT.

Variedades de milho de alto rendimento, tolerantes ao estresse múltiplo, em que é usado o germoplasma de milho CIMMYT/IITA, lançadas depois de 2007 (o ano em que o projeto DTMA foi iniciado) são estimadas em cinco milhões de hectares em 2020 na África subsaariana. A adoção de variedades de milho tolerantes à seca (DT) ajudou a colocar milhões de pessoas acima da linha da pobreza em todo o continente. Por exemplo, no sul do Zimbábue, sujeito à seca, os agricultores que usam variedades DT em anos secos foram capazes de colher até 600 quilos a mais de milho por hectare – o suficiente para uma família média de seis pessoas por nove meses – do que os agricultores que semearam variedades convencionais.

O projeto STMA, que se seguiu ao DTMA, também operou na África subsaariana, onde 176 milhões de pessoas dependem do milho para nutrição e bem-estar econômico. O projeto, que terminou em 2020 – sucedido por um novo projeto chamado Acelerando Ganhos Genéticos para Melhoramento de Milho e Trigo (AGG) –, desenvolveu novas variedades de milho que podem ser cultivadas com sucesso sob seca, fertilidade do solo abaixo do ideal, estresse por calor e doenças e pragas. Em 2020, as variedades de milho tolerantes ao estresse relacionadas ao CGIAR foram estimadas em mais de cinco milhões de hectares, beneficiando mais de 8,6 milhões de pequenos agricultores em 13 países da África subsaariana.

Quênia

No Quênia, os agricultores que utilizam as novas variedades de milho estão colhendo de 20% a 30% mais grãos do que os que não cultivam sementes tolerantes à seca. Prasanna Boddupalli, diretora do Programa Global de Milho do CIMMYT e do Programa de Pesquisa de Milho do CGIAR, diz que isso tem um efeito cascata nos meios de subsistência, melhorando o consumo nutricional da comunidade, ajudando as crianças a voltar à escola e reduzindo a pobreza.

Em uma entrevista ao blog Gates Notes, a agricultora queniana Veronica Nduku, que cultiva milho tolerante à seca do CIMMYT há dez anos, disse que sempre colhe, mesmo quando não há chuva.

Em Zâmbia, um estudo do CIMMYT e do Center for Development Research mostrou que o milho tolerante à seca pode aumentar os rendimentos em 38% e reduzir os riscos de quebra de safra em 36%, embora três quartos dos agricultores no estudo enfrentassem seca durante a pesquisa.

Além das variedades de milho melhoradas adaptáveis ao clima, tanto o CIMMYT quanto o IITA desenvolveram variedades de milho biofortificadas com provitamina A. A deficiência de vitamina A é altamente prevalente em populações da África subsaariana, e essas variedades, desenvolvidas em parceria com a HarvestPlus, estão sendo implantadas em países-alvo em parceria com programas nacionais e empresas de sementes.

Comemorando o 50º aniversário de sua fundação neste ano, o CGIAR revelou seu roteiro para uma nova estratégia de dez anos na Cúpula de Adaptação ao Clima 2021, online, organizada pela Holanda em janeiro. A nova estratégia de pesquisa sustentável coloca as mudanças climáticas no centro de sua missão, com ênfase no realinhamento dos sistemas alimentares em todo o mundo, com foco em cinco áreas de impacto: nutrição, pobreza, inclusão, adaptação e mitigação do clima, saúde ambiental.

Por meio da transformação do sistema alimentar, sistemas agroalimentares resilientes e inovações genéticas, a ambição do CGIAR é atender e ir além dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu um esforço global combinado para realinhar radicalmente os sistemas alimentares para atingir os 17 ODS até 2030. O CGIAR adverte que, sem mais intervenções baseadas na ciência para alinhar a agricultura com as metas climáticas, o número de pessoas subnutridas em todo o mundo pode ultrapassar 840 milhões até 2030.

Para mudar seu foco e investimento em pesquisas agrícolas que respondam à crise climática, o CGIAR está passando por uma reforma institucional. Chamada de Um CGIAR, a reformulação dinâmica das parcerias, conhecimentos, ativos e presença global do CGIAR visa a uma maior integração e impacto em face dos desafios interdependentes que o mundo de hoje enfrenta. As inovações científicas em sistemas alimentares, terrestres e hídricos serão implantadas mais rapidamente, em maior escala e com custo reduzido, tendo maior impacto onde são mais necessárias.

O progresso pioneiro até o momento não teria sido possível sem o generoso financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates. Mesmo assim, Bill Gates, que reconhece o papel essencial do CGIAR em “alimentar nosso futuro”, também aponta que os níveis atuais de investimento não chegam nem à metade do que é necessário.

Os investimentos em melhoramento de milho e inovações no sistema de sementes devem se expandir para acompanhar a capacidade de resistir à variabilidade climática na África subsaariana, a região mais cronicamente desnutrida do mundo, e fornecer segurança alimentar e nutricional para milhões de pequenos produtores dependentes de milho e com recursos limitados, e consumidores.

No CIMMYT e no IITA, investimos no melhoramento de longo prazo para aumentar os ganhos genéticos, usando muitas novas ferramentas e tecnologias. Esses esforços precisam ser intensificados. Também é necessário mais financiamento para que sementes de qualidade de variedades de milho resistentes ao clima cheguem aos pequenos proprietários. Enquanto 77% das famílias zambianas entrevistadas para o estudo disseram que experimentaram seca em 2015, apenas 44% sabiam sobre o milho tolerante à seca.

Ciente de que a adoção de novas tecnologias e práticas pode ser arriscada para agricultores com poucos recursos, que não desfrutam da proteção de redes de segurança de bem-estar social nos países ricos, o CIMMYT incentiva os agricultores, empresas de sementes e outros usuários finais a envolverem-se no processo de desenvolvimento.

Não é suficiente reduzir as emissões de carbono. Os agricultores africanos precisam se adaptar rapidamente ao aumento das temperaturas, secas prolongadas e inundações violentas e devastadoras. Com variedades de milho de maior rendimento e tolerantes ao estresse, os pequenos agricultores têm a oportunidade não apenas de combater as variabilidades climáticas, doenças e pragas, mas também de diversificar efetivamente suas fazendas. Isso lhes permitirá, por sua vez, uma melhor adaptação às mudanças climáticas e acesso a dietas balanceadas e acessíveis. À medida que as mudanças climáticas se intensificam, as inovações agrícolas também devem ocorrer. É hora de uma abordagem incomum para os negócios.

Martin Kropff é diretor-geral do Centro Internacional de Melhoramento de Milho e Trigo

Nteranya Sanginga é diretor-geral do Instituto Internacional de Agricultura Tropical.

IPS, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Martin Kropff

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda