Pesquisar
Pesquisar

Peru: golpe reacionário se consolida, ultradireita comemora e quem paga é o povo peruano

O agora ex-presidente pensou que, apoiando-se em pessoas que pudessem “assustar” seus inimigos, poderia neutralizá-los, e isso não ocorreu
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul
Lima

Tradução:

Esta quarta-feira (7) foi um dia particularmente complicado no Peru. Em poucas horas, a ultradireita alcançou parcialmente sua intenção: derrubar o governo de Pedro Castillo e abrir passagem a um novo cenário na vida nacional, no qual pode preservar seus privilégios e recuperar suas posições de poder, de alguma maneira questionadas pelo regime instaurado a partir de 28 de julho do ano passado.

Após algumas horas de tensão, se instalou na chefia do Estado Dina Boluarte, a vice-presidenta da República que formulou um apelo à “unidade de todos os peruanos”. 

Este desenlace foi de alguma maneira inesperado. E se precipitou porque o próprio Castillo deu o que bem se poderia denominar um salto ao vazio. Sem coordenação com ninguém, sem conquistar o respaldo das organizações sociais e de massas, sem contar com o apoio das Forças Armadas nem dos coletivos políticos de posições progressistas e avançadas, resolveu instaurar um Governo de Emergência dissolvendo os outros Poderes do Estado. 

Isto surpreendeu à cidadania e ao movimento popular em seu conjunto, e foi respondido pelos setores mais reacionários da vida nacional. 

O Congresso da República, que devia discutir ontem a vacância da Presidência da República, para cujo efeito não conseguia contar com os 87 votos requeridos, viu facilitada sua tarefa. No novo cenário, somaram-se à proposta 101 congressistas, com só 6 votos contra e 9 abstenções.

O agora ex-presidente pensou que, apoiando-se em pessoas que pudessem “assustar” seus inimigos, poderia neutralizá-los, e isso não ocorreu

Reprodução/Twitter
Castillo é mostra de que não é possível liderar um processo de mudanças sem forjar a unidade do movimento popular

Existia a possibilidade de que a reação pressionasse Dina Boluarte a renunciar ao seu cargo de Vice-Presidenta, em cujo caso o poder passaria de imediato ao Presidente do Congresso, o ex-general José Williams Zapata. Esta pressão não existiu e, em algumas horas, à tarde, se produziu o juramento da primeira mulher que exercerá a Presidência da República. 

Dina Boluarte formulou um apelo à “unidade nacional”, entendida como a soma de todas as forças políticas atuantes no cenário peruano. Veremos qual será a composição de seu primeiro Gabinete Ministerial.

Por ora, a ultradireita peruana cantou vitória. É evidente que conseguiu se livrar de um mandatário que detestava e que queria derrubar desde o início da sua gestão. Não conseguiu, no entanto, impor-se plenamente. Embora Dina Boluarte não seja tampouco “militante da esquerda”, não se pode equipará-la a Jannine Añez, a boliviana que substituiu Evo Morales em La Paz. 

Não é previsível, no entanto, que siga o roteiro de Castillo, nem que se empenhe em nenhuma batalha de corte popular. Tratará de “seguir sobre a onda” até 2026 procurando não ser devorada pela máfia à espreita. 

Deste cúmulo de circunstâncias, podem-se deduzir algumas lições. Vejamos:  

Castillo representou um governo popular, democrático e progressista. Não se podia considerá-lo, por certo, nem de esquerda, nem revolucionário, nem socialista. Não era indispensável que a esquerda o apoiasse em termos de adesão pessoal, mas sim que o ajudasse em sua gestão para o cumprimento de seu Programa de Unidade, subscrito por todas as forças do movimento popular, que lhe deram a vitória em junho de 2021. 

Liderou um governo débil, precário e em boa medida inconsistente. Na verdade, não conseguiu governar desde o primeiro dia, se vendo assediado por uma intensa campanha de ódio desatada contra ele pelos núcleos oligárquicos tradicionais. Não contou nunca com a colaboração real da esquerda – à qual buscou muito pouco – e se rodeou de um grupo de “assessores” muito discutível que finalmente ficou em evidência por sua inépcia e sua corrupção. Pelas ações deles, viu-se severamente comprometido. 

Aleatoriamente, Castillo reagiu tardiamente ante a campanha do inimigo. Ao fazê-lo, optou pela via do “tratamento direto” entre eles e as populações do interior do país, obviando vínculos naturais criados pelo próprio movimento popular. Além disso, seus “colaboradores” agiram à margem das massas porque não procediam tampouco das entranhas do povo. 

Por isso não pôde perceber a situação real, nem perceber seu isolamento político. Pensou que apoiando-se em pessoas que pudessem “assustar” seus inimigos, poderia neutralizá-los, e isso não ocorreu. 

Deste modo, se confirmou que não é possível liderar um processo de mudanças sem forjar a unidade do movimento popular, sem organizar as massas nem as politizar. Tampouco, dando as costas às suas lutas.

O futuro do país está em risco. No interior, sem dúvida, se produzirão mobilizações em respaldo ao presidente deposto. O medo em relação a eles foi o que induziu a reação ultradireitista a não assumir diretamente o poder, mas sim aceitar como “mediadora” Dina Boluarte. Mas ela não tem tampouco partido, nem força organizada que a respalde. É previsível que tenha maiores dificuldades ainda que Castillo. 

Da nova administração, é previsível que se registrem mudanças negativas. Os meios de comunicação, que clamavam por estar à beira da falência ao não receber subsídios do Estado, conseguirão suculentas compensações. E isso ocorrerá também com os empresários. Mas uns e outros não mudarão sua atitude. Seguirão na briga contra o povo, de modo que são previstas dificuldades maiores no curto prazo. 

Em matéria de política exterior, isto também se fará sentir. É previsível um “esfriamento” dos vínculos com alguns países irmãos, sobretudo México, Venezuela, Nicarágua, ou inclusive Cuba, porque a ultradireita seguirá sua campanha contra eles. 

Em outras palavras, a batalha dos peruanos será mais dura e difícil, mas terá que enfrentá-la.

Gustavo Espinoza M. | Colaborador da Diálogos do Sul em Lima, Peru.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia