Pesquisar
Pesquisar

Palestinos terão versão verde amarela de seu tradicional lenço para torcer pelo Brasil na Copa

Também chamada de keffiyeh, a hata é um lenço tradicional e simbólico da Palestina nas cores preta e branca
Isaura Daniel
ANBA / Agência de Notícias Brasil-Árabe
São Paulo (SP)

Tradução:

A população da Palestina, que em sua maioria torce pela Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Federação Internacional de Futebol (Fifa), terá a possibilidade de usar um acessório simbólico dos laços do seu país com o Brasil para acompanhar os jogos neste ano. O Conselho de Cidadãos Brasileiros na Palestina criou uma hata nas cores verde e amarela para torcedores usarem durante a Copa do Mundo, que acontecerá a partir de 20 de novembro em outro país árabe, o Catar.

A hata também chamada de keffiyeh, é um lenço tradicional e simbólico da Palestina nas cores preta e branca. Algumas são feitas em tamanho que possibilita envolver a cabeça, mas a da Copa do Mundo foi desenvolvida em formato de cachecol, para uso em volta do pescoço. “Unimos as duas coisas, as cores da bandeira do Brasil e a hata, que é um símbolo da resistência palestina, da causa palestina”, explicou para a reportagem da ANBA por telefone a presidente do conselho, Fátima Hamayel.

Fátima Hamayel, presidenta da ANBA (Foto: Arquivo pessoal) 

A Palestina tem uma comunidade brasileira com cerca de cinco a seis mil pessoas, entre nascidos no Brasil e descendentes. Fátima conta, no entanto, que não é apenas esse grupo que costuma torcer para a Seleção Brasileira na Copa do Mundo, mas também a maior parte dos palestinos. “Eu noto esse carinho pelo Brasil, pela Seleção Brasileira, há anos, não é nada novo aqui”, afirma ela, dizendo que além do futebol, os palestinos simpatizam com o samba, a capoeira e a cultura do Brasil em geral.

Usando a hata enquanto assiste jogos da Copa do Mundo, a comunidade brasileira pretende mostrar solidariedade à Palestina. As peças foram confeccionadas por fornecedor de Ramallah e vendidas a US$ 5. “Nosso sonho era poder doar essas hatas”, diz Fátima.

Também chamada de keffiyeh, a hata é um lenço tradicional e simbólico da Palestina nas cores preta e branca

Conselho de Cidadãos Brasileiros na Palestina
Estão sendo disponibilizados locais para que os jogos do Brasil sejam assistidos coletivamente em telões em Ramallah

A ação teve apoio do Escritório de Representação do Brasil em Ramallah e surgiu a partir de conversas do conselho com o chefe do escritório, o embaixador Alessandro Candeas, sobre a organização de uma torcida para o Brasil na Palestina durante a Copa do Mundo. Para fomentar essa torcida organizada, que se chama Yalla Brasil, estão sendo disponibilizados locais para que os jogos do Brasil sejam assistidos coletivamente em telões em Ramallah, inicialmente nas partidas da Seleção Brasileira na primeira fase da Copa, amanhã, 24 de novembro, 28 de novembro e 12 de dezembro.

Na página do Conselho no Facebook, é possível conferir informações sobre o local onde será assistida a primeira partida:

A continuidade vai depender do time brasileiro passar para as fases seguintes da competição. Os jogos da Seleção Brasileira acontecerão em horário noturno em Ramallah e o conselho tem a preocupação de que pessoas dos vilarejos não possam participar por causa das questões de segurança e escalada da violência contra os palestinos que está cada vez maior, segundo Fátima. Todos, no entanto, serão convidados. A Palestina não tem seleção na Copa do Mundo.


Conselho de Cidadãos

O Conselho de Cidadãos Brasileiros na Palestina é formado por sete mulheres. O grupo é responsável pela aproximação entre os brasileiros que vivem no país e a representação diplomática do Brasil em Ramallah. Os conselhos de brasileiros existem em várias cidades do mundo como uma iniciativa do Ministério das Relações Exteriores para ajudar na interlocução entre o governo e a sociedade civil brasileira que mora no exterior e no planejamento de ações voltadas para esses grupos.

Isaura Daniel | Anba


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Isaura Daniel

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda