Pesquisar
Pesquisar

Pandemia escancara histórica ganância e mesquinhez da elite econômica peruana

A crise sanitária que hoje se abate sobre a República, tem servido para pôr em evidência essa característica que alguns nunca perceberam, mas sempre existiu
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul
Lima

Tradução:

Muitas mostras de insensibilidade nos têm dado o segmento social que atesoura 90% da riqueza nacional e que tem em suas mãos desde sempre as chaves do Poder no nosso país. A crise sanitária que hoje se abate sobre a República, tem servido para pôr em evidência essa característica que alguns nunca perceberam, e outros ocultaram com dissimulo para não enfrentar a vida, nem chamar as coisas pelo seu nome. 

O tema do imposto solidário às mais altas rendas foi o primeiro toque. Anunciado com ceticismo pelo Presidente do Conselho de Ministros, foi recebido friamente pelos meios de comunicação a serviço da classe dominante. Imediatamente depois, foi iniciada a campanha para desmerecê-lo. 

Primeiro foram as declarações do Presidente da Diretoria do Banco Central de Reserva, o senhor Velarde, que considerou errada a proposta e, além disso, impraticável. Disse, aleatoriamente, que era uma proposta populista. 

Populistas têm sido consideradas todas as iniciativas orientadas a ajudar a população mais necessitada: conceder um bônus para as pessoas com menor renda, ou sem ela; combater a especulação com os artigos de primeira necessidade; controlar os preços; exigir que as empresas paguem seus impostos; oferecer resistência às dispensas de trabalhadores. 

Tudo foi considerado “populista”, e, portanto, recusado como se fossem palavras do inferno. A campanha contra esse imposto e a pressão exercida pela CONFIEP -que assume o papel de cão fiel em custódia de bens dos mais privilegiados – tem bloqueado até hoje esse imposto, que poderia dar em nada. 

A crise sanitária que hoje se abate sobre a República, tem servido para pôr em evidência essa característica que alguns nunca perceberam, mas sempre existiu

Wikimedia Commons
O governo aceitou uma a uma, todas essas exigência. Inclusive a faculdade para rescindir contratos com seus trabalhadores

Mas depois viveram outras expressões do mesmo tipo. Com o pretexto de “salvar a economia”, os grandes empresários exigiram “apoio do Estado”, esse mesmo estado ao que desmerecem sempre e consideram subsidiário e ornamental; esse Estado que de repente se converteu na ubre mais desejada pelo Grande Capital.

Para ele exigiram um “programa reativador”, apoio para completar as folhas de pagamento, facilidades tributárias e até créditos para investimentos. Pediram, inclusive, um “tratamento especial” para o setor de mineração, e lhes foi outorgado, razão pela qual hoje há meio milhar de trabalhadores mineiros infectados pela Covid-19.

Adicionalmente, exigiram ao Estado um aporte financeiro avaliado em 31 bilhões de soles, e o direito de despedir trabalhadores de maneira “perfeita”, utilizando um recurso idealizado nos anos de Fujimori, por quem foi então seu ministro, o economista Jorge Gonzales Izquierdo.

O governo aceitou uma a uma, todas essas exigência. Inclusive a faculdade para rescindir contratos com seus trabalhadores, com a condição que fosse “o recurso extremo”. Extremo ou não, em poucos dias foram apresentadas mais de cinquenta mil solicitações para acolher-se à norma. Os empresários não estavam dispostos a “prejudicar sua renda” seja por que conceito for.

E agora, quando do que se trata é de recomeçar a atividade econômica, o governo quer fazê-lo dispondo elementares medidas de segurança e proteção para os trabalhadores, a presidenta do CONFIEP rechaça os protocolos propostos argumentando que são “excessivos”, próprios da Europa. 

É curioso, eles que falaram tanto na necessidade de “ajustar a economia” para “promover o desenvolvimento” e converter-nos em um país “do primeiro mundo”, agora lembram que somos apenas um país do terceiro mundo no qual não é possível desperdiçar dinheiro protegendo os trabalhadores. Até Angela Merkel os chamou de “sovinas”.

A mesma coisa acontece no plano setorial. Na área da educação, onde têm feito os negócios mais lucrativos, se negam a baixar o preço das mensalidades para situá-las no nível do serviço que prestam com a educação virtual. 

E exigem que o Estado pague a diferença, para que os montantes não caiam sobre os pais de família e tampouco afetem os ganhos dos colégios privados. Algo assim está acontecendo no sistema universitário.

E na saúde a coisa é simplesmente inacreditável. Fazer uma raspagem com cotonete para constatar a existência de vírus, que é gratuita no Estado, custa entre 150 e 500 dólares em uma clínica privada. E um tratamento da doença se situa por volta dos 30 mil dólares. Os cidadãos peruanos de baixa renda e sem outros recursos podem financiar um serviço de saúde desses?

É claro que é preciso reativar a indústria.

A da construção, por exemplo, mas com elementares medidas sanitárias e de segurança. Não se pode permitir que os trabalhadores continuem caindo dos andaimes, que não tenham implementos de segurança, que sofram acidentes cotidianos. Centenas de casos desse tipo se produzem no Peru a cada ano.  

E na indústria manufatureira, os trabalhadores também têm requisitos pontuais, mas quando se pede que uma empresa com menos de 20 trabalhadores tenha um enfermeiro que cuide deles, e outra de 100, um médico, a CONFIEP se horroriza e diz que isso “custa muito”. 

Por certo é insensibilidade manifesta. E mesquinharia extrema, certamente.

Gustavo Espinoza M., Colaborador de Diálogos do Sul desde Lima, Peru

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri