Pesquisar
Pesquisar

Para driblar insubordinação das Forças Armadas, Lula acelera transição na Defesa

Atuais chefes militares sinalizam que não aceitam autoridade do novo presidente democraticamente eleito
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

Ainda no momento de transição de governo sem ter chegado ao Palácio do Planalto, Lula já enfrenta dificuldades no relacionamento com o mercado, e também se vê obrigado a manobrar no setor militar.

Na semana passada, os comandantes das Forças Armadas – Marco Antônio Freire Gomes (Exército), Carlos de Almeida Baptista Junior (Força Aérea) e Almir Garnier (Marinha) – anunciaram de forma extraoficial que vão deixar seus comandos na última quinzena de dezembro.

De acordo com a coluna de Igor Gielow na Folha de São Paulo, a decisão foi combinada com presidente, Jair Bolsonaro (PL), durante um dos encontros dos comandantes com o mandatário. Na análise de dois ex-ministros da pasta ouvidos pela mídia, a ação dos militares corresponde a uma declaração de insubordinação ao novo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva.

Para os dois ocupantes da Defesa – de governos diferentes – os chefes militares sinalizaram para a tropa que não aceitam integralmente a autoridade do petista. De certa forma, e equipe do presidente eleito e o próprio Lula teriam também feito essa avaliação e por isso “aceleraram” a indicação de um novo ministro para pasta para driblar uma crise militar logo no começo de seu governo.

Na segunda-feira (28), o nome do o ex-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU) e ex-ministro da Articulação Política do segundo governo do petista, José Múcio Monteiro, começou a ser ventilado pela mídia ao mesmo tempo que Lula e Múcio Monteiro tiveram uma reunião ontem (28) em Brasília.

Atuais chefes militares sinalizam que não aceitam autoridade do novo presidente democraticamente eleito

Lula – Flickr
Apesar das nomeações, ainda há um árduo caminho para que a relação realmente se desenvolva

Caso Múcio Monteiro seja mesmo anunciado ao cargo, deverá escolher os novos comandantes e trazer para si a paternidade da indicação. Os favoritos são os mais antigos oficiais-generais de cada Força: Julio César de Arruda no Exército, Marcelo Kanitz Damasceno na FAB e Aguiar Freire, na Marinha, diz a Folha.

Ainda que a entrada de Múcio ajude um pouco na harmonização das relações entre o petista e os militares, ainda há um árduo caminho para que a relação realmente se desenvolva.

Se olharmos para o passado, diversos fatores contribuíram para isso, como as revelações de corrupção da Operação Lava Jato

Do lado petista, há a lembrança da ameaça ao Supremo Tribunal Eleitoral (STF) feita por Eduardo Villas Bôas na véspera da votação de um habeas corpus que poderia ter evitado os 580 dias de prisão de Lula, em 2018.

De acordo com a mídia, no ano passado, quando recuperou seus direitos políticos, Lula até enviou emissários para tentar estabelecer um diálogo por meio de generais da reserva. Deu com a cara na porta, até porque Bolsonaro proibiu qualquer conversa de setores da ativa com o petista.

Redação | Sputnik Brasil


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização