Pesquisar
Pesquisar

Por que vitória de Noboa e tropas dos EUA no Equador são um risco à América Latina?

Chegada [dos soldados] estadunidenses no país visa "criar de novo um enclave que possa permitir sua projeção na região" aponta o acadêmico López Alvarado
Angélica Ferrer
Sputnik Brasil
Cidade do México

Tradução:

No final de setembro passado, o integrante da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Dan Crenshaw, deu a conhecer que, durante sua reunião com o presidente do Equador, Guillermo Lasso, foi assinado um acordo para enviar elementos do Exército para a nação sul-americana.

A informação foi confirmada em 3 de outubro pelo ministro equatoriano de Relações Exteriores e Mobilidade Humana, Gustavo Manrique, que destacou que as Forças Armadas estadunidenses estarão em seu país para combater o tráfico ilícito de combustível, o tráfico de pessoas, a pesca ilegal e o narcotráfico.

Assista na TV Diálogos do Sul

“Não virão instalar suas tropas, e sim para períodos de curta duração; fazem as operações e se retiram (…). As autoridades equatorianas embarcam nos navios estrangeiros para não perder soberania e para que sejam nossas autoridades que tomem as decisões transcendentais que seja preciso na operação”, afirmou o chanceler.

No entanto, esta nova estratégia conjunta de segurança tem outros propósitos, pelo menos para a Casa Branca, observa López Alvarado, acadêmico da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

Equador: sem vitória, Revolução Cidadã agora tem missão de frear neoliberalismo de Noboa

“Há interesse dos Estados Unidos em incursionar de novo na América Latina porque está vendo que, em algumas partes do sul do continente, estão lhes fechando as portas. Por isso, a chegada dos militares dos Estados Unidos ao Equador obedece a uma conjuntura político-eleitoral (…) e, o maior risco, é que [as eleições presidenciais equatorianas] sejam influenciadas pelos interesses de Washington”, explica o especialista.

Para que os planos estadunidenses funcionem, era necessário que a candidata do Movimento Revolução Cidadã (esquerda), Luisa González, obtivesse o segundo lugar na disputa, o que justamente aconteceu neste domingo (15). Luisa é próxima ao ex-mandatário equatoriano de esquerda, Rafael Correa.

Continua após o banner

“A chegada [dos soldados] ao Equador obedece a criar de novo um enclave que possa permitir sua projeção na região, mas para isso, teria que garantir o triunfo do candidato Daniel Noboa [aliança Ação Democrática Nacional, centro-direita], que se opõe à política correísta”, acrescenta López Alvarado.

Chegada [dos soldados] estadunidenses no país visa "criar de novo um enclave que possa permitir sua projeção na região" aponta o acadêmico López Alvarado

Foto: U.S. Navy
Os EUA não mostraram resultados eficientes ao enviar tropas a nações latino-americanas; pelo contrário, alguns problemas recrudesceram




Não é a primeira vez

Esta é a segunda ocasião em que o Equador tem em seu território as forças estadunidenses. O primeiro acordo deste tipo foi assinado em 1999, no mandato de Jamil Mahuad (1998-2000). Naquela época, estabeleceu-se que os elementos ficariam na base da Força Aérea de Manta e que se dedicariam ao combate ao tráfico de drogas.

No entanto, isto foi muito criticado durante a década em que os soldados de Washington estiveram em terra equatoriana, já que se alegaram diversas violações dos direitos humanos e se disse que era uma zona que funcionava como “trampolim” para combater os grupos guerrilheiros na Colômbia, já que faz fronteira com esta nação.

Com Noboa, não existe direito a trabalho, saúde ou educação, alerta sindicalista do Equador

Durante sua campanha à Presidência, o então candidato Rafael Correa declarou que não renovaria o acordo, promessa que cumpriu dois anos depois de assumir o cargo. Para que isto não voltasse a ocorrer, durante seu mandato foi aprovada uma reforma da Constituição equatoriana onde se proíbe a presença de bases estrangeiras no país.

Segundo o diário equatoriano El Universo, depois da saída das tropas estadunidenses, a população percebeu uma diminuição em delitos como homicídios dolosos. Mas, depois das administrações de Correa (2007-2017), a segurança no Equador começou a diminuir e um dos pontos mais complicados cresceu com o mandato de Guillermo Lasso, que começou em 2021, percebendo-se um clima de instabilidade, especialmente durante as campanhas eleitorais deste ano, quando foi assassinado o candidato presidencial do Movimento Constrói, Fernando Villavicencio.

Continua após o banner

“Não se pode perder de vista que este período presidencial presenciou até um magnicídio e que presenciamos uma disputa eleitoral muito completa e cheia de variantes, especialmente na especulação sobre a possível intervenção do correísmo nas novas forças políticas”, afirmou em uma entrevista para Sputnik a professora em diplomacia na Universidade de Norwich, Arlene Ramírez Uresti.

O que ocorreu abre a porta para que Lasso tome esta medida como uma maneira de mostrar um clima de estabilidade dentro e fora da nação latino-americana, com o fim de, por um lado, posicionar o Equador como um país aberto à cooperação internacional e, por outro, buscar atalhos que possam ajudá-lo ou a integrantes do Governo atual ante possíveis acusações ou procedimentos legais contra eles, acrescenta a especialista.

ComunicaSul viaja a Equador e Argentina para reportar eleições. Apoie essa missão

“A forma mais tradicional de [Washington] tutelar a região é por meio de intervenções desta grandeza [com tropas] (…). Caminhando-se para a reta final do mandato de Lasso, este fato pode assegurar que, eventualmente, os Estados Unidos sejam mais amáveis nos possíveis processos ou acusações por várias razões que o presidente do Equador poderia enfrentar”, comenta Arlene Ramírez Uresti.


Outras intervenções e maus resultados

Os especialistas em temas internacionais concordam em que os Estados Unidos não mostraram resultados eficientes ao enviar tropas a nações latino-americanas. Pelo contrário: alguns problemas recrudesceram em certos países, asseguram.

“O tema é muito complexo porque os Estados Unidos, em nome de [o que eles consideram] estabilizar e resgatar os processos democráticos, cometeram muitos desacertos (…). [Tanto na América Latina como em outras regiões do mundo], vimos que, em todos os casos, em vez de favorecer o desenvolvimento democrático e a eliminação de grupos criminosos ou ameaças internas, a única coisa que fazem é fortalecer as divisões no país (…). A médio prazo, revertem a forma de fazer política e de gerar consensos nos Estados em que intervêm”, garante Ramírez Uresti.

Continua após o banner

Como exemplos, a especialista relembra as intervenções de Washington no Oriente Médio e as que se deram na América Latina entre as décadas de 1960 e 1970.

Não obstante, ainda insistem em manter-se vigentes pelo menos na zona central e sul do continente americano e, agora, buscam fazê-lo por meio das eleições equatorianas.

“[Queriam] uma estratégia para colocar na Presidência do Equador um candidato que favoreça as políticas regionais de Washington para, posteriormente, começar a estender suas redes. Isto põe em risco a situação eleitoral do Peru, da Colômbia quando termine o mandato de Gustavo Petro, mas também pode afetar a Argentina e a Bolívia, ainda mais agora que Evo Morales deseja voltar a concorrer (…). É preciso entender que o interesse dos Estados Unidos não é o bem-estar equatoriano; prova disso, é que a estratégia militar estadunidense do rio Bravo para o sul tem sido errática, ineficiente, inoperante e lamentável”, afirma López Alvarado.

Continua após o banner

Para concluir, a especialista em assuntos globais considera que a situação do Equador não melhorará com a chegada das tropas estadunidenses, já que são necessários outros ajustes em nível interno.

“O problema no Equador e na América Latina vai muito além. Talvez a redefinição dos esquemas políticos, sociais e econômicos seja a resposta, isto para que estejam verdadeiramente à altura das necessidades da população latino-americana contemporânea”, finaliza.

Angélica Ferrer | Correspondente da Sputnik no México
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Angélica Ferrer

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA