Pesquisar
Pesquisar

Para Unesco, multilinguismo é tão importante quanto erradicar o analfabetismo

A subdiretora da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura insistiu que acesso ao conhecimento é um direito que deve ser respeitado
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Paris

Tradução:

A subdiretora geral de Educação da Unesco, Stefania Giannini, demandou aqui compromisso político para erradicar o analfabetismo e promover o multilinguismo planeta.

Ao inaugurar uma conferência sobre o Dia Internacional da Alfabetização, a funcionária assinalou que estes objetivos são vitais para alcançar sociedades inclusivas em um mundo globalizado e digitalizado. 

Giannini advogou por investimentos e políticas públicas em sintonia com as circunstâncias atuais da humanidade, em um cenário marcado pela existência de mais de 750 milhões de analfabetos, a maioria mulheres, e entre os quais 100 milhões de jovens. 

Assinalou que é importante levar em conta que educar os indivíduos e as sociedades não é só ensinar a ler e escrever, mas sim dotar de ferramentas para entender melhor o mundo e para que se convertam em atores sociais.

A subdiretora da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura insistiu que acesso ao conhecimento é um direito que deve ser respeitado

UNESCO
Educar os indivíduos e as sociedades não é só ensinar a ler e escrever

A subdiretora da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) insistiu em que o acesso ao conhecimento é um direito que tem que ser respeitado.

A respeito do multilinguismo, considerou que é uma necessidade da época moderna, de acordo com o princípio de não deixar ninguém para trás.

Disse que para este ano o tema central do Dia Internacional da Alfabetização e desta conferência é o plurilinguismo, enfocado desde o valor do ensino do idioma materno e de outros que permitirão um melhor desempenho.

De acordo com a especialista italiana, a Unesco vê com muita preocupação que das sete mil línguas faladas no planeta, apenas cinco por cento delas estava presente na internet em 2016.
Igualmente inquietante é o fato de que enquanto falamos, uma de cada três corre o risco de desaparecer, com o que perderíamos conhecimentos e tradições, advertiu.

Giannini destacou a necessidade de defender estes idiomas para preservar a diversidade linguística e a identidade que representam. 
A funcionária destacou a importância de garantir o estudo das línguas maternas e estrangeiras desde a mais tenra idade. 

A relatora especial das Nações Unidas sobre o Direito à Educação, Koumbou Boly Barry, também reclamou uma maior vontade política para superar as desigualdades. 

Nesse sentido alertou que os países do norte avançaram muito em matéria de erradicação do analfabetismo e do impulso ao multilinguismo, mas na África, Ásia e América Latina a situação é diferente.

Expôs que por esse motivo é urgente potencializar a solidariedade e a cooperação. 

A conferência da Unesco em sua sede central, nesta capital, reuniu agentes e encarregados de políticas, contexto no qual foram entregues prêmios a iniciativas da Argélia, Colômbia, Indonésia, Itália e Senegal relacionadas com a alfabetização e o plurilinguismo.

*Tradução: Beatriz Cannabrava

**Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos