Pesquisar
Pesquisar

Petrobras: Com diesel a preço recorde, governo eleva lucro a acionistas às custas do povo

Atual política de preços da companhia, baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI), sobe custos aos patamares do mercado internacional
Redação Brasil 247
Brasil 247
Brasília (DF)

Tradução:

Como consequência direta da ineficiência do governo Jair Bolsonaro (PL), que insiste em manter a dolarização do preço dos combustíveis no Brasil por meio da atual política de preços da Petrobras, o litro do diesel comum (S-500) é vendido a R$ 8 ou mais em 23 estados do país, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados pela CNN Brasil

Assista na TV Diálogos do Sul

Rio de Janeiro e São Paulo têm o combustível mais barato, com o litro do diesel sendo encontrado a R$ 6,29. O Rio Grande do Sul aparece em terceiro lugar, onde o produto é vendido a R$ 6,39.

Por outro lado, no Acre o preço é R$ 8,95, no Mato Grosso R$ 8,91 e em Minas Gerais R$ 8,8

Atual política de preços da companhia, baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI), sobe custos aos patamares do mercado internacional

FotoMontagem Brasil 247
Bolsonaro e greve dos caminhoneiros em maio de 2018

Gasolina

Os estados que vendem o litro da gasolina mais caro são São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. Para os paulistas, o litro do combustível é vendido a R$ 8,89, no Rio de Janeiro a R$ 8,69 e na Bahia, onde a principal refinaria foi privatizada, a R$ 8,54.

Em São Paulo, porém, segundo o levantamento, também foi possível encontrar a gasolina mais barata do país: R$ 5,99 por litro. Na sequência aparecem Mato Grosso (R$ 6,30) e Amapá (R$ 6,40). 


Política de preços da Petrobrás

A atual política de preços da companhia, baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI), eleva o custo dos combustíveis no Brasil aos patamares do mercado internacional. Vendendo seus produtos a preços internacionais e mantendo o mesmo nível de despesas, a Petrobrás atinge lucros exorbitantes às custas dos consumidores brasileiros.

Assim, a renda da população é sugada pela empresa, que repassa seu lucro a acionistas minoritários.

Redação Brasil 247


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Brasil 247

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos