Pesquisar
Pesquisar

Parte dos manifestantes contra o governo é financiada pelos EUA, denuncia Díaz-Canel, presidente de Cuba

"Há um grupo de pessoas [...] contratadas pelo governo dos EUA, pagas indiretamente através de agências governamentais norte-americanas para organizar este tipo de manifestações", afirmou
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

Alguns dos participantes dos protestos em massa que eclodiram em Cuba são patrocinados pelos EUA para provocar tumultos, disse o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, nesta segunda-feira (12).

Recentemente, o presidente apelou a seus apoiadores para tomarem as ruas, após ter acusado os EUA e os inimigos da Revolução Cubana de tentarem desestabilizar a nação caribenha após protestos em massa.

“Há um grupo de pessoas […] contratadas pelo governo dos EUA, pagas indiretamente através de agências governamentais norte-americanas para organizar este tipo de manifestações”, disse ele aos apoiadores em seu discurso.

Os protestos do domingo (11) foram os maiores tumultos antigovernamentais dos últimos anos em Cuba. Milhares de pessoas se reuniram para expressar seu descontentamento pela, segundo eles acreditam, falta de liberdade e pela degradação da situação econômica no país.

Alguns dos manifestantes demandaram a organização de eleições livres.

"Há um grupo de pessoas [...] contratadas pelo governo dos EUA, pagas indiretamente através de agências governamentais norte-americanas para organizar este tipo de manifestações", afirmou

Minrex.cuba
Miguel Díaz-Canel

Interferência nos assuntos internos, diz MRE russo

O Estado russo reagiu aos tumultos na República de Cuba, condenando a interferência estrangeira nos assuntos internos cubanos.

Conforme comunicado da representante oficial do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, “estamos convictos que as autoridades cubanas estão tomando todas as medidas necessárias para a restauração da ordem pública no interesse dos cidadãos do país no âmbito da Constituição nacional e da legislação interna em vigor”.

“Consideramos inadmissível a interferência do exterior nos assuntos internos de um Estado soberano e quaisquer outras ações destrutivas que favoreçam a desestabilização da situação na Ilha”, diz o texto.

Os protestos tiveram lugar em oito cidades, incluindo a capital do país, Havana. As marchas pró-governamentais e apoiadores comunistas ocorreram em cinco cidades, seguindo o apelo do presidente para agir em resposta. O próprio Díaz-Canel se juntou às marchas no município de San Antonio de los Baños, na capital.

Em uma das cidades houve confrontos entre dois grupos, que começaram jogar pedras uns aos outros. Manifestantes também teriam saqueado uma loja e virado vários carros. Até o momento, não houve relatos de feridos.

Redação Sputnik Brasil


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA