Pesquisar
Pesquisar

Pandemia de coronavírus vem causando efeitos devastadores nos jovens, aponta OIT

Relatório ressalta a necessidade urgente de políticas que evitem que a crise condene as perspectivas de formação e emprego de toda uma geração de jovens
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

Uma análise da OIT revela que mais de 70% dos jovens que estudam ou combinam o estudo com o trabalho têm sido afetados  negativamente pelo encerramento de escolas, universidades e centros de formação, desde o início do surto do novo coronavírus. 

De acordo com o relatório “Youth and Covid-19: impacts on jobs, education, rights and mental well-being”, 65% dos jovens afirma ter aprendido menos devido à transição das aulas presenciais para o online e também devido ao confinamento.

“Apesar dos seus esforços para continuar a estudar, metade destes jovens acredita que os seus estudos serão adiados e 9% pensa que talvez venha a abandonar os estudos definitivamente”, salienta a organização.

Relatório ressalta a necessidade urgente de políticas que evitem que a crise condene as perspectivas de formação e emprego de toda uma geração de jovens

Banda B
38% dos jovens sentem insegurança quanto às suas perspectivas de carreira

Acesso a educação realça desiguadade

A situação agrava-se em países mais desfavorecidos, com maior dificuldade de acesso à internet e a equipamentos, e sem o devido espaço em casa para os alunos estudarem.

Se nos países desenvolvidos 65% dos jovens tiveram aulas online, nos restantes apenas 18% dos jovens conseguiram fazê-lo.

“A pandemia está provocando múltiplos choques nos jovens. Não só está destruindo os seus empregos e as suas perspectivas de trabalho, mas também está comprometendo a educação e formação, e provocando um sério impacto no seu bem-estar mental. Face a esta situação, não podemos deixar que isto aconteça”, frisa o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

Segundo o relatório, 38% dos jovens sentem insegurança quanto às suas perspectivas de carreira e acreditam que a crise irá criar mais obstáculos no acesso ao mercado de trabalho. Entretanto, alguns já sentiram um impacto direto.

Desemprego ou corte nos salários

A organização refere que um em cada seis jovens teve de deixar de trabalhar desde o início da pandemia e 42% que continuaram trabalhando sofreram cortes nos rendimentos.

O relatório aponta a necessidade de políticas urgentes de forma a evitar que a crise hipoteque as perspectivas de emprego de toda uma geração de jovens, designadamente ao nível da reintegração no mercado de trabalho daqueles que perderam os seus empregos ou que viram reduzido o seu horário de trabalho, na garantia de acesso aos auxílios-desemprego e a medidas para melhorar sua saúde mental, desde o apoio psicossocial até a atividades desportivas e culturais.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação