Pesquisar
Pesquisar

Por que política sem mulheres, pretos, jovens e minorias arruína democracias?

Nos fazer acreditar que o mundo político deve ser reservado a poucos contradiz a própria essência do exercício democrático
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Desde a infância nos mantiveram à margem de nosso destino.

Em algum momento de nossa vida nos convenceram das vantagens de nos abstermos da participação política. De fato, nossas sociedades e muitas ao redor do mundo têm mantido as mulheres à margem dessa atividade cívica, a partir da qual se decidem as normas que afetam seu presente e seu destino. Do mesmo modo, se impôs toda classe de obstáculos ao envolvimento dos jovens sob a premissa de sua falta de maturidade, conhecimento ou inteligência suficientes para participar neste exercício tão complexo. 

Nessa sutil manipulação se tenta convencer às novas gerações das supostas vantagens de deixar as decisões mais importantes – como o manejo da coisa pública – aos adultos experientes. Assim é como se conformou uma espécie de cartel político-partidário em mãos de um punhado de indivíduos que se alternam nas cúpulas do poder e os quais, graças à marginalização das maiorias (mulheres e jovens representam mais da metade da população em todos os nossos países latino-americanos) se apoderaram dos mecanismos eleitorais.

Continua após o banner

A Guatemala passou por eleições em 25 de junho e em breve, 20 de agosto, é a vez do Equador. Ambos com um historial político complexo, cheio de retrocessos e ambos, também, com uma população majoritariamente jovem, feminina e com uma ampla presença de povos originários, todos eles desejosos de participar e marcar seu protagonismo. O desafio para estas duas nações ricas em patrimônio e em cultura é romper as estruturas que lhes impedem de avançar para o desenvolvimento sustentável. Essa meta, no entanto, se apresenta obstaculizada pelos elevados índices de desconfiança por parte de uma grande proporção de seus eleitores, o que sem dúvida repercutirá de maneira substancial nos resultados das votações.

Leia também: PEC da Anistia é nova ameaça à participação de negras e negros nos espaços de poder

A estratégia utilizada pelos partidos tradicionais, em ambos os casos, está baseada na premissa de manter a juventude afastada da política, graças a uma educação isenta dos fundamentos teóricos essenciais para compreender suas complexidades. É assim que as grandes massas ignoram – por não terem tido acesso – os textos constitucionais onde se determinam a estrutura e o manejo do Estado. Ignoram, pela mesma excludente razão, as bases ideológicas de seus representantes nas assembleias legislativas. Acreditam, porque assim ensinaram, que a política é uma atividade reservada a alguns poucos, contradizendo desse modo a própria essência da democracia. 

Todo o anterior revela até que ponto o exercício político foi se convertendo em um reduto hermético, blindado contra a enorme força cidadã residente nos grupos mais afetados pelo seu exercício: os setores da infância, juventude e de mulheres, representativos não só da maioria populacional, mas também a chave do desenvolvimento e do bem-estar geral. Neste reduto, alheio às aspirações de seus representados, imperam tanto interesses econômicos das elites como a infiltração de organizações criminosas capazes de torcer, com um golpe de punho, os destinos das nações. A incorporação ativa – começando pelos processos eleitorais – dos grupos marginados, é a única ação capaz de endireitar essas linhas torcidas da política sequestrada. 

A participação ativa de jovens e mulheres pode mudar o curso da História. 

Carolina Vásquez Araya | Colunista na Diálogos do Sul, na Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei