Pesquisar
Pesquisar

Petição busca impedir que governo investigue vítimas de estupro que procurem aborto

"Manual" do Ministério da Saúde, a ser discutido nesta terça (28), se soma a recentes episódios no Brasil contra meninas e mulheres vítimas de estupro
Denise Assis
Brasil 247
Brasília (DF)

Tradução:

1 | A impossibilidade de comentar sobre o agressor, que era próximo. A primeira violência. 

2 | Lidar, sem entender, com a transformação do próprio corpo. A segunda violência. 

3 | Ter de enfrentar a descoberta da família que, certamente, num primeiro momento, duvidou de sua versão. A terceira violência. 

4 | A decepção de ter o direito legal negado pelo hospital e pelo médico. A quarta violência. 

5 | Ser separada da mãe, num momento crucial de sua vida. A quinta violência. 

6 | Enfrentar uma juíza fascista e ardilosa, que demonstrou querer quebrar suas parcas e frágeis convicções, se é que nesta idade ela tinha alguma, no fundo do seu sofrimento. A sexta violência.

7 | Ter a vida devassada e exposta. A sétima violência. 

8 | Chegar ao hospital para, enfim, se submeter à cirurgia de retirada do feto. A oitava violência.

9 | Ir para casa e encarar o mesmo ambiente que a mutilou psicologicamente. A nona violência. 

10 | Ter de se entender consigo mesma, a partir de um corpo devassado e em mutação. A décima violência.

Tudo na vida dessa garota foi chacoalhado, revirado e invadido. O que vai brotar daí por diante é a pergunta que devemos nos fazer. Esse decálogo percorrido por ela é o roteiro de muitas, que não ganham espaço e têm o futuro corrompido pela brutalidade dessa dor.

"Manual" do Ministério da Saúde, a ser discutido nesta terça (28), se soma a recentes episódios no Brasil contra meninas e mulheres vítimas de estupro

Brasil 247
Assine o protesto "Cuidem das nossas meninas", pela revogação do manual do Ministério da Saúde sobre aborto

Em resposta, o Ministério da Saúde, do seu Queiroga, que quer eleger o Queiroguinha, divulgou um “manual”, que é a continuidade dessa violência. Os movimentos de mulheres estão conclamando a que entrem lá e protestem: “Não vamos aguentar mais um pouquinho”. Segue a versão do “manual” com o link para vocês se manifestarem também.

Para assinar o protesto “Cuidem das nossas meninas”, pela revogação do manual do Ministério da Saúde sobre aborto, clique aqui.

Denise Assis, Brasil 247


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Denise Assis

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza