Pesquisar
Pesquisar

Pela 30ª vez, Cuba vai à ONU apresentar resolução contra bloqueio dos EUA

Sanções deixam "os EUA em profundo isolamento internacional", destacou o chanceler cubano Rodríguez Parrilla
Cezar Xavier
Portal Vermelho
Brasília (DF)

Tradução:

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez Parrilla, informou em um vídeo postado no Twitter que pela trigésima vez a resolução para acabar com o bloqueio econômico dos EUA será apresentada à Assembleia Geral das Nações Unidas.

Durante os primeiros 14 meses do governo Biden, essa política causou danos a Cuba avaliados em 6.364 milhões de dólares.

Segundo Rodríguez Parrilla, o bloqueio impede o desenvolvimento do país e o priva de rendas que poderiam melhorar o bem-estar dos cubanos.

“O governo daquele país persiste em ignorar as demandas da comunidade internacional e intensificou o bloqueio a níveis sem precedentes”, disse.

O chanceler declarou que o bloqueio “foi uma política fracassada no objetivo de subverter a ordem constitucional em Cuba, mas causa carências, dores e sofrimentos injustificáveis às famílias cubanas, ao limitar o acesso a alimentos, remédios, combustível e outros bens de Primeira necessidade”.

“Sanções alimentam incêndio”, dizem artistas e intelectuais a Biden por fim do bloqueio a Cuba

Da mesma forma, destacou que a designação unilateral e fraudulenta de Cuba como Estado patrocinador do terrorismo fortalece o impacto dissuasivo e intimidador desta política de asfixia econômica, cuja natureza extraterritorial afeta as relações que governos, entidades, bancos e empresários estabelecem com a Ilha e seus cidadãos residentes no exterior.

Sanções deixam "os EUA em profundo isolamento internacional", destacou o chanceler cubano Rodríguez Parrilla

ONU – Flickr
Bruno Parrilla: “O bloqueio causa danos reais e significativos aos direitos humanos dos cubanos. Cuba tem o direito de viver sem bloqueio”

O bloqueio deixa os Estados Unidos em profundo isolamento internacional, gera descrédito e provoca a profunda rejeição dos povos, destacou Rodríguez Parrilla.

“Cuba tem o direito de viver sem bloqueio”, concluiu o ministro.

A apresentação do projeto de resolução contra o bloqueio será entre os dias 2 e 3 de novembro.

Cuba ratificará seu compromisso com a paz e o multilateralismo na próxima semana durante o Segmento de Alto Nível do Debate Geral do 77º Período Ordinário de Sessões da Assembleia Geral das Nações Unidas.

O Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, especificou em sua conta no Twitter que este encontro mostrará mais uma vez “o desejo de alcançar uma ordem internacional mais democrática, justa e equitativa, baseada no pleno respeito à Carta das Nações Unidas e Lei internacional”.

EUA se articulam para barrar Cuba, Venezuela e Nicarágua da Assembleia Geral da ONU

Recentemente, o chanceler cubano afirmou naquela rede social que a Assembleia Geral voltará a considerar o projeto de resolução que pede o fim do bloqueio dos Estados Unidos contra a maior das Antilhas.

“O bloqueio causa danos reais e significativos aos direitos humanos dos cubanos. Cuba tem o direito de viver sem bloqueio”, reafirmou.

Cezar Xavier | Portal Vermelho
Com informações da Prensa Latina


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Cezar Xavier

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri