Pesquisar
Pesquisar
Foto: Révolution Permanente

Perseguição: polícia da França acusa ativistas pró-palestina de terrorismo

Ação é parte de uma campanha repressiva contra o movimento palestino no país; dois membros do Révolution Permanente receberam intimações
Redação Esquerda Diário
Esquerda Diário
Buenos Aires

Tradução:

Carolina Ferreira

Os governos imperialistas continuam a reprimir o movimento internacional pela Palestina e a França não é excepção. Dois membros da Révolution Permanente (RP), que faz parte da Rede Internacional La Izquierda Diario em França, receberam intimação para serem interrogados pela GLAT, uma unidade de polícia judiciária “antiterrorista”. A polícia diz que isto faz parte de uma investigação sobre comentários supostamente feitos online desde 7 de outubro que “glorificam o terrorismo”. Um dos dois é Anasse Kazib , um trabalhador ferroviário de ascendência marroquina que durante anos foi uma figura pública e porta-voz das relações públicas.

O Estado francês dedicou-se a reprimir qualquer tipo de apoio à causa palestiniana, proibindo manifestações e reuniões e ameaçando dissolver numerosas organizações. 7 meses após o início do genocídio em Gaza, e numa altura em que a ONG Save the Children aponta que 350 mil crianças com menos de 5 anos correm perigo de morte em consequência da crise humanitária causada pelo exército israelita, a prioridade do governo continua a ser a mesma: criminalizar os apoiantes da Palestina para os silenciar.

Para conseguir isso, a acusação de “apologia ao terrorismo” tornou-se uma ferramenta essencial. Partidos políticos como o France Insoumise e o NPA, secções da CGT e organizações como a Palestina Vaincra, além de numerosos militantes e ativistas, qualquer discurso que não se alinhe com a retórica dos aliados do Estado de Israel pode agora ser punido por este motivo, com penas de até 1 ano de prisão com pena suspensa e inscrição no registo de autores de crimes terroristas (Fijait).

Kazib postou um comunicado nas redes sociais no qual, entre outras coisas, disse:

Isto não nos impedirá de continuar a expressar o nosso apoio ao povo palestiniano e a todos os explorados e oprimidos do planeta. Mais do que nunca, num momento em que se reforçam as tendências para a guerra, só podemos contar com as nossas lutas!

A declaração já está a ser amplamente divulgada e líderes proeminentes da esquerda francesa manifestaram solidariedade com os activistas e denunciaram a repressão no Twitter.

Esta ofensiva contra o direito de expressar uma opinião contrária à do governo francês constitui um grave problema democrático, sublinhado até por instituições como o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Mais recentemente, tenta-se equiparar o apoio ao povo palestiniano ao apoio ao “terrorismo”, ao qual o Estado gostaria de reduzir a luta do povo palestiniano, chegando mesmo a questionar posições que coincidem com as dos especialistas no Oriente Médio ou em instituições internacionais como a ONU.

Este aumento da mão pesada insere-se numa dinâmica mais ampla do Estado francês, que nos últimos anos atacou todos os setores que se opõem às políticas do governo. A luta dos Coletes Amarelos e o movimento contra a reforma das pensões ainda estão frescos nas nossas mentes. Quer se trate do movimento operário, atingido por uma repressão sindical histórica, do movimento ambientalista, das organizações anti-racistas e populares de bairro ou das organizações políticas radicais, a repressão é um sistema, apoiado por um arsenal judicial que foi consideravelmente fortalecido desde 2014.

A repressão da vanguarda ocorre num momento em que os países imperialistas exercem mais pressão sobre Israel para pôr fim à sua ofensiva genocida. Tanto Macron como Biden nos EUA apelaram recentemente a um cessar-fogo imediato. É claro que nenhum destes líderes se preocupa em acabar com a violência, e os Estados Unidos continuam a enviar milhares de milhões de dólares em armas e aviões de combate para ajudar no genocídio. A instabilidade que a ofensiva israelita está a causar aos países imperialistas, juntamente com o movimento que continua a mobilizar a população seis meses depois, é o que motiva os recentes apelos ao cessar-fogo por parte dos líderes imperialistas.

Fazemos eco das palavras de Anasse Kazib na sua declaração:

Embora Macron pretenda entregar alguns pacotes de alimentos a Gaza, ele está a travar aqui uma guerra contra aqueles que denunciam o genocídio do povo palestiniano, apoiando-se num arsenal jurídico autoritário legitimado em nome da “luta antiterrorista”.

Apoiar a causa palestina não é crime. Em nenhum lugar do mundo podemos permitir este tipo de perseguição.

La Izquierda Diario


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Esquerda Diário

LEIA tAMBÉM

Dmitry-Peskov-Russia
Kremlin: Conferência de Zelensky mostrou à Otan que, sem Rússia, sem acordo
gaza-palestina2
“Desaparecimentos forçados”: Israel tortura, mata e amputa membros de reféns palestinos
trump-eua
Campos de concentração e desmonte do Estado: por que "Project 2025" de Trump não preocupa?
narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo