Pesquisar
Pesquisar

Pesquisas de opinião na Espanha preveem vitória da direita nas eleições regionais de Madri nesta terça

A maioria das pesquisas de opinião vaticinam que estas eleições serão das mais previsíveis dos últimos anos
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

A Comunidade de Madri, uma das 17 autonomias que integram o Estado espanhol e talvez a mais importante por sua influência política, econômica e comercial, viverá amanhã uma de suas eleições mais tensas e disputadas de sua história. 

Apesar de todas as pesquisas de opinião apontarem uma vitória da direita, a eleição se converteu, por um lado, uma espécie de referendo à gestão do governo central à pandemia da Covid-19 e, por outro, uma emenda à atuação da direita na longa e polêmica forma de gerir os serviços públicos na região, de maneira específica na saúde. 

A atual presidenta da Comunidade de Madri e candidata do direitista Partido Popular (PP), Isabel Díaz Ayuso, precipitou o adiantamento eleitoral; uma moção de censura inesperada em Murcia, impulsionada pelo Partido Socialista Obrero Espanhol (PSOE) e Ciudadanos – até então sócio preferencial do PP em Murcia e Madri. 

A maioria das pesquisas de opinião vaticinam que estas eleições serão das mais previsíveis dos últimos anos

David Mudarra
As encruzilhadas e as respostas às eleições madrilenhas se resolverão na próxima terça-feira.

As eleições antecipadas também precipitaram alguns movimentos estratégicos nos partidos: o PP manteve íntegro seu cartel, liderado por Ayuso e os conselheiros de seu governo; o PSOE decidiu converter as eleições autonômicas em uma questão nacional, na qual o próprio Pedro Sánchez manteve um papel protagônico; em Ciudadanos houve uma limpeza radical das caras visíveis, que não evitará o naufrágio da formação de centro-direita; Más Madrid, um partido de esquerda criado de uma cisão de Unidas Podemos (UP), confirmou-se como a grande alternativa da esquerda, mas ainda longe de colher aos apoios necessários para liderar o bloco. 

A extrema-direita de Vox manteve sua líder na região, Rocio Monasterio, com seu discurso incendiário contra a migração e a esquerda. Por último, Podemos viveu sua própria convulsão, primeiro com o inesperado anúncio de seu líder, Pablo Iglesias, que renunciou à vice-presidência do governo central para se converter em candidato à comunidade autônoma e fechar a passagem à “extrema-direita”, e depois com o fracasso de sua iniciativa de criar um bloco unitário de esquerda para fazer frente ao PP. 

A maioria das pesquisas de opinião vaticinam que estas eleições serão das mais previsíveis dos últimos anos. Triunfará a direita e além disso o PP poderia somar mais cadeiras que todo o bloco de esquerda e duplicará seus atuais deputados- de 30 a 60 ou mais – com o que se aproximará da maioria absoluta; o PSOE passará de primeira a segunda força e poderia perder entre sete e dez cadeiras, chegando inclusive a perder sua hegemonia no bloco da esquerda; Más Madrid, a formação de esquerda que mais ilusão desperta, graças em grande parte à sua candidata, Monica García, uma sanitária carismática e comprometida; Vox manterá e inclusive somará algumas cadeiras aos seus atuais doze deputados. 

Os dois perdedores serão Ciudadanos, que está à beira do desaparecimento na região; e UP e seu líder Pablo Iglesias, que obterá o último lugar. As encruzilhadas e as respostas às eleições madrilenhas se resolverão na próxima terça-feira.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu