Pesquisar
Pesquisar

Pepe Escobar: Enquanto pregavam liberdade, EUA armavam jihadistas no Afeganistão

O Império armou os jihadistas com mísseis para derrubar helicópteros e destruir tanques soviéticos
Pepe Escobar
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Os rostos mostram cansaço: não sugerem vingança. Mostram humildade e até comiseração, piedade – imagem espelhada do quadro, na parede, de um clérigo abençoando um guerreiro.

Têm NADA a ver com 11/9 de há quase 20 anos. Mas foram humilhados e re-humilhados, vezes sem conta, pelos estrangeiros invasores. Agora, conseguiram. Derrotaram os invasores – e os colaboradores. Eles derrotaram o Império.

Prestem atenção à História.

No final dos anos 1970s, o Império – via Brzezinski – inventou uma jihad islâmica que derrubou um governo afegão de pensamento socialista e derrotou a URSS, que tentava resgatar aquele governo.

O Império armou os jihadistas com mísseis para derrubar helicópteros e destruir tanques soviéticos. 

O Império financiou os jihadistas, porque o governo pró-URSS, dentre outras coisas, permitia que as mulheres afegãs frequentassem a universidade.

Assim sendo, não me venham com esse lixo woke [1] sobre o destino das mulheres no Afeganistão. Sei o que era Cabul em 1977 (a universidade era então a 12ª melhor do mundo) quando tentei chegar até lá por terra, saído de Londres (terminei na fronteira turco-iraniana, mas essa é outra história).

O Império armou os jihadistas com mísseis para derrubar helicópteros e destruir tanques soviéticos

Reprodução
Os rostos mostram cansaço: não sugerem vingança. Mostram humildade e até comiseração, piedade.

O Império INVENTOU al-Qaeda para combater a URSS – e na sequência culpou a al-Qaeda pelo 11/9 (sem qualquer prova de coisa alguma).

O bombardeio e a invasão do Afeganistão foram decididos MUITO ANTES do 11/9. E foram encenados para desviar todas as atenções e impedir qualquer investigação REAL dos eventos do 11/9.

Desde o final dos anos 1990s, trabalho sem parar para documentar todo esse processo. Viajei por todo o Paquistão, pelas áreas tribais e pelo Afeganistão. Escrevi incontáveis ensaios, incluídos em muitos dos meus livros.

Sobre o tema:
Talibã foi patrocinado pela CIA na Guerra Fria e hoje tomou poder no Afeganistão

A volta do cipó de aroeira sobre o lombo de quem mandou bater é foda. Quase 20 anos depois do 11/9 prevalece o Ouroboro – a cobra que come o próprio rabo. O Imperador está nu.*******

[1] Woke é palavra sem tradução ao português e, de fato, sem tradução ‘automática’ para uma infinidade de línguas, sempre incluindo a ‘arapuca’ do falso cognato, nesse caso cognato ideológico (além de falso). Pode ser semitraduzida como o particípio passado do verbo (ing.) to wake; em port. “despertar”, com particípio passado “desperto”, “acordado”. Com alguma irresponsável e pirada licença poética, tem sido traduzida como “movimento dos [únicos] que sabem” ou “movimento dos [únicos] que veem”. Nesse sentido, porque dá nome a um movimento que reivindica para si uma alardeada única ‘certeza’ e superior ‘verdade’ – que apaga e faz esquecer a luta de classes –, “woke” é expressão fascistizante, e os movimentos “woke” são movimentos de fascistização [NTs].


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Pepe Escobar Pepe Escobar é um jornalista investigativo independente brasileiro, especialista em análises geopolíticas e Oriente Médio.

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA