Pesquisar
Pesquisar

Pobreza e desigualdade põem em risco paz, segurança e objetivos sustentáveis na África

Cada vez é mais improvável que os Estados africanos alcancem metas estabelecidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
África do Sul

Tradução:

A pobreza e a desigualdade existentes provavelmente prejudicarão a prosperidade, a paz e a segurança na África, a menos que os governos apliquem modelos inovadores e participativos, advertiram no última 21 especialistas na Etiópia.

A secretária executiva adjunta e economista chefe da Comissão Econômica para a África das Nações Unidas (ECA, na sigla em inglês), Hanan Morsy, disse que cada vez é mais improvável que os Estados africanos alcancem muitas das metas estabelecidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030.

Assista na TV Diálogos do Sul

Com este prognóstico, a ECA organizou a 55ª Conferência de Ministros Africanos de Finanças, Planejamento e Desenvolvimento Econômico (CoM2023), que de 15 a 21 de março realizou-se na capital etíope com o tema “Fomentar a recuperação e a transformação na África para reduzir as desigualdades e vulnerabilidades”.

O governador do Banco da Maurícia, Harvesh Seegolam, expôs as medidas adotadas por seu país para enfrentar a pandemia da Covid-19 e suas consequências no setor turístico, inclusive a transformação do Banco Central em uma instituição independente.

Potências disputam controle de riquezas da África, enquanto fome se agrava no continente

Informou sobre a introdução de moratórias para apoiar setores específicos, crédito em linha e a criação da Cooperação de Investimentos que operava independentemente do Banco Central e tinha auditorias para garantir que o dinheiro investido beneficiaria esta instituição bancária.

Cada vez é mais improvável que os Estados africanos alcancem metas estabelecidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030

ONU
55ª Conferência de Ministros Africanos de Finanças, Planejamento e Desenvolvimento Econômico (CoM2023)

Por sua vez, o ministro das Finanças etíope, Ahmed Shide, comentou que seu país, como qualquer outro da região, também sofreu os efeitos da crise sanitária, e que a resposta governamental foi uma combinação de políticas fiscais e monetárias.

Shide lembrou o adiamento do pagamento do imposto de renda de pessoa física, a reprogramação de cotas de empréstimos bancários, a concessão de anistia fiscal a diferentes setores, assim como o estímulo à produção local de alimentos, entre outras. Sobre a realidade da República Centroafricana, falou o titular de Finanças, Hervé Ndoba, que comentou o enfrentamento da escassez de combustível e o alto custo do transporte de produtos básicos, principalmente porque é um país sem saída para o mar.

“Para abordar estes desafios, o governo criou um porto seco com armazéns para os importadores e estabeleceu taxas alfandegários para limitar a inflação das importações”, acrescentou.

O secretário executivo interino da ECA, Antonio Pedro, alertou que a África está cada vez mais atrasada em relação a outras regiões do mundo e agora representa a maior parte dos pobres do mundo devido ao aumento da pobreza e das desigualdades.

Devido a este panorama – enfatizou – muitos países da região enfrentam uma redução da renda, uma crescente tensão da dívida e um espaço fiscal restringido, o que limita sua capacidade para responder às crises econômicas. “As associações são chave para abordar os desafíos africanos, concluiu.

Redação | Prensa Latina
Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas