Pesquisar
Pesquisar

Piñera nunca pediu desculpas a manifestantes cegos por ação da polícia, denuncia mãe de vítima

"No Chile, a justiça não funciona de forma justa, pelo contrário, temos colegas presos políticos durante dois anos sem provas", diz Marta Valdés
Camilo Godoy Pichón
Diálogos do Sul
Santiago

Tradução:

Marta Valdés é porta-voz da Coordenadoria de vítimas e parentes de Trauma ocular, além de mãe de uma das quase 500 pessoas que tiveram trauma ocular devido à violência policial durante a rebelião de outubro de 2019 no Chile.  

Seu filho foi, segundo suas palavras, “um dos primeiros feridos”, em 27 de outubro de 2019. Como ela lembra, “naquele mometo, o assunto começou a aparecer um pouco na mídia porque eles estavam começando a postar fotos com seus rostos”.

Foi lá que ele decidiu mobilizar a verdade e a justiça, conhecendo a situação das vítimas em geral e em particular de seu filho. 

Depois disso, as demandas foram levadas ao atual Presidente, Sebastián Piñera, e apoiadas pela Comissão Chilena de Direitos Humanos em reuniões com o poder legislativo para aumentar a conscientização sobre a questão e exigir justiça, bem como o apoio para combater a batalha na arena jurídica internacional. 

Em resposta, receberam pouco mais do que a implementação do Programa Abrangente de Reparação Ocular (PIRO), um programa gerido durante a administração do antigo Ministro da Saúde Jaime Mañalich, e que não contou com a participação das vítimas em sua formulação. 

"No Chile, a justiça não funciona de forma justa, pelo contrário, temos colegas presos políticos durante dois anos sem provas", diz Marta Valdés

Coordinadora de Víctimas de Traumas Oculares
Manifestação da Coordenadoria de vítimas e parentes de Trauma ocular

Esta entrevista foi realizada no final de dezembro de 2021, como forma de tornar visível a situação atual das vítimas e suas famílias. 

Camilo Godoy Pichón: Em primeiro lugar, gostaria de perguntar o que você diria que e a situação atual das vítimas de trauma ocular, dois anos após a revolta no Chile? 

Marta Valdés: Penso que existe uma situação de grande raiva, de impotência por ver que o Estado que os prejudicou, os deixou abandonados. A raiva de não poder continuar com suas vidas normais e para a maioria das vítimas , a o [que fica] é o abandono e a impunidade. 

Nesse sentido, imagino que a situação possa cair pesadamente sobre as famílias… 

Sim, porque muitas vezes as famílias não têm as ferramentas emocionais nem sabem o que fazer. O fato de termos tido o suicídio de Patricio Pardo, uma das vítimas de trauma ocular também demonstra o abandono. 

O nosso colega acabou desmoronando e, com a pouca esperança de que a situação mudaria, talvez tenha decidido tomar essa decisão.  

E bem, temos levantado esta questão da necessidade da verdade e da justiça desde 2019.  E não houve verdade ou justiça, e isso gera e acumula ódio. 

Assista na Tv Diálogos do Sul

Houve alguma melhoria sobre o Programa Abrangente de Reparação Ocular (PIRO) projetado pelo governo? 

O programa é precário, sem profissionais. Um dano deste tipo requer o tratamento do paciente de forma diferente, pois o envolvimento é diferente.  Enviamos muitas cartas ao governo mostrando como deveria ser. Nessas cartas e reuniões, não só mostramos o quão ruim foi o programa, mas o que poderia ser melhorado e eles nunca ouviram. E isso não ficou melhor. 

Tivemos reuniões em 2020 com a Subsecretaria de Direitos Humanos, Lorena Recabarren. Pedimos que os recursos fossem pagos aos camaradas do interior as passagens de ida e volta, que isso fosse contemplado no programa e que eles também tinham um espaço físico para estadia e alimentação. Conseguimos isso, mas muito depois que os danos oculares ocorreram. 

Também queríamos que o programa PIRO fosse mais conhecido e transmiti.  Ouvimos falar do programa, que foi anunciado na imprensa por Jaime Mañalich [antigo Ministro da Saúde]. Mas ele não teve nenhum contato com as vítimas para realizar esse programa e isso é visto na precariedade que isso tem. 

Finalmente, é uma mentira dizer que é um programa de reparo é “abrangente”, porque não há reparo e muito menos abrangência. Essas vítimas não podem ser tratadas da mesma forma que o resto e com tão poucos profissionais também. 

Qual é a situação de saúde mental das vítimas?  E, nesse sentido, como você entende ou interpreta o suicídio de Patricio Pardo, que foi uma das vítimas de trauma ocular, durante este mês? 

Complicado, muito complexo. Imagine que este programa contempla um único psicólogo para mais de 300 vítimas. Por isso, não importa o quão disposto seja um profissional, você não pode fazer um tratamento sério com tanta quantidade e demanda. 

O programa do governo Piñera contempla um único psicólogo para mais de 300 vítimas 

A questão psicológica é importante, mas no final, os problemas surgem um após o outro e eles sempre acabam te ferindo mentalmente.  

O que estou a dizer é que os nossos camaradas foram re-vitimizados com esta saúde digna que temos pedido desde 2019 e que não chegou. 

Repressão no Chile é brutal e criminosa: Tiros nos olhos para não verem o que acontece?

Pensa que a situação das vítimas foi suficientemente aliviada pelo atual mundo político e pela esquerda institucional chilena? 

Olha, tivemos várias reuniões. Estávamos com socialistas, com pessoas do PPD [partido político da centro-esquerda chilena], com pessoas do Partido Comunista. Estávamos em conversações sobre traumas oculares, na verdade estávamos na Câmara dos Deputados e no Senado. 

Felizmente, ninguém pode dizer que não sabia da situação das vítimas, mas onde estamos em´perrados ´é no governo: o Presidente Piñera nunca reconheceu as violações dos direitos humanos e nunca fez o gesto de pedir desculpas às vítimas e às suas famílias. Isso nunca aconteceu. Não houve interesse de melhorar a saúde ou o presente programa. Infelizmente, ficamos apenas em reuniões. 

Como dizia, tivemos reuniões com [o atual Ministro da Saúde] Paris e [a Secretária Assistente dos Direitos Humanos, do governo] Lorena Recharren, mas mais do que qualquer outra coisa, era uma imagem clara: reuniões foram feitas para dar a impressão de que estávamos sendo ouvidos. Mas eles seguiam fazendo fazendo a mesma coisa sem nos ouvir. 

O que você espera do novo governo do Presidente eleito, Gabriel Boric, e que gestos concretos eles mostraram para você? 

Boric ainda não assumiu, então eu me apressaria dizendo algo. Mas pelo menos até agora a avaliação é positiva. Ele ja realizou reuniões com vítimas de trauma ocular e fez compromissos, que mais tarde repetiu em seu discurso. Basicamente, ele se comprometeu com uma política de verdade, justiça e reparação para a não repetição. Por isso, pensamos que deve continuar empenhado. 

Se não for esse o caso e se ele não cumprir, o que duvido, vamos sair às ruas. Nós, se lhe demos apoio, é porque pensamos que poderá fazer algo, e esperamos que assim seja. 

Neoliberal, presidente Piñera é o mais mal avaliado da história latino-americana

Como Coordenadora de vítimas e parentes de Trauma ocular, você teve reuniões ou esteve perto de outras organizações de vítimas da revolta? 

Sim, participamos como Coordenadoria de atividades de presos políticos, [Cristián] Valdebenito  — que foi morto pelas forças policiais durante a revolta. Estamos sempre solidários com os nossos colegas, nas diferentes atividades. Fizemos também com Óscar Pérez, o jovem que foi esmagado por dois veículos policiais, por isso o que queremos, para além do fato de terem sido formadas diferentes coordenadorias, é que todos tenham verdade e justiça.  

O que significa para você uma verdadeira política de verdade, justiça e reparação para as vítimas da revolta? 

Bem, eu — não só eu, mas também meus colegas, porque tivemos este diálogo — e o que queremos é que nossos parceiros possam viver em paz. Aqui temos de punir não só aqueles que atiraram, mas também aqueles que deram as ordens.

Temos de punir não só aqueles que atiraram, mas também aqueles que deram as ordens.  

Então a fórmula é simples: Se você encontrar verdade e justiça, você encontra reparação e não terá mais repetição. Por isso, não podemos fazê-lo de outra forma. 

Mas não podemos fazê-lo como no passado, como foi feito com as vítimas da ditadura, quando só foi feita reparação e, ao mesmo tempo, a impunidade foi mantida , porque isso nada mais é do que abrir caminho para a continuação e a repetição de violações dos direitos humanos no futuro.

Você me disse sua visão do governo de Piñera, mas que percepção tem das forças policiais, Carabineros e suas ações, considerando, por exemplo, que o antigo diretor-Geral da instituição e quem a comandou durante a explosão, Mario Rozas, ainda não pagou as violações dos direitos humanos que ele encorajou ou fez parte? 

Bem, é uma instituição que, não importa quanto seja debatido se pode ou não ser reformada, deve ser reformada… Quero que o carabinero que atirou no meu filho pague, mas também Mario Rozas, que lhes deu total liberdade para fazer o que quisesse. 

Não consigo me aproximar dos carabineros.  E acho que é uma instituição criada para a proteção de todos os chilenos e que eles não estão fazendo isso.  Hoje, acho difícil para as crianças se aproximarem dos Carabineros para ajudá-las, com a crise de credibilidade que têm. 

Dentro da instituição, houve até mesmo roubos e furtos… e a única maneira de recuperar a confiança é que eles tenham uma mudança drástica e profunda.  É super importante a formação dos direitos humanos, porque se não houver, se permite a continuidade.  E esse governo deu a eles o terreno para isso. 

Qual é a sua opinião de que, no nosso país, Fabiola Campillai, tendo perdido os olhos durante a revolta, foi eleita a primeira maioria nacional para o Senado, enquanto Patricio Maturana, o carabinero que a deixou com total cegueira para a vida, ainda não está na prisão? 

Olha, bem, é como o que aconteceu com Gustavo Gatica, outra vítima notável da explosão, que também foi cego e cuja situação tem se dilatado.  Em 27 de dezembro, Fabiola tem uma audiêncicom ele [com Maturana] e esperamos que ele apareça, que o processo não seja estendido, como aconteceu tantas vezes nestes casos. [nota da edição: no momento desta entrevista, o julgamento de Patricio Maturana foi novamente adiado]. 

Porque, enquanto esse governo existir, eles vão continuar protegendo a Policia.  Por isso é complexo… Aqui, a justiça não funciona de forma justa, pelo contrário, temos colegas presos políticos durante dois anos sem provas.  E os carabineros que os atiraram desfrutam de suas vidas normais, e nossos camaradas na revolta que estão na prisão não podem fazer suas vidas normais.

Aqui, a justiça não funciona de forma justa, pelo contrário, temos colegas presos políticos durante dois anos sem provas  

Quando você vai para o campo legal, você vê que eles são acusados de danos à infraestrutura, mas a principal questão é que os Carabineros não danificaram a infraestrutura, mas violaram os direitos humanos. Por isso, aqui parece que a infraestrutura é mais importante do que a vida humana, porque os Carabineros violaram, dispararam e mataram.  

Por isso, esperamos que com este governo [do Boric] as coisas sejam diferentes. Porque também dependemos do que os deputados e os senadores fazem. Basicamente, o que estamos procurando é legislar sobre essas questões, porque a verdade é que há também uma parte muito ignorante e que pensa que se aconteceu isso é porque “algo estavam fazendo” ou “eles pediram”.  

O que você poderia nos dizer ou nos contar sobre aqueles afetados pelo trauma ocular, como lutadores sociais?  O que você viu que eles têm em comum em suas histórias de vida?  Qual é o seu exemplo e o que eles podem nos ensinar na luta por um país verdadeiramente justo e digno no Chile de hoje? 

Olha, eu acredito que as vítimas… o exemplo que elas deixam é muito forte, a coragem que têm e sua a capacidade de seguir em frente.  Quando você fala com elas, ninguém lamenta onde eles estavam ou o que estavam fazendo: eles eram camaradas que estavam se manifestando pacificamente.  

Acho que o melhor exemplo deles é a força que Fabiola e Gustavo têm. Fabiola, tendo se tornado totalmente cega, no entanto, procurou continuar ajudando os outros na política. Gustavo se refugia na música para curar e dar algo aos jovens. Então dão um exemplo temível. Dizem que têm uma enorme raiva, mas o que não têm é o medo. 

Por isso, esta geração não é inibida, não é a geração dos anos 1980, onde era muito mais difícil lutar contra a ditadura, que levou das pessoas a coragem de combater Pinochet, razão pela quial tivemos 17 anos de ditadura. E aqui vi muita coragem nos jovens que estavam na linha da frente, por isso se levantaram, dignificaram e não desistiram do lutaram.

E o exemplo deles é: não importa o que aconteça, mantenha-se em pé. 

Camilo Godoy Pichón, especial para Diálogos do Sul desde Santiago do Chile

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Camilo Godoy Pichón

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei