Pesquisar
Pesquisar

Patrus Ananias | Medida perversa: privatizar Eletrobras é um ataque à soberania nacional

"Não podemos condicionar o abastecimento de água e a luz que ilumina as nossas vidas a uma mera questão de lucro, é uma questão de política pública"
Patrus Ananias
Diálogos do Sul
Belo Horizonte

Tradução:

Há 64 anos, completados em 28 de fevereiro, a Usina Hidrelétrica de Furnas foi criada. Construída no rio Grande, nos municípios de São José da Barra e São João Batista do Glória, em Minas Gerais, o nome da primeira usina foi adotado pelo sistema e hoje a gigante Furnas Centrais Elétricas está presente em 16 unidades federativas – 15 estados e o Distrito Federal.

Resultado do trabalho de pelo menos duas gerações de homens e mulheres, trabalhadores, técnicos, engenheiros e gestores, Furnas integra o Sistema Eletrobras, recentemente objeto da Medida Provisória 1031/2021. Esta proposta governamental é mais um ataque à soberania nacional.

Privatizar a Eletrobras é privatizar a nossa energia elétrica. É privatizar a luz que ilumina a sua, as nossas casas; a luz que ilumina as nossas escolas, hospitais, postos de saúde, que ilumina as praças, os parques, avenidas e ruas das nossas cidades.

Privatizar a Eletrobras é privatizar as nossas águas, porque a maior parte da nossa energia elétrica vem das águas, são hidroelétricas. A água é um bem essencial à vida. Então, é uma medida perversa, que incide diretamente sobre a sua, sobre as nossas vidas.

"Não podemos condicionar o abastecimento de água e a luz que ilumina as nossas vidas a uma mera questão de lucro, é uma questão de política pública"

Agência Brasil
A dupla Bolsonaro-Guedes promove a terceira tentativa de privatização da estatal

Insistência

É a terceira vez, em cinco anos, que tentam aprovar no Congresso Nacional a privatização da Eletrobras. Em 2017, Temer deu início com projeto de lei, não aprovado. Em 2019, Bolsonaro enviou o PL 5.877, proposta que ainda aguarda despacho do presidente da Câmara dos Deputados. E agora, no dia 24 de janeiro, o governo federal editou a Medida Provisória 1031.

É a terceira vez, em cinco anos, que tentam aprovar no Congresso Nacional a privatização da Eletrobras.

Muitas pessoas defendem o setor privado, eu também considero a sua importância em muitas áreas, mas nós não podemos esquecer que o setor privado busca prioritariamente o lucro, o ganho. E nós não podemos condicionar a luz que ilumina as nossas vidas a uma mera questão de lucro, é uma questão de política pública.

Por isso eu quero pedir às pessoas que estejam atentas a essa medida provisória. Nós conseguimos derrotar no governo Temer uma iniciativa igual a essa. Precisamos agora, juntos, derrotar de novo essa medida provisória.

A importância da Cemig

Eu nasci mais ou menos junto com a Cemig – Centrais Elétricas de Minas Gerais. Cresci na roça, sem água encanada e sem luz elétrica, nos anos 1950, quando o então governador de Minas Gerais, Juscelino Kubitschek, iniciava a implantação da Cemig.

Muitos anos depois, tive a oportunidade de fazer uma longa viagem aérea pelo estado e pude contemplar a noite iluminada de Minas Gerais. Luz nas cidades, nas fazendas, nos distritos, nas pequenas comunidades. Não teríamos feito isso em Minas Gerais sem a Cemig, apenas com a iniciativa privada buscando lucro.

Nos governos do presidente Lula e da presidente Dilma, com certeza não teríamos o programa Luz para Todos, que iluminou o Brasil, se o sistema elétrico estivesse privatizado.

O setor privado não levaria eletricidade a milhões de pessoas nos mais distantes rincões da nossa pátria. Não abriria mão de seus lucros para investir num projeto de Nação. Até porque o Brasil continua sendo uma espécie de paraíso do capitalismo selvagem.

Agora mesmo, em vez de avançarmos para disciplinar o capitalismo, inclusive submetendo a posse e o uso da terra às superiores exigências do interesse público e do bem comum, estamos privatizando as águas juntamente com o setor elétrico.

Quem detiver o controle das hidrelétricas terá o controle dos nossos rios, inclusive das nascentes.

Por isso, eu considero fundamental que as pessoas comprometidas com a vida, uma vida iluminada e com possibilidades para o presente e para o futuro, reflitam e comecem a agir para nós impedirmos a aprovação dessa medida provisória, que representa um retrocesso enorme na vida do nosso país.

 

Patrus Ananias exerce o terceiro mandato como deputado federal, é secretário-geral da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional, foi ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, no governo Lula, e do Desenvolvimento Agrário, no governo Dilma Rousseff, prefeito e vereador de Belo Horizonte.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Patrus Ananias

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização