Pesquisar
Pesquisar

Petro: Crise na Venezuela é resultado das sanções dos EUA com a ajuda de Iván Duque

Em pronunciamento inédito, Petro destaca necessidade de paz e democracia na Venezuela, enquanto Colômbia acolhe milhões de migrantes venezuelanos
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

Quando já se descartava que o presidente Gustavo Petro (2022-) fosse se pronunciar sobre os recentes acontecimentos políticos da Venezuela, o chefe de Estado colombiano exortou que se levante o bloqueio econômico dos Estados Unidos contra o país vizinho e instou Caracas a desenvolver “eleições livres”.

Após semanas de queixas e reclamações de porta-vozes das forças tradicionais exigindo que Petro falasse sobre a inabilitação de Maria Corina Machado como candidata presidencial, assim como sobre a detenção da ativista Rocío San Miguel, o presidente publicou uma extensa mensagem em sua conta no X referindo-se a esses temas.

“O que causou a migração de milhares de venezuelanos chama-se bloqueio econômico e um governo colombiano ajudou a fazê-lo, o que se converteu em um verdadeiro bumerangue. Bloquearam a venda internacional de petróleo e disso vivia a Venezuela”, comentou Petro em uma análise da história recente do país com o qual a Colômbia compartilha 2.219 quilômetros de fronteira e vários séculos de história.

O chefe de Estado definiu com crueza o drama humanitário da massiva migração venezuelana: “Suas mulheres e jovens foram humilhados em nossos países e agora os migrantes marcham aos milhões para os Estados Unidos. A política profundamente equivocada de Duque e Trump criou um novo ator da violência que hoje explode em todas as sociedades da América”.

Continua após a imagem

Em pronunciamento inédito, Petro destaca necessidade de paz e democracia na Venezuela, enquanto Colômbia acolhe milhões de migrantes venezuelanos

Flickr/Fórum Mundial de Economia/Jakob Polacsek
Com medida do Governo Petro, universidades públicas da Colômbia vão acolher gratuitamente os jovens venezuelanos

Segundo Petro, a Colômbia – com 2,8 milhões migrantes em seu território – é o país mais interessado em que a Venezuela viva em paz, em democracia profunda e volte a ter bem-estar, e para isso “deve-se levantar o bloqueio e haver eleições livres”.

O primeiro pronunciamento do presidente colombiano sobre o panorama eleitoral da Venezuela – hoje sob os refletores da comunidade internacional – foi complementado com o anúncio de que as universidades públicas do país acolherão gratuitamente os jovens venezuelanos, oxalá com ajuda financeira – disse – “do governo dos Estados Unidos”.

Apesar das reclamações de porta-vozes de partidos de oposição pelo silêncio de Petro, frente ao agitado clima político do vizinho, terem ocupado a agenda informativa durante vários dias, o pronunciamento do presidente da Colômbia não gerou comentários nos meios de comunicação nem nas redes sociais.

Jaime Rueda, acadêmico e especialista em temas latino-americanos, contrastou o pronunciamento de Petro com o de outros presidentes e líderes de esquerda da região: “Muitos se apressaram a condenar o governo bolivariano e até chamaram Maduro de ditador, mas o único que deu algo de contexto ao que acontece na Venezuela foi o mandatário colombiano”, comentou ao La Jornada.

Rueda lembrou ainda que, exceto durante os meses da campanha presidencial em que várias vezes tomou distância da revolução bolivariana e de Maduro, Petro tem uma longa história de vínculos com o chavismo, o que se reflete nas fluidas relações bilaterais da atualidade “com uma notória reativação do comércio e da cooperação em numerosas áreas”.

No ano e meio que leva na Casa de Nariño, o presidente da Colômbia se reuniu quatro vezes com seu homólogo venezuelano, e delegações de alto nível de ambos os países vão e vêm entre Caracas e Bogotá, onde as embaixadas foram reabertas há mais de um ano, após permanecerem fechadas em quase todos os quatro anos do governo de Iván Duque.

Jorge Enrique Botero | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

Daniel_Noboa_Colombia
Até 13 anos de prisão: oposição articula ação contra Noboa por invasão à embaixada
Petro_Maduro_Colombia_Venezuela 2
Encontro entre Petro e Maduro reafirma solidez dos laços entre Colômbia e Venezuela
Russia_Armenia
Rússia alerta Armênia: Não permitam que o Ocidente os engane e leve o país ao caminho errado
Jorge_Glas-Daniel_Noboa (3)
Ordem de invadir embaixada do México partiu de Noboa; Glas corre risco de vida, afirma defesa