Pesquisar
Pesquisar

Pandemia veio para favorecer seres nefastos e corruptos que governam em nome da fome

Como permitimos o ascenso de seres tão nefastos e corruptos como aqueles que governam aqui e em países aparentemente muito mais desenvolvidos?
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

A pandemia só veio para favorecê-los. Aí estão, como piranhas, os grupos de poder marchando vitoriosos em direção à apropriação absoluta e definitiva dos mecanismos criados com o propósito de sustentar democracias tão débeis como enganosas. 

Esses mecanismos – chamemos de “institucionais” – onde se administram a justiça, os direitos humanos, a riqueza dos povos e as oportunidades de desenvolvimento, caíram um após o outro em mãos das elites econômicas e dos conglomerados industriais ante a cumplicidade de organismos internacionais, que se supunham que foram criados para dar uma tintura humanitária à depredação.  


Não vemos o boque porque as árvores já se erguem imponentes para ocultar a verdadeira natureza da devastação e da miséria à qual condenaram os territórios e os povos. A perseguição de líderes, a violência repressiva contra os protestos populares, as táticas de amedrontamento contra todo aquele que se levante para denunciar os abusos; e os inconcebíveis atos de traição dos políticos nas assembleias representativas da voz popular, se multiplicam ao longo deste planeta em processo de destruição.

Em que momento perdemos de vista a transcendência do exercício cidadão? Como permitimos o ascenso de seres tão nefastos e corruptos como aqueles que governam aqui, em nosso continente, e em países aparentemente muito mais desenvolvidos? Esses vazios, permitidos por pura negligência, foram sendo recheados graças a subornos produtos do roubo da nosso patrimônio.

O imenso poder dos mais acaudalados da lista da Forbes não se reduz à acumulação de capital; eles também decidem nosso destino. A amostra mais palpável nesses tempos é a negativa de liberar as patentes das vacinas contra a Covid para fazer com que cheguem a todos os rincões do planeta a preços acessíveis e no mais curto prazo, porque é uma veia comercial que multiplica seus ingressos em ritmo vertiginoso.

Como permitimos o ascenso de seres tão nefastos e corruptos como aqueles que governam aqui e em países aparentemente muito mais desenvolvidos?

Reprodução
O poder econômico mundial não tem rosto, mas sim garras afiadas.

Os indícios da não tão nova ordem das coisas surgem desde o século passado, quando os tratados de livre comércio e os termos das relações comerciais bilaterais passavam primeiro pelos escritórios dos grandes consórcios. 

Aí se cozinhavam as vidas humanas e o destino dos povos, aí se escolhiam os ditadores obedientes ao poder econômico e aí também se decidia quem vivia e quem não; quando invadir e como justificá-lo, sem parecer outra coisa que uma ação inevitável em defesa dos valores democráticos. 


E aí também eram elaborados os discursos para justificar o massacre de civis – como “efeito colateral” – nessa corrida frenética para apoderar-se das matérias-primas necessárias para seguir dominando o mundo.

Hoje o processo é quase irreversível e a perspectiva não é outra senão mais fome para aqueles que já perderam tudo, mas também para as capas médias às quais ainda alimenta a esperança de melhores dias. Esta guerra solapada e cruel avança graças à força das armas esgrimidas sem o menor reparo contra cidadãos indignados, mas incapazes de defender o seu, sem cair na tentativa.

A farsa das ditaduras da nova ordem mundial: essas que aparentam ser o que não são, mas agem como o que são, e não têm a decência de fingir um caráter humanitário. Diante delas e sem nenhuma proteção por parte dos organismos internacionais criados para defender os direitos da Humanidade, terminamos por ceder todos os espaços. Para recuperá-los não bastará com o ato simbólico, mas inefetivo, de desfraldas bandeiras. 

O poder econômico mundial não tem rosto, mas sim garras afiadas.

*Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda