Pesquisar
Pesquisar

Peru: ao entregar riquezas naturais, bandeira da dignidade nacional se converteu em trapo

Viver com dignidade é lutar para que o Peru tenha um governo probo e honrado que encare com sensibilidade os problemas do país
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul Global
Lima

Tradução:

Há 52 anos, em 9 de outubro de 1968, por disposição do Governo Institucional da Força Armada, as unidades da Primeira Região Militar, comandada pelo General Fermín Málaga Prado, ocuparam as jazidas de Brea e Pariñas, arriaram a bandeira dos Estados Unidos que ondulava no único mastro existente no lugar, e em seu lugar içaram o Emblema Pátrio. Foi essa a origem do Dia da Dignidade Nacional.

Este ano a data passou quase inadvertida. Curiosamente houve quem protestasse porque se suspendeu o feriado do dia anterior – o 8 de outubro – mas se calaram diante do esquecimento: o Dia da Dignidade Nacional ficou apenas na lembrança daqueles que valorizaram em toda a sua dimensão aquele episódio da história. 

Viver com dignidade é lutar para que o Peru tenha um governo probo e honrado que encare com sensibilidade os problemas do país

Wikimedia Commons
Dia da Dignidade Nacional ficou apenas na lembrança daqueles que valorizaram em toda a sua dimensão aquele episódio da história.

Certamente a Dignidade não tem que ser dedicada a um dia. O ser humano deve chegar em sua formação a internalizar a dignidade de modo tal que ela seja sua companheira de vida, e não sua ocasional visitante. Viver em dignidade é, sem dúvida, a categoria mais alta à qual pode chegar aquele que se considera cumpridor de seus deveres essenciais. É digno, porque faz dessa virtude uma maneira de se relacionar com a sociedade e com os desafios de sua existência. 

Não obstante, um país deve considerar incompatível com sua dignidade ver machado o seu solo por um estandarte estrangeiro e sem ter a possibilidade de levantar o seu. Trata-se de um fato que fere a soberania do Estado que o abriga e de cujas entranhas saiu ao chegar ao mundo. 

“A Soberania Nacional –disse Augusto César Sandino nos anos vinte do século passado – não se discute. Se defende com as armas na mão”. Pois bem. Cabe recordar que os peruanos aceitamos durante muitos anos que um bandeira de listras e estrelas substituísse o pavilhão nacional em nosso próprio solo. E foi preciso que um militar – Juan Velasco Alvarado- honrasse as palavras de Sandino e dispusesse o uso das armas para colocar a bandeira pátria no lugar que lhe correspondia. 

Os peruanos da época nunca deixaram de recordar a data; mas, na medida em que foram depondo as bandeiras revolucionárias, e o lugar delas foi gradualmente ocupado pela ignomínia, foi se apagando da memória de alguns a lembrança desse acontecimento da história. 

Com o “retorno do poder à civilidade” e mais precisamente com a restauração do poder oligárquico, a Dignidade Nacional foi sendo relegada. Chegaram em troca, os “cabos loiros”, porta-vozes do capital financeiro, que convenceram os administradores ocasionais do poder, que o patriótico e digno era entregar nossos recursos às empresas estrangeiras, a aplicação de nossa política financeira ao Fundo Monetário Internacional, e a supervisão de nossos recursos ao Banco Mundial. A bandeira da dignidade nacional, ficou convertida em um trapo.

Ainda é possível restaurá-la e colocá-la novamente no pedestal de onde nunca devia ter saído. Mas isso passa por voltar o olhar ao passado, mirar um pouco para trás e recuperar o sentimento nacional que invadira a alma dos peruanos naquele outubro inolvidável. 

Viver com dignidade, agora, é defender os recursos naturais, combater para que eles sirvam ao país e aos peruanos, e não sejam usufruídos por empresas estrangeiras que esgotam nosso solo e levam embora as ingentes riquezas nacionais.

Viver com dignidade é recuperar a capacidade de decidir nossas políticas sem supervisores de fora, nem organismos estrangeiros que nos ditem programas econômicos e medidas financeiras incompatíveis com os requerimentos essenciais da população. 

Viver com dignidade é reivindicar o trabalho como fonte de riqueza e eliminar a especulação financeira, a lavagem de dinheiro, a corrupção galopante e os negócios ilícitos que a classe dominante procura perpetuar no país. 

Viver com dignidade é aplicar uma política exterior independente e soberana, que não receba instruções do Departamento de Estados dos Estados Unidos que opera como um gigantesco regente de orquestra em nosso continente para golpear povos irmãos e processos libertadores legítimos e autônomos. 

Viver com dignidade é converter a solidariedade e a justiça em elos fundamentais de uma política de desenvolvimento compatível com os grandes interesses do Peru.

Viver com dignidade é lutar para que o Peru tenha um governo probo e honrado que encare com sensibilidade os problemas do país.

Viver com dignidade, em suma, é recolher a mensagem de José Carlos Mariátegui e a bandeira de luta de Juan Velasco Alvarado e dos trabalhadores. E enfrentar a tarefa de construir um Novo Peru em um Mundo Novo.

*Colaborador de Diálogos do Sul de Lima, Peru.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
GSsXOjIXgAA0ChY
Gustavo Petro assina reforma da previdência para melhorar condições dos idosos na Colômbia
000_346Y7KJ
Eleição na Venezuela: chavismo aposta na mobilização social; oposição se anima com pesquisas eleitorais
20140517por-ramiro-furquim-6030
O que explica a baixa participação nas eleições primárias no Uruguai?