Pesquisar
Pesquisar

Para julgamento de García Luna em outubro, júri será anônimo, decide justiça dos EUA

Resolução considera que Luna possui intenção e recursos para tentar intimidar membros da comissão que o julgará em Nova York
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O juiz federal que preside o caso de Genaro García Luna emitiu uma decisão que aprova a solicitação dos promotores estadunidenses para estabelecer um júri anônimo e parcialmente isolado a fim de “proteger a integridade do julgamento” diante do potencial de fustigamento e intimidação do acusado e seus aliados. 

O juiz federal Brian Cogan, em sua decisão por escrito, avaliou os argumentos dos promotores e da defesa sobre o assunto e concluiu que embora o ex-secretário de Segurança Pública do México não esteja acusado de delitos violentos, réu é autor de atividades nas quais “facilitou a violência e o narcotráfico do cartel (de Sinaloa) ao entregar-lhe informação e proteção em um nível muito alto” em troca de subornos multimilionários.

México: Defesa de García Luna tenta manobra para descredibilizar denúncias de ameaças

García Luna “não pode negar conhecimento das atividades violentas do cartel… esta violência generalizada e o extenso alcance do cartel fazem razoavelmente provável que integrantes do júri poderiam preocupar-se por sua segurança individual se não lhes for outorgado o anonimato”, argumenta o juiz. 

O juiz Cogan agrega que os promotores também mostraram “uma preocupação legítima de que Garcia Luna, como um ex-alto funcionário do governo com profundos vínculos tanto com o governo mexicano e o cartel de Sinaloa, provavelmente tem a intenção e os recursos para envolver-se na intimidação e fustigamento de testemunhas”, e, portanto, também para tentar manipular o júri.

Finalmente, o juiz coincide com os promotores que o caso é de alto interesse nos meios de comunicação, e que isso também é razão para estabelecer o anonimato do júri, diante da possibilidade de que seus nomes sejam revelados publicamente e expô-los assim à intimidação e fustigamento tanto por amizades ou inimigos do acusado.

Resolução considera que Luna possui intenção e recursos para tentar intimidar membros da comissão que o julgará em Nova York

Yahoo
Julgamento de García Luna está programado para começar no dia 24 de outubro, no Tribunal Federal do Distrito Leste no Brooklyn, Nova York




Identidade dos integrantes do júri permanecerá oculta

A decisão implica que a identidade dos integrantes do júri permanecerá oculta dentro do tribunal, serão escoltados por policiais em seus traslados para chegar e sair do julgamento, e seus detalhes pessoais – nomes, locais de trabalho ou domicílios – não serão divulgados a promotores, advogados de defesa ou para a imprensa. 

O juiz Cogan tomou essa mesma decisão em 2018, estabelecendo um júri anônimo e parcialmente isolado para o julgamento que presidiu neste mesmo tribunal federal de Joaquín El Chapo Guzmán Loera.

Preso nos EUA, ex-secretário mexicano recebeu milhões de subornos do cartel de Sinaloa

A defesa havia se oposto a esta solicitação, argumentado que podia erodir a suposição de inocência de García Luna no julgamento, além de que não está acusado e nem tem um histórico de crimes violentos. 

Enquanto isso, os promotores informaram que seguem compartilhando evidência classificada e protegida com os advogados de defesa, incluindo material que o próprio acusado não está autorizado a revisar. Isto aparentemente inclui informação sobre um par de testemunhas potenciais que possivelmente são os mencionados recentemente por promotores, identificados só como um informante encarcerado com García Luna e uma jornalista mexicana que acusa ser vítima de suas tentativas de intimidação em anos passados. 

García Luna, que foi preso em Dallas e trasladado a Nova York em dezembro de 2019, enfrenta acusações de que entre 2001 e 2012 – quando ocupava a direção da Agência Federal de Investigações – e entre 2006 a 2012 – como secretário de Segurança Pública do México – brindou assistência ao cartel de Sinaloa em troca de subornos de dezenas de milhões de dólares. 

O julgamento de García Luna está programado para começar no dia 24 de outubro, no Tribunal Federal do Distrito Leste no Brooklyn, Nova York, no nome lugar e com o mesmo juiz que realizou o julgamento de El Chapo.

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York
Tradução Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia