Pesquisar
Pesquisar

PARLASUL aprovou declaração de Apoio à Democracia na região

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

plenariaEsta segunda-feira, dia 17 de agosto, no Salão dos Plenários do Edifício MERCOSUL em Montevideu, se realizou uma Sessão Preparatória na qual os Parlamentares das Delegações do Brasil e do Uruguai assumiram suas bancas, assim como o Presidente e os Vice-Presidentes correspondentes do PARLASUL.

Na proclamação estiveram presentes o Chanceler da República Oriental do Uruguai, Sr. Rodolfo Nin Novoa, Representações Diplomáticas e de Organismos Internacionais credenciados no Uruguai.

O Parlamentar Saúl Ortega logo de tomar posse como Presidente do PARLASUL tomou juramento aos membros da Mesa Diretora, manifestando que está se construindo uma arquitetura geopolítica totalmente nova, o MERCOSUL “é o cimento do futuro”. Concluiu dizendo que o PARLASUL é “a expressão mais pura e democrática deste futuro”.

O Vice-Presidente eleito pela Delegação do Uruguai, Daniel Caggiani expressou que o MERCOSUL tem mudado com o tempo, que superou sua dimensão exclusivamente comercial e tem se incluído também as dimensões sociais, políticas, educativas, complementação produtiva em todos os níveis. Apontou que a integração é falar de futuro, “temos que falar de política com maiúsculas, o PARLASUL deve nos representar a todos, devemos convertê-lo num ponto de referência para a integração (…) a democracia pode ser imperfeita e melhorável. Mas temos aprendido a respeitar os processos e a não parar em nosso empenho” finalizou Caggiani.

Arlindo Chinaglia Vice-Presidente pelo Brasil assinalou que o bloco tem diferencias e criticas, mas que tem aumentado tanto o comercio intra zona e extra zona por sobre a média mundial, o MERCOSUL tem uma dimensão política que vai mais além do econômico e do comercial, têm a ver com um sentido estratégico, tem a ver com Direitos Humanos. Isto é uma ferramenta para combater assimetrias, já que hoje em dia está mais forte que quando tudo começou. Finalizou dizendo que “a solução a nossos problemas não é menos MERCOSUL, é MAIS MERCOSUL”.

O Vice-Presidente pela Argentina, José Mayans, assinalou que as autoridades têm levado a ideia da integração à realidade. E acrescentou “que os inimigos do MERCOSUL hão tratado de evitar a integração, mas o desejo de nossos povos hão combatido esses inimigos (…) ante às vozes contrárias resposta da Argentina é mais integração com as eleições diretas”.

Finalizou expondo que o imperialismo tem lutado muito para destruir “nosso trabalho e felicitamos o trabalho de nossos governantes em combater esses ataques”.

Por sua parte, Eliana Bertón Guachalla, Vice-Presidente da Delegação do Estado Plurinacional da Bolívia declarou no plenário que ao seu país lhe interessa trabalhar em união com o bloco “daremos melhores condições de vida a nossos povos (…) queremos complementaridade entre todos nossos países dentro do MERCOSUL”.
Terminada a Sessão Preparatória, deu-se início à XXXIII Sessão Ordinária com a leitura dos Assuntos Entrados, e se discutiram diferentes temas propostos pelos Parlamentares.

Seguidamente o Parlamento do MERCOSUL aprovou três declarações, na primeira das quais o PARLASUL expressou seu apoio à plena vigência da democracia nos países membros do MERCOSUL, e seu apoio a vontade soberana expressada nas urnas e à legalidade dos governos democraticamente eleitos na região, como reafirmação da plena vigência dos Direitos Humanos.

Na segunda Declaração se manifestou a preocupação e repudio pela desaparição forçada de quarenta e três estudantes Mexicanos da Escola Normal Rural de Ayotzinapa.

Por último, se realizou uma Declaração de apoio e solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela, pela controvérsia territorial entre esse país e a República Cooperativa da Guiana, razão pela qual se exorta a esta última a não outorgar concessões no território em disputa; em segundo lugar, rechaçar a política que protagonizam fatores econômicos transnacionais petroleiros, entre eles, Exxon Mobil; terceiro, de ratificar que os únicos canais adequados para resolver esta controvérsia são os do Direito Internacional; e quarto, dar amplia publicidade à presente Declaração nos parlamentos regionais e nos organismos internacionais competentes.

PARLASUL/ma-pb-as
Foto: PARLASUL


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia