Pesquisar
Pesquisar

Paraguai dá adeus a Jose Gil Ojeda, linha de frente na luta contra ditador Alfredo Stroessner

Jose Gil Ojeda Feldkamp com o quadro do líder da libertação vietnamita, Ho Chi Minh
Leonardo Severo
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Faleceu nesta sexta-feira (13), aos 87 anos, o líder das Ligas Agrárias Cristãs do Paraguai, Jose Gil Ojeda Feldkamp, linha de frente na luta contra o ditador Alfredo Stroessner, no bom combate pela libertação dos camponeses de Curuguaty, pela reforma agrária e contra o indecente latifúndio.

Foi delegado metalúrgicos em Buenos Aires no começo dos anos 60 e trabalhou nas teles – de onde foi expulso por “comunista” –  até chegar a liderança das Ligas do Paraguai de 1970 a 1976. Preso de 1976 a 1979, exilado na Bolívia de 1979 a 1985, e no Brasil de 1985 até 1990, protegido pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).  Participou de encontros, cursos e seminários na Venezuela, na Colômbia e em Cuba, onde esteve várias vezes. Comprometido com seu povo, foi detido em inúmeras oportunidades – numa delas ficando encarcerado e torturado por três anos. Com vasto conhecimento acumulado, foi professor, médico naturista e um férreo defensor da natureza. “O agronegócio vai contaminando a nossa terra, contagiando o ar, apodrecendo os rios. Se impõe defender o meio ambiente, a nossa pátria e a nossa nação”, ensinava Jose Gil, que deixa um vazio imenso na trincheira.

Jose Gil Ojeda Feldkamp com o quadro do líder da libertação vietnamita, Ho Chi Minh

Reprodução: Leonardo Severo
Jose Gil Ojeda Feldkamp era lider das Ligas Agrárias Cristãs do Paraguai

Imensa perda 

“Sinto uma tristeza imensa. Conheci Jose Gil na prisão de segurança máxima de Emboscada. Companheiro solidário, coerente, sonhador e patriota. Um exemplo de humildade, um sábio conselheiro, um amigo! Foi um dos últimos a sair da prisão, após uma longa greve. Até sempre, companheiro! Voltaremos a nos encontrar. Graças por tua vida”, declarou Guillermina Kanonnikoff. Ex-presa política da ditadura de Alfredo Stroessner, Guillermina teve seu marido, o professor Mario Raul Scharer Prono, de 23 anos, assassinado após 24 horas de intensas torturas, em 6 de abril de 1976, e desde então é uma referência do povo paraguaio na luta por justiça e igualdade. Durante a campanha de solidariedade aos camponeses de Curuguaty, lembra a combatente, Dom Jose foi um dos imprescindíveis.

Leia também:
Morre o jornalista Adalberto Diniz; jornalistas e amigos lamentam: “mundo do fica mais triste” 

“Um lutador não se aposenta. Um lutador morre na trincheira”, homenageou a renomada historiadora e professora universitária Margarita Durán Estrago, para quem “Jose Gil Ojeda é uma fortaleza cristã para a sua família exemplar”. “Companheiro das Ligas Agrárias Cristãs sofreu a pressão, a tortura, o campo de concentração de Emboscada, o exílio e quando pôde voltar, seguiu sua caminhada até o final”, acrescentou.

Conhecedor do português, coordenava o projeto de tradução para o espanhol do livro “Curuguaty – o combate paraguaio por Terra, Justiça e Liberdade”, do jornalista Wexell Severo.

Deixa 12 filhos, 23 netos e 13 bisnetos.

 

Assista Documentário RTV Jornalismo Cidadão


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Leonardo Severo

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia