Pesquisar
Pesquisar

Por que armas de fragmentação enviadas pelos EUA à Ucrânia são proibidas por 123 países?

Munição já foi usada por Washington na Guerra do Golfo, com danos o longo prazo drásticos para civis
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Moscou

Tradução:

O jornal The New York Times afirmou recentemente que, ao anunciar a decisão de enviar munições de fragmentação à Ucrânia, o Pentágono assegurou que se trata de uma versão melhorada para minimizar vítimas civis.

No entanto, declarações de funcionários norte-americanos da Defesa indicam o contrário, destacou a mídia.

Um dos representantes do Pentágono, Patrick Ryder, ressaltou que as munições convencionais melhoradas de duplo propósito (DPICM, na sigla em inglês) que Washington vai fornecer a Kiev têm uma taxa de não detonação inferior a 2,35%.

Assista na TV Diálogos do Sul

Por sua vez, o subsecretário do Departamento de Defesa para Assuntos Políticos, Colin Kahl, observou que esta taxa foi obtida e verificada durante “cinco testes exaustivos” realizados pelos militares norte-americanos entre 1998 e 2020.

Outro funcionário da Defesa americana informou que os últimos testes de fogo real relativos à confiabilidade das munições de fragmentação foram do modelo M864 e ocorreram em 2020, no Arizona.

Gastos dos EUA com Ucrânia superam US$ 77 bilhões; mais da metade das armas é extraviada

Este é um projétil de artilharia de 155 milímetros que, ao ser disparado, é capaz de voar até 30 quilômetros até se abrir em pleno voo, espalhando 72 minibombas sobre uma área maior que um campo de futebol.

“Os projéteis enviados a Kiev podem voar mais longe do que as versões anteriores, porém possuem as mesmas granadas, cuja porcentagem de falha é inaceitavelmente alta para o Pentágono“, relatou o NYT.

Continua após o banner

É de salientar que a porcentagem de falha, ou seja, não detonação, significa que essas minibombas permanecerão ativas no local e poderão explodir posteriormente à passagem de civis, inclusive crianças.

Um relatório divulgado em 2002 indica que as munições americanas usadas na guerra do Golfo tiveram uma taxa de não detonação superior a 14%, e apesar de ser um número alto, este pode ser ainda maior, visto que o Pentágono não revela os números reais.

Continua após o banner

Devido ao risco que estas armas representam para os civis, 123 países adotaram em 2008 uma convenção que proíbe a utilização de munições de fragmentação, visto que é estimado que mais da metade das vítimas dessas munições sejam civis.

Redação | Sputnik News


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes