Pesquisar
Pesquisar

Pandora Papers: Só na América Latina, US$ 40 bilhões foram desviados para paraísos fiscais

A maioria dos políticos latino-americanos que figuram na investigação são “de corte conservador”, aponta a investigação, que adverte que além dos três presidentes ativos, haveria até 11 ex-mandatários envolvidos
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Até 14 chefes e ex-chefes de Estado estão envolvidos no uso de paraísos fiscais e empresas offshore para a evasão fiscal, lavagem de dinheiro de procedência ilícita e para ocultar fortunas pouco claras, revelou ontem o projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) chamado Os Papéis de Pandora. 

Nesta elite são apontados três presidentes: o chileno Sebastián Piñera, o equatoriano Guillermo Lasso e o dominicano Luis Abinader, além dos ex-mandatários colombianos César Gaviria e Andrés Pastrana, entre outros.

Entre os 12 milhões de arquivos secretos analisados pelo ICIJ, que foram publicados por The Guardian, BBC, The Washington Post e El País, entre outros meios associados, se estabelece a utilização por parte das elites da América Latina, inclusive políticos na ativa e aposentados, grandes empresários e até personagens do espetáculo, como a cantora colombiana Shakira, da montagem de redes de empresas fantasmas, sociedades interpostas e arquivos mercantis pouco transparentes para transferir suas fortunas por meio de paraísos fiscais como as Ilhas Virgens Britânicas e o Panamá.

Pandora Papers: Investigação revela os paraísos fiscais dos milionários

“Só na América Latina teriam evadido ao erário público até 40 bilhões de dólares desviados a paraísos fiscais”. A Maioria dos políticos latino-americanos que figuram na investigação são “de corte conservador”, aponta a investigação, que adverte que além dos três presidentes ativos, haveria até 11 ex-mandatários envolvidos: os colombianos César Gaviria (1990-1994)  e Andrés Pastrana (1998-2002), mencionados acima, assim como o peruano Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018); o hondurenho Porfirio Lobo (2010-2014); o paraguaio Horacio Cartes (2013-2018) e os panamenhos Ernesto Pérez Balladares (1994-1999)  Ricardo Martinelli (2009-2014) e Juan Carlos Varela (2014-2019). 

A maioria dos políticos latino-americanos que figuram na investigação são “de corte conservador”, aponta a investigação, que adverte que além dos três presidentes ativos, haveria até 11 ex-mandatários envolvidos

montagem reprodução
Até 14 chefes e ex-chefes de Estado estão envolvidos no uso de paraísos fiscais e empresas offshore para a evasão fiscal.

O governante da República Dominicana, Luis Abinader, tem vinculação com duas sociedades no Panamá, Littlecote Inc. e Padreso SA; ambas foram criadas antes que assumisse o cargo, em agosto do ano passado. “Ao ser investido presidente, em 2020, o mandatário declarou nove sociedades offshore que controlava por meio de um fideicomisso”, apontam os Papéis de Pandora. 

O equatoriano Guillermo Lasso, que trabalhou o setor bancário e iniciou sua gestão em maio passado, chegou a operar com “14 sociedades offshore (a maioria no Panamá) e as foi fechando só depois que o correísmo impulsionasse uma lei que proibia os candidatos de ser beneficiários de empresas localizadas em países fiscais”. O mandatário sustenta que dez dessas sociedades já estão inativas; e sobre as outras quatro nega qualquer relação ou benefício.

A investigação também toca o Brasil, ao apontar os dois homens mais poderosos do mundo econômico: o ministro do ramo, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Guedes figura como acionista da empresa Dreadnoughts International Group, registrada nas Ilhas Virgens Britânicas. Os documentos mostram como o ministro, guru econômico do presidente Jair Bolsonaro, tinha em 2014 pelo menos oito milhões de dólares investidos na companhia registrada em seu nome, no de sua esposa, María Cristina Bolivar Drumond Guedes, e de sua filha, Paula Drumond Guedes. 

O presidente do Banco Central, Campos Neto, é proprietário de quatro empresas, Cor Assets e ROCN Limited, registradas no Panamá em sociedade com sua esposa, a advogada Adriana Buccolo de Oliveira Campos. O objetivo declarado das companhias era investir nos ativos financeiros do Santander Private Bank, do qual Campos Neto foi membro do conselho executivo. As outras empresas pouco transparentes são Peacock Asset, gerida pelo banco Goldman Sachs, e que foi descoberta na investigação Bahama Leaks de 2016; e Darling Group, uma empresa de “gestão imobiliária”.

Ele faz o dólar dele: Guedes desvaloriza real e lucra R$ 50 mi em paraíso fiscal no Caribe

No caso da Colômbia, a investigação focou ex-mandatários conservadores, César Gaviria  e Andrés Pastrana, que acudiram a este tipo de serviços financeiros uma vez que haviam deixado o poder e para investir sua fortuna pessoal. 

No caso da Argentina, a investigação aponta a Jaime Durán Barba, consultor político que catapultou à presidência Mauricio Macri em 2015 e Zulema Menen, filha do ex-presidente Carlos Menem (1989-1999). Pelo lado do kirchnerismo, os papéis implicam em manejos offshore a Daniel Muñoz (já falecido), ex-secretário do também falecido ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), “e algumas figuras chaves no processo aberto pela recepção de supostas comissões ilegais pagas por empreiteiros de obra pública aos governos peronistas”. 

Armando G. Tejeda, Correspondente de la jornada em Madri.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Lin Jian - China
China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências
sudao-refugiados
Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão
ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
berlim-afd-alemanha
Leste da Alemanha votou na ultradireita por revolta contra desigualdade, afirma especialista