Pesquisar
Pesquisar

Para dar visibilidade à violência, mulheres fazem primeira greve feminista no México

Cansadas de tanta incompetência, corrupção e impunidade mexicanas têm ido às ruas para dar visibilidade à violência na qual vive o país
Ana Rosa Moreno
Desacato
São Paulo (SP)

Tradução:

Se para qualquer pessoa viver no México é um esporte radical, para as mulheres é um esporte suicida. A cada dia em todos meios de comunicação vemos notícias de mulheres acossadas, abusadas, desaparecidas, assassinadas e violadas. E também vemos com as autoridades brilham pela incompetência e cumplicidade com o agressor. Muitos dos casos passam à lista de casos esquecidos.

As mexicanas, cansadas de tanta incompetência, corrupção e impunidade tem ido às ruas para demonstrar seu descontentamento e dar visibilidade à violência na qual vive o país. Realizaram marchas, bailes, usaram glitter roxo, instalaram anti-monumentos, incluso ações mais violentas como queima de escritórios, portas quebradas e monumentos riscados. A resposta da sociedade mexicana tem sido a burla, inclusive dizem que o feminicídio não existe e que é só paranoia.

Tem acontecido feminicídios como o de Isabel Cabanillas, ativista, muralista e membro da coletiva “Filhas de sua *maquileira mãe”, em Ciudad Juárez. Ou o caso de Ingrid Escamilla da cidade de Puebla, assassinada pelo seu companheiro foi cortada em pedaços e partes do seu corpo foram jogadas em sacos de lixo na rua. Houve a desaparição de uma criança para a extração de órgãos no distrito de Tlahuac, na Cidade de México. Esses são apenas alguns exemplos da violência que existe contra as mulheres no país. Por essa razão as coletivas e personagens célebres, instaram às mexicanas a não sair de suas casas no dia 9 de março, fazer portanto, uma greve feminista.

Cansadas de tanta incompetência, corrupção e impunidade mexicanas têm ido às ruas para dar visibilidade à violência na qual vive o país

Unomásuno
O patriarcado e o machismo vão cair, e se não cai, nós os vamos jogar fora.

O presidente Andrés Manuel López Obrador, lorde da Quarta Transformação, 4T, acusou o movimento feminista de desviar a atenção da rifa do avião presidencial. Fazendo um parêntese: o avião presidencial foi adquirido pelo ex-presidente, Felipe Calderón Hinojosa, e foi Enrique Peña Nieto quem o utilizou. Atualmente tem um custo aproximado de 218 milhões de dólares. Como não dá para manter um avião tão dispendioso e que não se consegue vender diretamente a ninguém, o lorde da 4T teve a brilhante ideia de rifa-lo. No entanto, o prêmio não é o avião. Terá vários ganhadores que receberão um percentual do valor, e o restante do dinheiro arrecadado passará ao bolso do governo, quem, segundo o presidente da república, o utilizará no sistema de saúde.

Também a procuradoria geral da república procura eliminar o termo feminicídio, rejeitando as sete condições para tipificá-lo. Considera que são inúteis pela dificuldade para creditá-las. Propõe que para estes casos se utilize o termo homicídio, mas, sito só invisibiliza o verdadeiro problema: no México assassinam as mulheres por serem mulheres.

Como dado curioso, de acordo com o artigo 325 do Código Penal Federal, considera-se tipificação de feminicídio quando o agressor concorra em alguma das seguintes circunstâncias:

  • I. A vítima presente signos de violência sexual de qualquer tipo
  • II. A vítima tenha sofrido lesões ou mutilações infamantes ou degradantes, prévias ou posteriores à privação da vida ou atos de necrofília
  • III. Existam antecedentes ou dados de qualquer tipo de violência no âmbito familiar, laboral ou escolar, do sujeito ativo em contra da vítima
  • IV. Tenha existido entre o ativo e a vítima uma relação sentimental, afetiva ou de confiança
  • V. Existam dados que estabeleçam que houve ameaças relacionadas com o fato delituoso, acosso ou lesões do sujeito ativo em contra da  vítima
  • VI. A vítima tenha ficado incomunicáfel, qualquer que seja o tempo prévio à privação da vida
  • VII. O corpo da vítima seja exposto ou exibido em lugar público

Contra essas ações machistas, a greve feminista, no México, vem para fazer uma reflexão do que passaria se um dia nos vem e no seguinte não, porque a cada dia, 10 mulheres não voltam aos seus lares.

Imediatamente, as empresas, escolas e instituições do governo deram permissão às empregadas e estudantes  para não irem a trabalhar ou assistir às aulas, como se as mulheres tivéssemos que pedir permissão para fazer uma greve ou manifestar-nos.

O Partido de Ação Nacional e o Partido Revolucionário Institucional competem para mostrara quem é mais feminista, mas todos sabemos que não apoiam o direito ao aborto, a legalização da maconha e os matrimônios igualitários.

O lorde da 4 T disse que é conhecedor em temas de gênero e que seu governo é o mais feminista com paridade de gênero na distribuição dos cargos, mas, tem demonstrado pouca sensibilidade com relação ao tema. Também atreveu-se a dizer que a greve acontecida na Universidade Nacional Autônoma de México, UNAM, iniciada por denúncias de acosso por parte de professores e estudantes às mulheres, e a venda de fotografias íntimas das alunas, tem muito que ver com a vontade de desestabilizar o seu governo.

Também houve acusações a George Soros de financiar o movimento feminista no México, porque o governo e outras pessoas consideram que as mulheres mexicanas não somos capazes de organizarmo-nos com nossos próprios meios, mas, Soros declarou nos meios que nada tem a ver, e ainda assim pedem para investigá-lo.

Apesar disso tudo, a greve vai e o patriarcado e o machismo vão cair, e se não cai, nós os vamos jogar fora.

*Trabalhadora das maquilas (trabalhadora têxtil)

Tradução: Raul Fitipaldi, para Desacato.info

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ana Rosa Moreno

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza